of x

Flambagem Global e Local

Published on 4 days ago | Categories: Documents | Downloads: 0 | Comments: 0

Comments

Content

 

Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós–Graduação em Engenharia Civil

Departamento de Estruturas e Edificações

Dissertação de Mestrado

I nteração nteração Fla F lamba mbagg em G lobal lobal – Fla F lamba mbagg em L oca oc al em P i lares Metá Metálli cos de S eção eção I Dupl D upla ament mente e Si S i mét étri ricos cos  S ob Compr C ompres es s ão Unifor Uni forme me

Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós–Graduação em Engenharia Civil do Centro Tecnológico da Universidade Federal do Espírito Santo, como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil

Mestrando

Warlley Soares Santos Orientador 

Luiz Herkenhoff Coelho

Vitória, 13 de setembro de 2002

 

Warlley Soares Santos

I nteração nteração Fla F lamba mbagg em G lobal lobal – Fla F lamba mbagg em L oca oc al em P i lares Metá Metálli cos de S eção eção I Dupl D upla ament mente e Si S i mét étri ricos cos  S ob Compr C ompres es s ão Unifor Uni forme me

COMISSÃO EXAMINADORA

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Prof. Dr. Ing. Luiz Herkenhoff Coelho, UFES (Prof. Orientador)

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Prof. D. Sc. Walnório Graça Ferreira, UFES (Prof. Examinador Interno)

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Prof. D. Sc. Francisco Carlos Rodrigues, UFMG (Prof. Examinador  Externo)

Vitória, 13 de setembro de 2002

 

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (C IP) (Biblioteca Central da Universidade Federal do Espírito Santo, ES, Brasil) Santos, Warlley Soares, 1977S237i Interação fla flambagem glob lobal – fl flaambagem local em pilare ress metálicos de seção I duplamente simétricos sob compressão uniforme / Warlley Soares Santos. – 2002. 120 f. : il. Orientador: Luiz Herkenhoff Coelho. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Tecnológico.   1. Flambagem (Mecânica). 2. Estabilidade estrutural. I. Coelho, Luiz Herkenhoff. II. Universidade Federal do Espírito Santo. Centro Tecnológico. III. Título. CDU: 624  _______________________  ____________ _______________________ _______________________ _______________________ _______________________ _________________  ______ 

 

 Dedico este trabalho aos meus pais José Soares dos Santos e Maria de Fátima  Araújo dos Santos, que sempre incentivaram.

me

 

Agradecimentos Gostaria de agradecer a Deus por tudo. Aos meus pais José Soares dos Santos e Maria de Fátima Araújo dos Santos, a meus dois irmãos Welington e Welcius que sempre me apoiaram. Ao meu orientador Luiz H. Coelho, aos professores, especialmente Fernando Musso e Walnório Graça Ferreira. Ao NEXEM (Núcleo de Excelência em Estruturas Metálicas e Mistas – Convênio UFES/CST) pelo incentivo financeiro e aos meus amigos que sempre estiveram ao meu lado. Gostaria de agradecer também ao Sr. Virgílio S. Prates e ao Sr. Antônio Carlos B. Vieira pelo estágio na HEC HANDLE no qual pude obter precioso aprendizado sobre engenharia e principalmente sobre o programa ANSYS. Agradeço à Fátima Nogueira e a todos da Softec por sempre esclarecer as dúvidas relativas ao programa ANSYS.  Ao professor Pedro Augusto Cezar Oliveira de Sá um agradecimento especial pelas horas dispensadas neste trabalho e pelo amigo sincero que sempre foi e será.

 

Ora, é indiscutível: é o inferior que recebe a bênção do que é superior. (Heb 7,7)

 

i

Sumário LISTA DE TABELAS..........................................................................................................................................II LISTA DE FIGURAS............................................................................................................................... FIGURAS.................................................................. ....................................................................... .......... III RESUMO ........................................................................................................................ ....................................................... ....................................................................................................... ...................................... V ABSTRACT ........................................................................................................................... ................................................................ .........................................................................................VI ..............................VI CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ........................................................... ......................................................................................................................... ................................................................. ... 1 CAPÍTULO 2 ESTADO DO CONHECIMENTO..............................................................................................3

2.1 I NSTABILIDADE DE PILARES METÁLICOS.......................................................................................................3  Introdução............................................ ..........................................................................................................  Introdução.................................................................................................... .................................................. 3  As propriedades dos aços .............................................................................................................................. ........................................................................ ...................................................... 4  Dimensionamento .......................................................................................................................................... ............................................................................................. ............................................. 6   Flambagem por flexão .......................................................................................................... .................................................. ................................................................................. ......................... 7   Flambagem por torção ............................................................................... ................................................................................................................................ ................................................. 15  Flambagem por flexão e torção.................................................. torção ....................................................................................................... ................................................................. ............ 16   Flambagem lateral.......................................................................................... lateral.............................. ......................................................................................................... ............................................. 17   Flambagem Local ................................................................................................. ............................................. ........................................................................................... ....................................... 20 da seção ............................................................................. ...................................................................................................................................... ......................................................... 27  ENTRE FLAMBAGEM LOCAL E GLOBAL ....................................................................................29 2.2 Distorção I NTERAÇÃO  Introdução............................................ ........................................................................................................  Introdução.................................................................................................... ................................................ 29 Classificação das instabilidades acopladas...................................................... acopladas................................................................................................. ........................................... 31  Métodos de Análise ..................................................................................................... ................................................. ..................................................................................... ................................. 34

CAPÍTULO 3 MODELO NUMÉRICO ............................................................................................................ ...................................................... ...................................................... 39

3.1 CURVA DE FLAMBAGEM ALTERNATIVA ......................................................................................................39 3.2 CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES DO MODELO NUMÉRICO ..........................................................................43 3.3 ESCOLHA DA MALHA ..................................................................................................................................46  Alguns casos estudados............................................................................................ estudados........................................... ..................................................................................... .................................... 49 ESCOLHA DO MATERIAL .................................................... ................................................................................................................ ...................................................................... .......... 61  Alguns casos estudados............................................................................................ estudados........................................... ..................................................................................... .................................... 62

3. 4

CAPÍTULO 4 PERFIS LONGOS......................................................................................................................65

FLAMBAGEM GLOBAL .......................................................................................................................................65 CAPÍTULO 5 PERFIS CURTOS ...................................................... .................................................................................................................. ................................................................ .... 68 5.1 FLAMBAGEM NA ALMA ................................................................................................................................69 5.2 FLAMBAGEM NAS MESAS ....................................................... ................................................................................................................... ...................................................................... .......... 71 5.3 I NTERAÇÃO FLAMBAGEM NA ALMA ALMA E MESA.................................................................................................73 CAPÍTULO 6 PERFIS INTERMEDIÁRIOS...................................................................................................77

6.1 I NTERAÇÃO FLAMBAGEM GLOBAL GLOBAL E FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA ............................................................77 GLOBAL E FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS .........................................................81 6.2 I NTERAÇÃO FLAMBAGEM GLOBAL 6.3 I NTERAÇÃO FLAMBAGEM GLOBAL GLOBAL E FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA E NAS MESAS.......................................84 CAPÍTULO 7 MÉTODO ALTERNATIVO ..................................................................................................... ........................................................... .......................................... 94 Um exemplo ilustrativo ............................................................................................................................ ................................................................ ................................................................ .... 94

CAPÍTULO 8 CONCLUSÕES...........................................................................................................................96 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.............................................................................................................100 ANEXO: ARQUIVO PARA PARAMETRIZAÇÃO ..................................................................................... .................................................................. ................... 106

 

ii

Lista de Tabelas C ap apítulo ítulo 4 TABELA 4.1 – COMPRIMENTOS, CARGA ÚLTIMA RELATIVA E ÍNDICES DE ESBELTEZ RELATIVOS DOS PERFIS LONGOS .....................................................................................................................................................................65

C ap apítulo ítulo 5 TABELA 5.1 – ESPESSURA DA ALMA E COMPRIMENTO DOS PERFIS CURTOS SUJEITOS A FLAMBAGEM NA ALMA .....69 P ARA PERFIS CURTOS SUJEITOS À TABELA 5.2 – CARGA ÚLTIMA RELATIVA E ÍNDICE DE ESBELTEZ RELATIVO PARA FLAMBAGEM NA ALMA REFERIDOS NA TABELA 5.1 ...................................................... ...................................................................................... ................................ 70 TABELA 5.3 – ESPESSURA DA ALMA E COMPRIMENTO DOS PERFIS CURTOS SUJEITOS À FLAMBAGEM NA ALMA CUJOS ÍNDICES DE ESBELTEZ RELATIVOS DA ALMA ESTÃO ENTRE 0.8 E 1.8...................................................71 TABELA 5.4 – CARGA ÚLTIMA RELATIVA E ÍNDICE DE ESBELTEZ RELATIVO PARA P ARA PERFIS CURTOS SUJEITOS À FLAMBAGEM NA ALMA REFERIDOS NA TABELA 5.3 ...................................................... ...................................................................................... ................................ 71 M ESAS72 TABELA 5.5 – ESPESSURA DAS MESAS E COMPRIMENTO DOS PERFIS CURTOS SUJEITOS À FLAMBAGEM NAS MESAS TABELA 5.6 – CARGA ÚLTIMA RELATIVA E ÍNDICE DE ESBELTEZ RELATIVO PARA P ARA PERFIS CURTOS SUJEITOS À FLAMBAGEM NAS MESAS ........................................................ .................................................................................................................... ...................................................................... .......... 72 M ESAS TABELA 5.7 – ESPESSURA DAS MESAS E COMPRIMENTO DOS PERFIS CURTOS SUJEITOS À FLAMBAGEM NAS MESAS CUJOS ÍNDICES DE ESBELTEZ RELATIVOS DAS MESAS ESTÃO ENTRE 0.8 E 1.8 ................................................73 TABELA 5.8 – CARGA ÚLTIMA RELATIVA E ÍNDICE DE ESBELTEZ RELATIVO PARA P ARA PERFIS CURTOS SUJEITOS À FLAMBAGEM NAS MESAS REFERIDOS NA TABELA 5.7 ................................................... ................................................................................... ................................ 73 TABELA 5.9 – ESPESSURAS DA ALMA E DAS MESAS E COMPRIMENTO DOS PERFIS CURTOS SUJEITOS À INTERAÇÃO ENTRE FLAMBAGEM NA ALMA E NAS MESAS .................................................................................................74 TABELA 5.10 – CARGA ÚLTIMA RELATIVA E ÍNDICES DE ESBELTEZ RELATIVOS PARA PERFIS CURTOS SUJEITOS À INTERAÇÃO DE FLAMBAGEM NA ALMA E NAS MESAS ....................................................................................75

C ap apítulo ítulo 6 TABELA 6.1 – CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DOS PERFIS SUJEITOS À INTERAÇÃO FLAMBAGEM GLOBAL E FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA ......................................................................................................................77 TABELA 6.2 – CARGA ÚLTIMA RELATIVA E ÍNDICES DE ESBELTEZ RELATIVOS PARA PERFIS INTERMEDIÁRIOS SUJEITOS À INTERAÇÃO ENTRE FLAMBAGEM GLOBAL E FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA ................................78 TABELA 6.3 – R EGRESSÃO EGRESSÃO DOS RESULTADOS DA TABELA 6.2 SEGUNDO A EQUAÇÃO (3.3) ............. .................... .............. .............. ......... 80 TABELA 6.4 – CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DOS PERFIS SUJEITOS À INTERAÇÃO FLAMBAGEM GLOBAL E FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS ...................................................................................................................81 ÚLTIMA RELATIVA E ÍNDICES DE ESBELTEZ RELATIVOS PARA PERFIS INTERMEDIÁRIOS TABELA 6.5 – CÀARGA SUJEITOS INTERAÇÃO ENTRE FLAMBAGEM GLOBAL E FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS .............................82 TABELA 6.6 – R EGRESSÃO EGRESSÃO DOS RESULTADOS DA TABELA 6.5 SEGUNDO A EQUAÇÃO (3.3) ............. .................... .............. .............. ......... 83 TABELA 6.7 – CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS, ÍNDICES DE ESBELTEZ RELATIVOS E RESISTÊNCIA ÚLTIMA RELATIVA DOS PERFIS SUJEITOS À INTERAÇÃO FLAMBAGEM GLOBAL E FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA E NAS MESAS...........................................................................................................................................................85 EGRESSÃO DOS RESULTADOS DA TABELA 6.7 SEGUNDO A EQUAÇÃO (3.3) ............. TABELA 6.8 – R EGRESSÃO .................... .............. .............. ......... 90

C ap apítulo ítulo 8 TABELA 8.1 – CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DOS PERFIS PARA COMPARAÇÃO ENTRE OS RESULTADOS OBTIDOS  NUMERICAMENTE E OS DA NORMA NBR 8800/86..................................................................... 8800/86................. ........................................................................ .................... 96 TABELA 8.2 – COMPARAÇÃO ENTRE OS RESULTADOS OBTIDOS NUMERICAMENTE E OS DA NORMA NBR 8800/86 96

 

iii

Lista de Figuras C ap apítulo ítulo 2

IGURA 2.1. GRÁFICO σ   - ε   PARA AÇOS NÃO TEMPERADOS ..................................................................................4 FIGURA F 2.2. DISTRIBUIÇÃO DAS TENSÕES RESIDUAIS EM SEÇÕES DO TIPO I: 1. W 14X730 [KSI] 2. WW 23X681 [KIPS/IN²] ....................................................................................................................... ........................................................... ............................................................................................. ................................. 5 FIGURA 2.3. CURVA  P − δ   DE PILARES SEM DEFORMAÇÕES INICIAIS E COM COMPORTAMENTO LINEAR  CONSIDERANDO GRANDES DEFORMAÇÕES E PEQUENOS DESLOCAMENTOS .....................................................8 FIGURA 2.4. CURVA  P − δ   DE PILARES SEM DEFORMAÇÕES INICIAIS E COM COMPORTAMENTO NÃO LINEAR  CONSIDERANDO GRANDES DEFORMAÇÕES E PEQUENOS DESLOCAMENTOS .....................................................8 FIGURA 2.5. CURVA  P − δ   DE PILARES SEM DEFORMAÇÕES INICIAIS E COM COMPORTAMENTO LINEAR  CONSIDERANDO GRANDES DEFORMAÇÕES E GRANDES DESLOCAMENTOS .......................................................9 FIGURA 2.6. CURVA  P − δ   DE PILARES SEM DEFORMAÇÕES INICIAIS E COM COMPORTAMENTO NÃO LINEAR  CONSIDERANDO GRANDES DEFORMAÇÕES E GRANDES DESLOCAMENTOS .......................................................9 FIGURA 2.7. CURVA  P − δ   DE PILARES COM DEFORMAÇÕES INICIAIS E COMPORTAMENTO LINEAR  CONSIDERANDO GRANDES DEFORMAÇÕES E PEQUENOS DESLOCAMENTOS .....................................................9 FIGURA 2.8. CURVA  P − δ   DE PILARES COM DEFORMAÇÕES INICIAIS E COMPORTAMENTO NÃO LINEAR  LINEAR ..............9 − λ  TÍPICA ........................................................... FIGURA 2.9. CURVA  χ   − ....................................................................................................................... ............................................................ 12

− λ  .............................................................................................................12 FIGURA 2.10. BANDA DE CURVAS  χ   − FIGURA 2.11. FENÔMENO DA FLAMBAGEM LOCAL ................................................................................................20 FIGURA 2.12. COMPORTAMENTO DE CHAPAS COM E SEM IMPERFEIÇÕES INICIAIS ..................................................22 FIGURA 2.13. CURVA σ   − ε   ANTES E DEPOIS DA FLAMBAGEM LOCAL .................................................................23 FIGURA 2.14. DISTRIBUIÇÃO DE TENSÕES APÓS FLAMBAGEM LOCAL EM CHAPAS APOIADA – APOIADA .................23 FIGURA 2.15. DISTRIBUIÇÃO DE TENSÕES APÓS FLAMBAGEM LOCAL EM CHAPAS APOIADA – LIVRE......................23 FIGURA 2.16. CONCEITO DE L ARGURA E  FETIVA ......................................................................................................24 FIGURA 2.17. MODO DE I NSTABILIDADE POR DISTORÇÃO EM PERFIS U ENRIJECIDOS E PERFIS R ACKS ACKS..................28 FIGURA 2.18. EROSÃO PRIMITIVA E EROSÃO DERIVADA – I NTERAÇÃO FLAMBAGEM GLOBAL (1º MODO) –  FLAMBAGEM LOCAL (2º MODO) ........................................................................................................... ................................................... ................................................................ ........ 32 C ap apítulo ítulo 3 FIGURA 3.1. MALHAS CONSIDERADAS NOS CORPOS DE PROVA DE CHAPAS APOIADA – LIVRE E SEUS CORRESPONDENTES GRÁFICOS  P − δ  .........................................................................................................47 FIGURA 3.2. MALHAS CONSIDERADAS NOS CORPOS DE PROVA DE CHAPAS APOIADA – APOIADA E SEUS CORRESPONDENTES GRÁFICOS  P − δ  .........................................................................................................48 FIGURA 3.3. PERFIL CURTO – MALHA DE ELEMENTOS FINITOS, CONDIÇÕES DE CONTORNO, SOLICITAÇÃO E DEFORMADA DE FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA ..........................................................................................50 FIGURA 3.4. GRÁFICOS  P − δ   DOS PERFIS CURTOS (FLAMBAGEM NA ALMA) – 1. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS QUASE NULAS. 2. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS CONSIDERÁVEIS .........................................50 FIGURA 3.5. PERFIL CURTO – MALHA DE ELEMENTOS FINITOS, CONDIÇÕES DE CONTORNO, SOLICITAÇÃO E DEFORMADA DE FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS .......................................................................................51 FIGURA 3.6. GRÁFICOS  P − δ   DOS PERFIS CURTOS (FLAMBAGEM NAS MESAS) – 1. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS QUASE NULAS. 2. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS CONSIDERÁVEIS .........................................52 FIGURA 3.7. PERFIL LONGO – MALHA DE ELEMENTOS FINITOS, CONDIÇÕES DE CONTORNO, SOLICITAÇÃO E DEFORMADA DE FLAMBAGEM POR FLEXÃO .................................................................................................53 FIGURA 3.8. GRÁFICOS  P − δ   DOS PERFIS LONGOS (FLAMBAGEM POR FLEXÃO) – 1. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS QUASE NULAS. 2. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS CONSIDERÁVEIS .........................................53 FIGURA 3.9. PERFIL I NTERMEDIÁRIO – MALHA DE ELEMENTOS FINITOS, CONDIÇÕES DE CONTORNO, SOLICITAÇÃO E DEFORMADA DE FLAMBAGEM GLOBAL – FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA ..........................54

 

iv

FIGURA 3.10. GRÁFICOS  P − δ   DOS PERFIS INTERMEDIÁRIOS (FLAMBAGEM GLOBAL – FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA) – 1. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS QUASE NULAS. 2. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS CONSIDERÁVEIS ............................................................................................................................................55 FIGURA 3.11. PERFIL I NTERMEDIÁRIO – MALHA DE ELEMENTOS FINITOS, CONDIÇÕES DE CONTORNO, SOLICITAÇÃO E DEFORMADA DE FLAMBAGEM GLOBAL – FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS .......................56 FIGURA 3.12. GRÁFICOS  P − δ   DOS PERFIS INTERMEDIÁRIOS (FLAMBAGEM GLOBAL – FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS) – 1. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS QUASE NULAS 2. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS CONSIDERÁVEIS ............................................................................................................................................57 FIGURA 3.13. PERFIL CURTO – MALHA DE ELEMENTOS FINITOS, CONDIÇÕES DE CONTORNO, SOLICITAÇÃO E DEFORMADA DE FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA – FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS...................................58 FIGURA 3.14. GRÁFICOS  P − δ   DOS PERFIS CURTOS (FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA – FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS) – 1. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS QUASE NULAS 2. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS CONSIDERÁVEIS ............................................................................................................................................59 FIGURA 3.15. PERFIL I NTERMEDIÁRIO – MALHA DE ELEMENTOS FINITOS, CONDIÇÕES DE CONTORNO, SOLICITAÇÃO E DEFORMADA DE FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA – FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS –  FLAMBAGEM GLOBAL ..................................................................................................................................60 FIGURA 3.16. GRÁFICOS  P − δ   DOS PERFIS I NTERMEDIÁRIOS (FLAMBAGEM GLOBAL – FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA – FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS) – 1. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS QUASE NULAS 2. PERFIL COM DEFORMAÇÕES INICIAIS CONSIDERÁVEIS ..............................................................................................60 FIGURA 3.17. CURVA σ   − ε   DE AÇOS CARBONO ..................................................................................................61 FIGURA 3.18. CURVA σ - ε DO AÇO CARBONO COM  f ε 0 = 230 MPa  E N = 12 ....................................................62 FIGURA 3.19. GRÁFICOS  P − δ   DOS PERFIS LONGOS (FLAMBAGEM GLOBAL) – 1. PERFIL COM IMPERFEIÇÕES FÍSICAS 2. PERFIL SEM IMPERFEIÇÕES FÍSICAS ..............................................................................................64

C ap apítulo ítulo 4 FIGURA 4.1. CURVA DE FLAMBAGEM DE PERFIS TIPO I COM IMPERFEIÇÕES I NICIAIS ............................................66

C ap apítulo ítulo 5 FIGURA 5.1. TUBO CURTO – DISTRIBUIÇÃO DE TENSÕES NO ESTADO LIMITE ÚLTIMO – 1. TENSÕES NA DIREÇÃO DA APLICAÇÃO DA CARGA [K   N/CM²] 2. T ENSÃO EQUIVALENTE DE VON MISES [K  N/CM²] ............. .................... .............. ......... 68

C ap apítulo ítulo 6 FIGURA 6.1. CURVAS DE FLAMBAGEM DE PERFIS TIPO I COM IMPERFEIÇÕES I NICIAIS – I NTERAÇÃO FLAMBAGEM GLOBAL – FLAMBAGEM LOCAL NA ALMA ...................................................................................................80 FIGURA 6.2. CURVAS DE FLAMBAGEM DE PERFIS TIPO I COM IMPERFEIÇÕES I NICIAIS – I NTERAÇÃO FLAMBAGEM GLOBAL – FLAMBAGEM LOCAL NAS MESAS ................................................................................................84 FIGURA 6.3. VARIAÇÃO DO PARÂMETRO α ............................................................................................................91 FIGURA 6.4. VARIAÇÃO DO PARÂMETRO β .............................................................................................................92 .............................................................................................................92 FIGURA 6.5. VARIAÇÃO DO PARÂMETRO λ r  .........................................................................................................92

 

v

Resumo SANTOS, Warlley Soares. Interação Flambagem Global – Flambagem Local em Pilares Metálicos de Seção I Duplamente Simétricos Sob Compressão Uniforme. 2002. 120 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade

Federal do Espírito Santo.

Os perfis metálicos comprimidos podem submeter-se à flambagem global, à flambagem das chapas componentes (flambagem local) ou, ainda, à interação entre os dois modos de flambagem. Nos códigos modernos, esta interação é considerada através do método da largura efetiva. Na verificação da barra à flambagem global, sua esbeltez relativa e sua resistência são determinadas com base no conceito de largura efetiva de chapas. Este conceito, no entanto, não representa perfeitamente a influência da flambagem local na resistência da barra. O propósito do estudo apresentado é demonstrar a possibilidade de se tratar o problema da interação flambagem global – flambagem local em perfis metálicos comprimidos de forma alternativa, dispensando-se a utilização do conceito de largura efetiva. É apresentado um estudo numérico, baseado no método dos elementos finitos, de perfis metálicos tipo I, duplamente simétricos, sujeitos ao fenômeno da interação flambagem global – flambagem local na compressão. É destacada a influência desta interação na resistência do perfil para diversas relações entre as esbeltezes do perfil e de suas chapas componentes.

Palavras-chaves:

metálicos.

instabilidade; flambagem; instabilidades acopladas; perfis

 

vi

Abstract SANTOS, Warlley Soares. Overall – Local Interaction Buckling on Compressed Double Simetrics I Steel Profile. 2002. 120 p. Dissertation (Master Degree in Civil

Engineering) – Federal University of Espírito Santo.

Compressed steel profiles can undergo overall buckling, local buckling or interaction buckling (coupled instability). Modern codes consider this interaction by the effective width method. Bar strength and slenderness are affected by effective width concept in the overall buckling verification. This concept, however, does not represents the local buckling phenomenon perfectly. The purpose of this work is to show the possibility of the treatment of the interaction buckling by an alternative way, without the effective width concept.  A numeric analysis, by FEM, is present in order to t o verify the behavior of compressed I steel profile under interaction buckling. The influence of this interaction in the profile strength for several bar slenderness – plate slenderness rates is pointed out.

Key words: instability; buckling; coupled instabilities; steel profile.

 

Capítulo 1

Introdução

Na maior parte das estruturas, os pilares são elementos de fundamental importância. A resistência dos pilares na estrutura que os contêm, pode ser  determinista no colapso da mesma como um todo. Em estruturas metálicas, em geral, o colapso dos pilares ocorre basicamente em condições de instabilidade. Em 1744, Euler apresentou uma solução do problema de instabilidade de pilares esbeltos constituídos de material infinitamente elástico, simplesmente apoiados (bi–articulados) nas extremidades, de seção constante, sem imperfeições geométricas e físicas, submetidos a compressão simples. Desde então, muitos estudos têm sido desenvolvidos buscando uma melhor  compreensão do problema de instabilidade assim como uma formulação de soluções considerando todos os fatores que afetam o fenômeno.  A instabilidade estrutural pode manifestar-se de distintas formas, denominadas modos de instabilidade instabilidade.. Assim, em pilares podem ocorrer fenômenos de instabilidade por flexão, torção, ou flexo–torção das peças como um todo (flambagem global), por distorção da seção, por flexão localizada das chapas componentes do pilar (flambagem local) e inclusive por interação entre dois ou mais modos de instabilidade. instabilidade. Em determinados modos de instabilidade, o pilar pode apresentar uma resistência pós–crítica, fazendo com que o colapso ocorra sob tensões superiores à tensão crítica. As tensões superiores ao valor crítico, nestes casos, ocorrem por que, após a flambagem, há uma redistribuição das tensões, o que confere resistência pós–crítica à peça.

 A interação entre dois modos de instabilidade pode ocorrer quando suas tensões críticas são coincidentes, ou com valores suficientemente próximos.

 

Capítulo 1 - Introdução

2

Pesquisadores, visando otimizar o dimensionamento, formularam o Principio das Instabilidades Simultâneas, Simultâneas, que consistia em escolher as dimensões da peça de tal maneira que os possíveis e distintos modos de instabilidade tivessem a mesma tensão crítica sob mesmo esforço solicitante. Entretanto, este principio somente se aplica a estruturas ideais ideais,, ou seja, estruturas que não apresentam imperfeições iniciais. Tais estruturas são inexistentes na prática das construções. Por esta razão, tal principio foi denominado Principio Ingênuo de Otimização. Otimização. Nas estruturas reais sabe-se que a interação entre dois modos de instabilidade provoca um novo modo de instabilidade que corresponde a uma carga de colapso geralmente inferior a que se obteria considerando isoladamente os possíveis modos de instabilidade. Recentemente, o tema da interação tem sido estudado com maior freqüência e contemplado nas versões mais atuais das normas.  A proposta deste trabalho é estudar a instabilidade de pilares metálicos tendo em vista a interação entre flambagem global – flambagem local, utilizando o método dos elementos finitos. Serão considerados:

•  •  •  •  • 

Pilares submetidos a compressão centrada Seções do tipo I duplamente simétrica Aços carbono comum de média resistência sem tratamento térmico Imperfeições geométricas iniciais (deformações iniciais) Imperfeições mecânicas (tensões residuais).

Como resultado deste estudo, pretende-se desenvolver procedimentos alternativo para dimensionamento de pilares metálicos suscetíveis à interação entre os modos de flambagem local e o modo de flambagem global.

 

Capítulo 2

Estado do Conhecimento

2.1 Instabilidade de Pilares Metálicos

Introdução  A flambagem estrutural é caracterizada pelo aparecimento, nos elementos estruturais submetidos a tensões de compressão, de grandes deformações decorrentes de pequenas variações do carregamento. Existem vários tipos de instabilidade, dependendo do tipo da estrutura, do tipo da solicitação a que está submetida e de suas condições iniciais. Os pilares e chapas, em condições ideais, perdem estabilidade por troca repentina do modo de deformação, caracterizando, assim, o fenômeno conhecido por bifurcação do equilíbrio. equilíbrio. O novo modo de deformação não parece, em princípio, compatível com as solicitações. Em condições reais, ou seja, com imperfeições iniciais, não há mudança repentina de modo de deformação e sim uma significativa ampliação das deformações sob pequenos incrementos do valor da carga. O aparecimento das grandes deformações caracteriza a chamada fase  pós–crítica   do comportamento mecânico do pilar ou das chapas. Se a  pós–crítica carga que a peça pode suportar após o inicio da fase pós–crítica cresce com as deformações, a estrutura tem um comportamento pós–crítico estável . Se ocorre o contrário, apresenta um comportamento pós–crítico  (Galambos, 1998). instável  (Galambos, Os fatores que influenciam o modo de instabilidade e a carga crítica são as relações geométricas do elemento estrutural, suas condições de apoio, suas imperfeições iniciais e as características mecânicas do material.  Além do que, as estruturas em regime elástico–linear se comportam de

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

4

forma distinta das estruturas em regime plástico ou não linear, com relação à instabilidade.  As propriedades dos aços  As características mecânicas dos materiais podem ser obtidas por meio do tradicional ensaio de tração ou de compressão. Os aços carbono comuns apresentam diagramas tensão–deformação idealizados como o que é mostrado na Figura 2.1 (Galambos, 1998). σ   f  y

ε 

Figura 2.1. Gráfico σ   - ε   para aços não temperados Na Figura 2.1 acima apresenta-se somente a parte inicial dos diagramas, onde σ   é a tensão normal, ε   é sua correspondente deformação linear e  f  y  é

o limite de escoamento do aço. A linha com traço descontinuo de cor 

vermelha representa a alteração que pode sofrer o gráfico quando corpos de prova ensaiados possuem tensões residuais.  As tensões t ensões residuais surgem nos perfis metálicos met álicos como conseqüência do esfriamento irregular, ou por algum aquecimento localizado que possam sofrer estes perfis durante o processo de sua fabricação, ou mesmo durante o processo de conformação a frio. Na Figura 2.2 mostra-se a distribuição de tensões residuais na seções de dois perfis tipo I, o primeiro laminado e o segundo soldado (Galambos 1998).

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

5

Figura 2.2. Distribuição das tensões residuais em seções do tipo I: 1. W 14x730 [ksi] 2. WW 23x681 [kips/in²] Os aços carbono com tensões residuais diferem dos aços carbono sem tensões residuais por apresentar uma relação tensão–deformação não linear (Galambos, 1998; Olsson, 1998). As relações tensão–deformação destes aços são representadas analiticamente pela fórmula de Ramberg – Osgood (1941), modificada por Hill (1944) e por van der Merwe (1987) (Arnedo et al., 1998; Bredenkamp et al., 1998):

ε  =

σ   E o

  σ  + ε 0       f ε 

0

(2.1)

n

       

ε   é a deformação linear especifica, σ   é a tensão axial,  E o  é o módulo de

elasticidade inicial do aço,  f ε 0   é a tensão limite de escoamento convencional, tal que gera uma deformação residual ε 0 . Geralmente ε 0   = 0.2%  e, portanto,  f ε 0 

=  f 0.2 .

O parâmetro n  caracteriza o grau de não–linearidade da relação σ   − ε   do aço. Valores distintos de n  permitem representar esta relação para outros tipos de metais, por exemplo aço inoxidável (Rasmussen e Rondal, 1998; Rondal, 1998).

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

6

O módulo tangente, utilizado, como se verá adiante, para determinar  resistência de peças solicitadas, pode determinar-se mediante a seguinte expressão, obtida a partir da derivada da tensão σ   em relação a deformação ε   da da equação (2.1) (Bredenkamp et al., 1998; Rondal, 1998) (2.2)

 f ε 0 E o

 E t  =  f ε 0

  σ  + ε 0 nE o    f ε 

0

n −1

       

Dimensionamento O processo analítico tradicional de dimensionamento de pilares metálicos toma em conta a expressão (Galambos, 1998; Richard Liew et al., 1992)  P   P u

+

 M  x  M   xu

+

 M  y M  yu

≤1

(2.3)

onde  P ,  M  x   e  M  y  são, respectivamente, o esforço axial de compressão e os momentos fletores relativos aos eixos principais da seção ( x   e  y ), calculados por análise de segunda ordem. Os valores  P u ,  M  xu  e  M  yu  são as respectivas resistências. Os valores das resistências são esforços limites que, na maioria dos casos práticos, são os esforços críticos de instabilidade. Os pilares metálicos flexo–comprimidos podem estar sujeitos a modos de instabilidade de três naturezas distintas: a flambagem global, a flambagem local e a distorção da seção (flambagem por distorção). Os tipos de flambagem global são: flambagem por flexão, por torção e por  flexo–torção, devidas à compressão, e a flambagem lateral por flexão e torção, devida à flexão.

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

7

Flambagem por flexão  A flambagem por flexão na compressão ocorre, em geral, nos pilares longos duplamente simétricos.  A carga crítica no regime elástico linear, obtida por Euler (1744) para pilares prismáticos ideais é a menor das cargas (Bjorhovde, 1992; Galambos, 1998; Timoshenko e Gere, 1961): π 2 EA  P crx =  e  P cry λ  x2

π 2 EA = 2 λ  y

(2.4)

onde  x   e  y   são os eixos principais da seção,  E   é o módulo de elasticidade do material,  A  é a área da seção do pilar e λ  x   e λ  y  são os parâmetros de esbeltez do pilar em relação aos eixos  x   e  y , respectivamente, determinados por 

λ  x

=

k  x L x r  x

 e λ  y =

k  y L y

(2.5)

r  y

Os coeficientes k  x   e k  y   são os coeficientes de flambagem, que dependem das condições de apoio do pilar nos planos  y −  z   e  x −  z , respectivamente,  L x   e  L y   são os comprimentos destravados do pilar  nestes planos, ou seja, distâncias entre duas seções consecutivas que têm impedida sua translação em cada plano e r  x  e r  y , os raios de giração da seção com relação aos seus eixos principais. O eixo  z   é o lugar  geométrico dos centros de gravidade das seções do pilar. Se o pilar tem comportamento não linear, seja pela existência de tensões residuais, seja pelo fato do material entrar no regime plástico, a carga crítica, obtida por Engesser (1898) e confirmada por Shanley (1947), é a

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

8

menor das seguintes (Bjorhovde, 1992; Galambos, 1998; Timoshenko e Gere, 1961):

 P crx

=

π  2 E t  A λ  x2

 e  P cry =

(2.6)

π  2 E t  A λ  y2

onde  E t   é o módulo tangente do material.  As curvas  P − δ   representativas dos comportamentos linear e não linear  do pilar são as mostradas nas Figura 2.3 e Figura 2.4, 2.4, respectivamente,  respectivamente, considerando grandes deformações e pequenos deslocamentos. Nestes gráficos,  P  é o esforço axial de compressão, δ   é o deslocamento lateral máximo de flexão das seções do pilar e  P cr    é a carga crítica de flambagem.  P  P cr 

P   P cr 

 

δ

Figura 2.3. Curva  P − δ   de pilares sem deformações iniciais e com comportamento linear considerando grandes deformações e pequenos deslocamentos

δ 

Figura 2.4. Curva  P − δ   de pilares sem deformações iniciais e com comportamento não linear  considerando grandes deformações e pequenos deslocamentos

 As curvas  P − δ   representativas dos comportamentos linear e não linear  do pilar são as mostradas nas Figura 2.5 2.5   e Figura 2.6, 2.6,   considerando, grandes deformações e grandes deslocamentos.

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

9

 P   P máx  P cr 

 P   P cr 

δ 

δ 

Figura 2.5. Curva  P − δ   de pilares sem deformações iniciais e com comportamento linear  considerando grandes deformações e grandes deslocamentos

Figura 2.6. Curva  P − δ   de pilares sem deformações iniciais e com comportamento não linear  considerando grandes deformações e grandes deslocamentos

Considerando agora, grandes deformações apenas e as deformações iniciais, as curvas  P − δ   são mostradas nas Figura 2.7  2.7  e Figura 2.8 por  meio de linha sólida, onde ei  é o máximo deslocamento lateral inicial.

 P 

 P   P cr 

 

 P cr 

ei

δ 

Figura 2.7. Curva  P − δ   de pilares com deformações iniciais e comportamento linear considerando grandes deformações e pequenos deslocamentos

ei

δ 

Figura 2.8. Curva  P − δ   de pilares com deformações iniciais e comportamento não linear  considerando grandes deformações e pequenos deslocamentos

 As deformações iniciais, portanto, diminuem a resistência à flambagem por flexão de pilares e a resistência a qualquer outro modo de instabilidade.

Sabendo que as deformações iniciais e as tensões residuais tornam difícil a obtenção de uma solução analítica, a carga de dimensionamento de

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

10

pilares prismáticos comprimidos requer fórmulas empíricas. Existem, essencialmente, quatro processos para obtenção destas fórmulas (Bjorhovde, 1992; Galambos, 1998): a)

o processo baseado em fórmulas empíricas obtidas a partir de testes em colunas de dimensões e material usuais, que é muito limitado, pois os resultados somente são aplicáveis aos pilares que tenham as mesmas características dos pilares ensaiados

b)

o processo baseado no estado limite de plastificação, plastificação, que determina a resistência de um pilar comprimido como sendo a carga que produz uma tensão igual ao limite de escoamento do material, considerando a flexão elástica do pilar com deformações iniciais submetido a cargas centradas ou excêntricas

c)

o processo baseado na teoria do módulo tangente, tangente, que considera o comportamento não linear do pilar, entretanto sem levar  em conta, de forma explícita, as deformações iniciais e tampouco as eventuais excentricidades da carga

d)

o processo baseado na máxima resistência, resistência, que consiste em obter fórmulas que são ajustes numéricos de curvas  P u − λ    obtidas por meio de análises numéricas e/ou experimental, da carga última  P u de uma amostra representativa de pilares, geometricamente imperfeitos e contendo tensões residuais; a carga última  P u   é o carregamento crítico real   de flambagem, se supõe-se que o colapso ocorre em condições de instabilidade.

O processo de dimensionamento baseado na máxima resistência é o mais atual e utilizado pelas versões mais recentes das normas. Mesmo assim, pode-se recorrer, em muitos casos, aos demais processos, com resultados satisfatórios. O processo baseado no estado limite de plastificação foi originado pela obtenção da Curva de Perry , uma curva  P u − λ    obtida por meio da consideração de um pilar com comportamento elástico–linear, comprimido de forma centrada e com uma imperfeição geométrica senóidal, e a Curva

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

11

da Secante, Secante, que considera o pilar carregado excentricamente (Bjorhovde, 1992). Ambas as curvas foram utilizadas durante muitos anos no processo de dimensionamento de pilares metálicos comprimidos. Em determinadas condições, a fórmula da secante pode ser utilizada adequadamente para perfis formados a frio comprimidos.  A teoria do módulo tangente determina a resistência do pilar com base na aplicação da expressão (2.6) mencionada anteriormente. Este processo é recomendado para pilares de aço inoxidável (Berg, 1998; Bredenkamp et al., 1998; Galambos, 1998). Por outro lado, os estudos experimentais realizados com o propósito de provar a validade deste procedimento, foram desenvolvidos sobre peças que haviam sido tratadas previamente com o objeto de reduzir as imperfeições geométricas iniciais e as tensões residuais. Evidentemente, tal forma de proceder dá lugar à obtenção de resultados experimentais muito próximos dos teóricos. A norma norte– americana ANSI/ASCE-8-90, par para a aços inoxidáveis, utiliza a teoria do módulo tangente, com base no comportamento não linear do material e em resultados experimentais. Por outro lado, o Eurocódigo 3 (ENV 3 (ENV 19931-1, 1996) utiliza uma curva obtida a partir do processo baseado na máxima resistência. Em geral, a curva  P u − λ    é substituída por outra equivalente, do tipo  χ  −  − λ , onde

(2.7)

 P u   σ u

 χ  =  

 P  y

=

 f  y

é a resistência ultima relativa (adimensional) do pilar, e

λ  =

 P  y

 

 P e

 

=

f  y

σ e

(2.8)

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

12

é sua esbeltez relativa. Nestas expressões,  P  y   é a carga limite de escoamento do pilar, σ u   é a tensão última ou tensão crítica real   de flambagem e  P e  e σ e  são, respectivamente, a carga e a tensão t ensão críticas do pilar ideal (regime elástico linear). Para aços carbono, esta curva tem o aspeto mostrado na Figura 2.9 2.9   e muitas são as fórmulas que tem sido enunciadas para representá-la.  χ 

Curva de Euler  1  χ 0

0

λ 

λ r 

 − λ  típica Figura 2.9. Curva  χ  − Beer e Schultz (1970) e Bjorhovde (1972) demonstram que a influência das imperfeições iniciais é distinta para distintos tipos de seções e de aços, fazendo-se, então, necessário várias curvas  χ  −  − λ  para representar  toda a gama de possibilidades práticas. Estas curvas estão dentro de uma banda, como se mostra na Figura 2.10.  χ 

Curvas limites da banda  χ 0

0

λ 

 − λ  Figura 2.10. Banda de curvas  χ  −

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

13

Para fins práticos, são escolhidas algumas curvas representativas de partes da banda, com o propósito de determinar a carga crítica de dimensionamento dos pilares correspondentes.  As mais importantes fórmulas representativas destas curvas são as que foram desenvolvidas por Bjorhovde (1972), conhecidas como as curvas do SSRC – Structural Stability Research Council , e as que foram desenvolvidas por Beer, Schultz, Jacquet e Sfintesco (1970), conhecidas como as curvas do ECCS – European Convention for Constructional  Steelwork (Bjorhovde, 1992; Galambos, 1998).  As curvas do SSRC podem podem ser representadas pela expressão expressão 1  χ  =

2

(2.9)

2

2 β  − β  − 4 λ           2λ   

2

onde β  = 1 + α (λ    −  0.15)+ λ 

(2.10)

e α    é o  parâmetro de imperfeição imperfeição,, um coeficiente numérico que define três curvas representativas de partes da banda. Uma expressão equivalente à (2.9) é utilizada pela norma canadense CSA Standard S16.1-94. S16.1-94. As normas norte-americanas AISC-1993 norte-americanas  AISC-1993   e  AISI1996   utilizam utilizam uma fórmula distinta, mas, também baseada na expressão do SSRC. Com base na formulação do ECCS, o Eurocódigo 3 (ENV 3 (ENV 1993-1-1, 1996) utiliza a expressão

 χ  =

(2.11)

1 φ  + φ 2

− λ 2

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

[

2 1 onde φ  = 1 + α   (λ  − 0.2 )+ λ  2

14

]

(2.12)

e α   é, também, um  parâmetro de imperfeição, imperfeição, diferente para cada uma das curvas de flambagem consideradas. Rondal e Maquoi (1978, 1979) demonstraram que as curvas do ECCS e do SSRC podem ser consideradas como uma curva de Perry, por meio da escolha adequada do parâmetro de imperfeição (Gioncu, 1998; Rondal, 1998). De fato, a curva de Perry, escrita em função das variáveis  χ    e λ  pode ser representada pela expressão

(1 −  χ )(1 −  λ 2 χ ) =  ηχ 

(2.13)

onde η  é um parâmetro que leva em contas as imperfeições do pilar. Escolhendo-se adequadamente o parâmetro η , esta expressão dá origem a expressão do SSRC. Rasmussen e Rondal (Rasmussen e Rondal, 1998) propõem uma formulação geral para todos os tipos de pilares metálicos, considerando a geometria, seus processos de fabricação e os materiais que os constituem (aços de todo tipo, alumínio, etc.). A formulação se baseia na expressão (2.1), de Ramberg – Osgood, e na expressão (2.11), entretanto, generalizando os valores de φ   e de λ   por meio das seguintes expressões

φ  =

λ 

 =

1 (  1 + η + λ 2 ) 2  f  y

σ  E 

o

(2.14)

(2.15)

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

15

onde η = α [(λ  − λ 1 ) − λ o ]  

(2.16)

β 

O parâmetro η  é o parâmetro o  parâmetro geral de imperfeição, imperfeição, σ  E   é a tensão crítica o

do pilar ideal obtida trocando  E  por  E o  e α  , β  , λ o  e λ 1  são valores que dependem do tipo de material metálico e que são definidos pelos expressão (2.1) de Ramberg – Osgood. Em parâmetros  f ε 0 ,  E o   e n   da expressão suma, o parâmetro η  é função de  f ε 0 ,  E o  e n . Flambagem por torção  A flambagem por torção em peças metálicas submetidas à compressão ocorre com maior freqüência em perfis abertos duplamente simétricos, com as mesas largas e com baixa rigidez à torção. Neste caso, a carga crítica em regime elástico linear, obtida por Wagner  (1929) para pilares prismáticos ideais é (Rhodes, 1992; Timoshenko e Gere, 1961) π 2 EC ω     A        P crz  = GI T  +    I o   (k  z  L z )2   

(2.17)

onde  I o  é o momento polar de inércia da seção relativo ao seu centro de cisalhamento, G   é o módulo de elasticidade transversal do material, ou seja G = E  2(1 + ν ) , ν   é o coeficiente de Poisson,  I T   é o módulo de torção (Saint Venant) da seção, C ω   é sua constante de empenamento, k  z    é o parâmetro de flambagem por torção do pilar, que depende de suas condições de apoio, e  L z  é seu comprimento. Para pilares prismáticos com imperfeições iniciais, a carga crítica pode ser  determinada mediante curvas do tipo  χ  −  − λ , considerando  P e  =  P crz    na expressão (2.8).

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

16

Flambagem por flexão e torção  A flambagem por flexão e torção em peças submetidas a compressão ocorre em perfis abertos com baixa rigidez à torção, assimétricos ou monossimétricos, nos quais o centro de gravidade não coincide com o centro de cisalhamento (perfis formados a frio).  A carga crítica em regime elástico linear, obtida por Kappus (1937), é a menor dentre as soluções da equação (Rhodes, 1992; Timoshenko e Gere, 1961)  I o  A

( P cr  − P crx )( P cr  − P cry )( P cr  − P crz  ) − P  cr 2 [( P cr  − P crx ) y o2  + ( P cr  − P cry ) x o2 ]= 0  (2.18)

onde  x o   e  y o  são as coordenadas do centro de cisalhamento da seção em relação aos eixos principais centrais,  P cr    é a carga crítica de flambagem por flexão e torção, e  P crx ,  P cry   e  P crz   são as cargas críticas indicadas em (2.4) e (2.17). Por outro lado, em determinadas estruturas metálicas, perfis formados a frio monossimétricos podem estar submetidos a compressão excêntrica. A carga crítica de flambagem, neste caso, é a solução da equação (Timoshenko e Gere, 1961)

 

+  P cr (e x β  y + e y β x )  A 

 I o

( P cr  − P crx )( P cr  − P cry ) ( P cr  −   P  crz )

− P cr 2 ( P cr  − P crx )( y o − e y  )  2 + ( P cr  − P cry )( x o − e x )2 = 0

 

(2.19)

na qual e x   e e y   são as excentricidades da carga nas direções  x   e  y , respectivamente, e β  x   e β  y   são obtidos por meio das seguintes expressões

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

β  x

=

β  y

=

1

17

(2.20)

 y ( x 2  +  y 2 )dA −  2 y o

∫ 

 I  x

 A

1

(2.21)

 x ( x 2  +  y 2 )dA −  2 x o

∫ 

 I  y

 A

Observa-se que a equação (2.18) é um caso particular da equação (2.19), fazendo-se e x =  e  y = 0 . Para pilares prismáticos com imperfeições iniciais, a carga crítica pode ser  determinada mediante curvas do tipo  χ  −  − λ , considerando, na expressão (2.8), um valor de  P e  igual à solução da equação (2.18) ou (2.19). Este é o procedimento habitual das principais normas de estruturas metálicas. Flambagem lateral  As peças fletidas ao redor de seu eixo de maior inércia podem estar  sujeitas a um modo de flambagem por flexão e torção caracterizado por  uma torção associada a uma flexão lateral na direção normal ao plano das cargas. O momento fletor crítico ideal em regime elástico linear de uma barra prismática bi–rotulada, submetida a momento fletor constante segundo o eixo principal de maior inércia (eixo  x ) e com rigidez no plano de flexão muito superior a rigidez no plano normal é (Timoshenko e Gere, 1961):

 M crx

=

2

− P cry β  x

  P  β     I o ±    cry   x     +  A  P cry P crz  = 2    

2

π 2 EA  − β  x = 2  λ   2



onde λ  =

 L r  y

2 β  x   C ω  GI T  2    + 2 λ   ±    +    2    I  y π   EA   

 

(2.22)

(2.23)

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

 L   é

18

comprimento de barra compreendido entre seções impedidas de

deslocar-se na direção normal ao plano das cargas e r  y   é o raio de giração da seção em relação ao eixo de menor inércia  y .

Para numerosas seções transversais de peças metálicas submetidas a flexão em torno do eixo de maior inércia  x , tem-se que β  x = 0 . Nestes casos (Nethercot, 1992),

  π   EAC ω    π    = ±  EAGI T  1  + 2   λ    GI T  I  y λ    2

 M crx

 

(2.24)

Se as condições de carregamento e apoio são gerais, pode-se utilizar a seguinte fórmula aproximada (Galambos, 1998):  M crx

=

C bπ 2 EA  − β  x

λ 2

2 2 β  x   k  yz C ω  GI T  2     + 2 λ   ±    +    I  2 2 π   EA        y    

 

(2.25)

onde C b  é um coeficiente que leva em conta a variação da carga e dos momentos fletores ao longo do comprimento da barra, k  y L

k  y k  yz   = k   z 

(2.26) e (2.27)

 e λ  = r  y

Em regime não linear, o momento fletor crítico pode ser calculado substituindo-se, na fórmula (2.25),  E   por  E t    e G   por G t  =  E t  [2(1 + ν )] . Este é um procedimento aproximado, pois, em geral, a rigidez longitudinal  E t  A  (ou  E t  I  y ) varia

de forma distinta da rigidez à torção G t  I T   e, portanto,

o valor de  E t    não é o mesmo para o cálculo da rigidez (Timoshenko e Gere, 1961).

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

19

O procedimento baseado na utilização do módulo tangente, para obter o momento crítico mediante a expressão (2.25), substituindo  E   por  E t  , é recomendado para dimensionamento de vigas de todo tipo de aço (Galambos, 1998; Bredenkamp et al., 1998).  Algumas normas, no entanto, utilizam curvas do tipo sugeridas por SSRC e por ECCS, que consideram as imperfeições iniciais. Os parâmetros  χ   e λ   são determinados por meio das expressões

 χ  =

 M u  M  p

 e λ  =

(2.28) e (2.29)

 M  p  M e

onde  M u   é o momento fletor último ou momento fletor crítico real   de flambagem,  M  p  é o momento de plastificação total da seção, e  M e   é o momento fletor crítico da peça ideal (regime elástico linear). O código AISC-1993 código  AISC-1993 utiliza  utiliza a equação (2.25) para determinar o momento crítico em regime elástico e a seguinte reta para determinar o momento crítico em regime plástico (Galambos, 1998):

 M crx

  (λ  − λ  p )  = C b  M  p  − ( M  p − M r  ) , 

(2.30)

(λ r  − λ  p )

onde  M r   é o momento limite de flambagem elástica da seção, determinado com base na tensão residual máxima de compressão que supostamente atua na seção, λ  p  é o parâmetro de flambagem no qual a seção mais solicitada da viga plastifica antes da flambagem e λ r    é o parâmetro de flambagem determinado a partir da condição  M e  =  M r , onde  M e  é o momento crítico elástico determinado por (2.25).

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

20

Os resultados experimentais indicam que o procedimento sugerido pelo  AISC   é o que oferece melhores resultados. A não consideração de deformações iniciais é compensada pelo conservadorismo das hipóteses do processo (Galambos, 1998). Flambagem Local  A flambagem local é o fenômeno de instabilidade instabilidade de elementos estruturais bidimensionais, como as chapas componentes dos pilares metálicos. Ocorre, em geral, em pilares curtos comprimidos, fletidos ou flexo– comprimidos. Os elementos submetidos a este modo de instabilidade sofrem translações normais ao seu plano médio, como mostra a Figura 2.11. a

w

b

 y

y

Figura 2.11. Fenômeno da Flambagem Local Os esforços normais e os momentos fletores críticos em regime elástico linear em pilares ideais podem ser obtidos a partir da tensão crítica elástica de flambagem local em chapas comprimidas. Esta tensão e o modo de deformação das chapas dependem da geometria da chapa e de suas condições de apoio.  A tensão crítica elástica de flambagem local, obtida por Bryan (1891), para chapa apoiada – apoiada, e por Timoshenko (1907), para chapa apoiada – livre, pode ser escrita de forma similar à expressão de Euler  (Dubas e Gehri, 1986; Galambos, 1998; Kalyanaraman et al., 1977; Rhodes, 1992; Timoshenko e Gere, 1961):

σ cr  =

k π  2 D 2

b t 



k π  2 E  2

2

  ch 12(1 − ν  )λ 

=

π  2 E  2

λ eq

 

(2.31)

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

21

onde k  é o coeficiente de flambagem local, que depende, basicamente, da relação a b  da chapa, das condições de apoio e do tipo de solicitação. Nesta expressão, ν    é o coeficiente de Poisson, a   o comprimento da chapa, b  sua largura e t  sua espessura.

 D =

(2.32)

  Et 3

12(1 − ν  2 )

é a rigidez à flexão da chapa,

λ ch   =

b t 

  12(1 − ν  2 )

 e λ eq = λ ch

(2.33) e (2.34)



são, respectivamente, sua esbeltez e seu parâmetro equivalente equivalente   de esbeltez ou esbeltez reduzida. Em regime não linear, a obtenção da tensão crítica de flambagem local não é simples, pois a substituição, na expressão (2.31), do módulo  E  pelo módulo tangente  E t  , obtido em um ensaio de tração, não é correto porque o estado tensional na chapa não é igual ao estado tensional a que se submete um corpo de prova ensaiado à tração (Timoshenko e Gere, 1961). No primeiro caso, tem-se um estado biaxial de tensão em lugar do estado simples tensão. Bleich (1952) propôs substituir, na fórmula (2.31), o módulo  E  por  E  η , para chapas submetidas a compressão uniforme, onde

η

=

 E t 

(2.35)

 E 

sendo  E t    o módulo tangente obtido no ensaio à tração. Este procedimento consiste em uma aproximação conservadora (Galambos,

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

22

1998). Outros valores de η  são sugeridos, sempre em função do módulo tangente e/ou do módulo secante (Dubina, 1996; Rondal, 1998).  A expressão (2.31) pode, portanto, ser generalizada para placas em regime linear ou não linear, como σ cr  =

k π  2 D η b 2 t 



k π  2 E  η

12(1 − ν )2 λ  2ch

=

π  2 E  η

 

λ 2eq

(2.36)

 As chapas têm um comportamento pós–crítico distinto do comportamento pós–crítico das barras prismáticas. As curvas qualitativas  P − δ  , com e sem deformações iniciais, são mostradas na Figura 2.12 2.12 (Dubas  (Dubas e Gehri, 1986). A linha contínua indica o comportamento da chapa com deformações iniciais e a descontínua, seu comportamento sem estas deformações.  P 

ei

δ 

Figura 2.12. Comportamento de chapas com e sem imperfeições iniciais Como se pode observar na Figura 2.12, 2.12, as  as chapas possuem resistência pós–crítica. Seu comportamento pós–crítico, por outro lado, é caracterizado também por uma perda de rigidez e por uma redistribuição de tensões. Ensaios de compressão em materiais elástico – lineares mostram tal perda de rigidez por meio do chamado módulo aparente de elasticidade  E ap , como mostrado na

Figura 2.13.

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

23

σ   E = tg θ 1

θ 2

σ cr 

 E ap

= tg θ 2

θ 1 ε cr 

 

ε 

Figura 2.13. Curva σ   − ε   antes e depois da flambagem local  A nova distribuição de tensões pode ser obtida do estudo da flambagem local a partir da hipótese das grandes deformações (Timoshenko e Gere, 1961). As tensões não mais se distribuem uniformemente na seção, podendo, inclusive, surgir tensões de tração em alguns pontos. As máximas tensões de compressão ocorrem nas bordas apoiadas. Em geral, a nova distribuição de tensões tem o aspecto mostrado na Figura 2.14, para chapa apoiada - apoiada, e na Figura 2.15, 2.14, para 2.15, para  para chapa apoiada  – livre, onde b   é a largura da chapa e σ  y , máx   é a máxima tensão de compressão na seção, na direção da carga aplicada (Kalyanaraman et al., al. , 1977; Rhodes, 1992).  y

 y

σ  y , máx

σ  y , máx

b

b

 x

Figura 2.14. Distribuição de tensões após flambagem local em chapas apoiada – apoiada

 x

Figura 2.15. Distribuição de tensões após flambagem local em chapas apoiada – livre

 ≥ P cr  é igual Devido a esta redistribuição de tensões, uma carga aplicada  P  ≥ à resultante das tensões equivalentes de von Mises e maior, portanto, que a resultante da componente de tensão σ  y  na sua direção.

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

24

Logo, supondo σ  y  constante ao longo da espessura, a força resultante na direção da carga aplicada, na seção crítica da chapa sob flambagem é

 R =

(2.37)

b

∫ σ  tdx    = β  P  0

 y

n

onde β n ≤ 1  é um fator, função de  P cr   P , que representa a perda relativa de resistência à compressão da chapa em conseqüência da flambagem local (Queiroz, 1993; Timoshenko e Gere, 1961). Supondo-se a tensão σ  y   constante e igual ao seu máximo valor σ  y ,máx , medido nas bordas apoiadas da chapa, porém atuando somente em trechos próximos a estas bordas, conforme indica a Figura 2.16, 2.16, pode-se  pode-se escrever  (2.38)

 R = tbef σ  y ,máx

onde bef   é a chamada largura efetiva da efetiva da chapa, dada por 

bef 

=

(2.39)

β n P  t σ  y ,máx

expressão esta obtida das expressões (2.37) e (2.38).

σ  y , máx

σ  y ,máx

σ  y ,máx bef 

2

bef 

2

chapa bi–apoiada

σ  y ,máx chapa com uma borda apoiada e outra livre

bef 

Figura 2.16. Conceito de Largura Efetiva

 Admitindo-se o colapso da chapa sob a ação da carga  P , σ  y ,máx  passa a ser a sua tensão última. Situação eqüivalente se obteria se a chapa não se

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

25

submetesse à flambagem sob tensão constante e igual à tensão última σ  y ,máx . Nestas circunstâncias, se teria o estado simples de tensão e

 P =  Aσ  y ,máx      = bt σ  y ,máx

(2.40)

Comparando-se (2.40) com (2.39), obtém-se (2.41)

bef  =   β n b

que representa, portanto, a largura que deveria ter a chapa para não flambar sob tensão constante e inferior a σ  y ,máx . Do conceito de largura efetiva surgiu o chamado Método da Área Efetiva, Efetiva, que consiste em se determinar a resistência relativa da peça comprimida de acordo com a expressão (2.7),  χ  = P u   P  y , com  P u =  Aef σ  y ,máx

(2.42)

onde  Aef 

=  ∑ (tbef  )

(2.43)

 seção

é a área efetiva  efetiva   Aef   da seção transversal, ou seja, a área calculada com base nas larguras efetivas das chapas componentes da peça e  P  y  =  Af  y . Isto é,

 =  χ  =

 Aef  σ  y.máx  A

(2.44)

 f  y

Em pilares curtos submetidos somente à flambagem local, o colapso da chapa corresponde à plastificação da seção efetiva, isto é, se realiza

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

26

quando σ  y ,máx  = f  y . Nestas circunstâncias, tem-se, de acordo com a expressão (2.44),

 χ  =

(2.45)

 Aef   A

von Kármán (1932) sugeriu a seguinte fórmula para determinar a largura efetiva (Galambos, 1998; Kalyanaraman et al., 1977; Rhodes, 1992)

b ef 

 k π  2 E  = 2  12 (1 − ν  )σ  y , máx

    t  =     

σ  cr  σ  y , máx

   b    

 

(2.46)

Estudos posteriores foram desenvolvidos com base na teoria das grandes deformações

resultando

em

fórmulas

mais

eficientes

para

o

dimensionamento. Jombock e Clark (1962) enumeraram algumas delas (Galambos, 1998). Winter (1947) formulou uma expressão para determinar a largura efetiva para chapa apoiada – apoiada, que considera imperfeições iniciais. Após sofrer pequenas modificações para todo tipo de chapas, tal expressão ficou uma generalização (Galambos, 1998)

  1 − 0.209 bef  = 0.95 σ  y ,máx   kE 

kE 

σ  y ,máx

   t     

 

(2.47)

Esta fórmula é utilizada por AISI por AISI –1996 .  A norma brasileira NBR 8800/86 usa uma equação semelhante à (2.47) mudando apenas os coeficientes numéricos. Outro conceito que se pode enunciar a partir da observação da redistribuição de tensões na chapa é o conceito de tensão média, média, que consiste em considerar-se a tensão

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

σ m 

=

bef  b

27

(2.48)

σ  y ,máx

constante ao longo de toda largura efetiva da chapa (Galambos, 1998). Em geral, o dimensionamento de peças comprimidas e fletidas sujeitas à flambagem local de seus elementos se baseia na determinação de resistências relativas

Q=

 P u   P  y

=

 Aef   A

 M u

 ou Q =  

 M  p

=

W ef 

(2.49) e (2.50)

W  p

Nestas expressões,  Aef    é a área efetiva da seção, W ef    é seu módulo resistente elástico efetivo à flexão, ambos determinados a partir das larguras efetivas de suas chapas componentes, e W  p   é seu módulo resistente plástico à flexão (Rhodes, 1992). Nas expressões (2.49) e (2.50) se considera σ  y ,máx  = f  y . Curvas Q − λ  , com λ    definido por (2.8) ou por (2.29), poderiam ser  usadas para dimensionamento. Distorção da seção  A distorção da seção é um modo de instabilidade que pode ocorrer tanto na compressão como na flexão de perfis de paredes finas com seções abertas (por exemplo: os perfis formados a frio usuais), principalmente aqueles de aço de altas resistência (Galambos, 1998; Hancock, 1998).

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

28

Este modo de instabilidade se caracteriza por uma distorção da seção, ou seja, por movimentos relativos entre as mesas e a alma (Davies e Jiang, 1996; Davies e Jiang, 1998). A Figura 2.17 2.17   ilustra este modo de instabilidade.

Figura 2.17. Modo de Instabilidade por distorção em perfis U enrijecidos e perfis Racks. Os primeiros estudos relativos à distorção foram desenvolvidos por  Desmond, Peköz e Winter (1981), que propuseram considerá-la, no dimensionamento, por meio da verificação da flambagem local com redução do parâmetro k  da equação (2.31). Este método foi incorporado pela norma AISI-1986  norma AISI-1986  (Galambos,  (Galambos, 1998; Hancock, 1998). Lau e Hancock (1987), para seções comprimidas e Hancock (1995), para seções fletidas, apresentaram fórmulas para determinação da tensão crítica elástica de distorção, com base em modelos onde a mesa é tratada como um elemento comprimido, restringido por molas e apoios simples que representam a rigidez da alma e submetido à flambagem por flexo– torção (Davies e Jiang, 1996; Davies e Jiang, 1998; Galambos, 1998; Hancock, 1998). Estas fórmulas lhes permitiram sugerir um procedimento

 − λ , conhecida de dimensionamento baseado em uma curva do tipo  χ  − como parábola como  parábola de Johnson, Johnson, e em uma expressão derivada de (2.47), que é utilizado na norma australiana (Galambos, 1998; Hancock, 1998).

 Algumas alterações às fórmulas de Hancock e Lau foram propostas por  Charnvarnichbonkarn e Polyzois (1992) e por Davies e Jiang (1996), com

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

29

o objetivo de generalizá-la ou obter mais precisão nos resultados (Davies e Jiang, 1996; Davies e Jiang, 1998; Galambos, 1998).  As seções submetidas à distorção apresentam resistência pós–crítica, entretanto os procedimentos até agora propostos não a consideram (Galambos, 1998; Hancock, 1998). Este tipo de instabilidade, diferente de todos os outros, pode ser analisado com mais precisão pela Teoria Geral de Vigas  Vigas  (Davies, 1998; Davies e Jiang, 1996; Davies e Jiang, 1998) mas sua utilização prática para o dimensionamento de peças com modos de instabilidade por distorção não foi ainda implementada (Davies e Jiang, 1996; Davies e Jiang, 1998).

2.2 Interação entre Flambagem Local e Global Gl obal

Introdução O início da chamada Teoria Geral da Estabilidade Elástica é Elástica é creditado a Koiter (1945). Esta teoria explica o comportamento de sistemas mecânicos contínuos do ponto de vista da estabilidade, incluindo a fase pós–crítica e a interação entre distintos modos de instabilidade.  A partir do trabalho inicial de Koiter, foram desenvolvidos outros trabalhos, destacando a formulação de Budiansky (1974), baseada na energia potencial de deformação, associando o equilíbrio da estrutura a valores estacionários do funcional da energia, e associando a teoria geral de estabilidade elástica à Teoria do Caos, Caos, estabelecida por Thom (1975) (Pignataro, 1996).  A Teoria do Caos proporciona um método matemático universal universal de estudo das descontinuidades, das mudanças bruscas e das súbitas trocas qualitativas em sistemas evolutivos, o que inclui, portanto, as instabilidades estruturais, tanto simples quanto acopladas (Gioncu, 1998).

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

30

Entretanto, a complexidade de muitos dos problemas de estabilidade impedem, até o momento, alcançar uma solução teórica geral. Deste modo, deve-se recorrer a outros métodos de análise a fim de obter  soluções para problemas práticos. Adiante, os principais métodos serão abordados. Na primeira metade do século XX, a principal preocupação dos pesquisadores foi a influência das imperfeições na instabilidade. As soluções eram, em muitos casos, difíceis de serem alcançadas devido à ocorrência simultânea de dois ou mais modos de instabilidade. Inicialmente, se pensava que a escolha de parâmetros mecânicos e geométricos que permitissem a ocorrência simultânea de vários modos de instabilidade era um critério adequado de otimização. Baseando-se nesta idéia, Bleich (1952) e Shanley (1967) formularam e difundiram o chamado Principio das Instabilidades Simultâneas (Gioncu, Simultâneas (Gioncu, 1998). Koiter e Skaloud (1962) questionaram este critério mostrando que modos de instabilidade acoplados podem apresentar grande sensibilidade às imperfeições geométricas iniciais (Pignataro, 1996). Além do mais, se dois ou

mais

modos

comportamento

de

instabilidade

pós–crítico

pode

ocorrem ser

simultaneamente,

instável,

mesmo

que

o o

comportamento de cada um dos modos isoladamente seja estável (Gioncu, 1998; Pignataro, 1998). O principio das instabilidades simultâneas somente se aplica nas estruturas ideais. Por esta razão, Thompson (1972) o chamou  princípio ingênuo de otimização otimização..  Sua utilização nas estruturas reais incrementa a influência desfavorável das imperfeições geométricas (Gioncu, 1998). Na segunda metade do século XX, a principal preocupação dos pesquisadores foi a interação dos modos de instabilidade em peças com imperfeições. Como foi dito anteriormente, o problema é muito complexo e ainda se busca soluções consistentes (Gioncu, 1998; Pignataro, 1996).

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

31

Como a distribuição das imperfeições é aleatória, o estudo da instabilidade requer um abordagem estatística. Por outro lado, aspectos estatísticos da interação entre modos de instabilidade não foram investigados suficientemente. A principal dificuldade é, justamente, a aleatoriedade das imperfeições (Pignataro, 1996).  A maioria dos estudos considerou apenas interações simples (um modo de flambagem global com um modo de flambagem local). Entretanto, é necessário investigar também as interações múltiplas (Pignataro, 1998). Classificação das instabilidades acopladas  Algumas maneiras de classificar as instabilidades acopladas têm sido sugeridas por diferentes pesquisadores (Gioncu, 1998; Dubina, 1996; Dubina, 1998). Entretanto, o tipo de interação que interessa, do ponto de vista do dimensionamento, é a chamada interação não linear de dimensionamento,, ou seja, a interação entre dois modos distintos de dimensionamento instabilidade, provocada pela escolha de dimensões apropriadas e levando em conta a influência das imperfeições iniciais. Existem outros tipos de interação como as chamadas interação natural   e interação linear inata. inata. A primeira pode ocorrer, por exemplo, em chapas retangulares comprimidas. Estas chapas podem submeter-se a cargas superiores à carga crítica de flambagem local elástica, devido ao seu comportamento pós–crítico estável que lhe confere resistência pós– crítica. Para um determinado valor da carga ocorre uma mudança repentina de deformada (troca de número de ondas) provocada pela interação do primeiro modo com o segundo modo de instabilidade.  A segunda é a interação produzida produzida quando dois modos de de instabilidade se acoplam na origem, independentemente da existência de imperfeições iniciais. É o caso da flambagem por flexo–torção em peças monossimétricas comprimidas. Trata-se de uma interação entre

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

32

flambagem por flexão e flambagem por torção, que pode ocorrer  normalmente sem deformações iniciais. Tal como foi exposto anteriormente, uma estrutura sem imperfeições iniciais perde sua estabilidade pela bifurcação do equilíbrio e uma estrutura com imperfeições perde a estabilidade quando a carga alcança um valor limite correspondente a uma tangente horizontal na curva  P − δ  .  A diferença entre a carga crítica de bifurcação e a carga limite representa a chamada erosão  da carga crítica. erosão da Existe a erosão primitiva, primitiva, que é conseqüência dos efeitos das imperfeições nos modos de instabilidade tomados isoladamente, e a erosão derivada, derivada, resultante da interação entre vários modos de instabilidade, (Gioncu, 1998). A Figura 2.18 ilustra estes conceitos.  P 

1º modo

 P cr,Euler  cr,Euler 

erosão primitiva 2º modo

 P cr,Bryan cr,Bryan

erosão derivada

 P u

interação    

sem imperfeições com imperfeições

δ 

Figura 2.18. Erosão Primitiva e Erosão Derivada – Interação Flambagem Global (1º modo) – Flambagem Local (2º modo) Numa coluna sem imperfeições sujeita somente à flambagem global, o colapso se dá por bifurcação do equilíbrio quando a carga de compressão atinge o valor  P cr,Euler  2.18. Se a coluna está sujeita à cr,Euler  indicado na Figura 2.18. Se flambagem local, surge deslocamentos laterais a partir da carga de valor   P cr,Bryan cr,Bryan,

também indicado na Figura 2.18, 2.18, que  que crescem com o acréscimo

da carga até um valor limite.

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

33

Na coluna com imperfeições, os deslocamentos laterais existem desde o inicio do carregamento, crescendo consideravelmente quando a carga se aproxima do valor crítico  P cr,Euler  cr,Euler   ou  P cr,Bryan cr,Bryan, conforme esteja sujeitas à flambagem global ou local, respectivamente. Se estas cargas críticas são suficientemente próximas, ocorre a interação, que se caracteriza pelo surgimento de grandes deslocamentos laterais sob carga significativamente inferior a estas ( P   P u).  Assim, pode-se compreender que a interação não linear não existe sem imperfeições iniciais. Esta interação faz com que a estrutura seja mais sensível às imperfeições. A erosão é máxima se as cargas críticas dos modos de instabilidade são iguais (Gioncu, 1998). Para peças comprimidas, se  P u   é a carga última, nas quais ocorre o colapso por modos simultâneos de instabilidade, e  P cr    é a carga crítica ideal, igual para os dois modos, pode-se escrever que  P u

=  (1 − ψ )P    cr 

(2.51)

onde ψ    é o fator de erosão. erosão. Este parâmetro foi introduzido como uma medida da erosão (Dubina, 1996; Dubina, 1998). Segundo a intensidade da erosão, Gioncu (1994) sugeriu a seguinte classificação das interações (Gioncu, 1998; Dubina, 1996; Dubina, 1998):

• 

Interação fraca, se ψ  ≤ 0.1 ,

• 

Interação moderada, se 0.1 <  ψ  ≤ 0.3 ,

• 

Interação forte, se 0.3 <  ψ  ≤ 0.5  e

• 

Interação muito forte, se ψ  > 0.5 .

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

34

Esta classificação, segundo Gioncu, deve ser utilizada na escolha do método de dimensionamento da estrutura. Interações fracas podem ser  consideradas simplesmente por meio de adequados parâmetros de segurança no dimensionamento. As moderadas podem ser tratadas com métodos simples utilizados no dimensionamento de estruturas submetidas a modos de instabilidade não acoplados e as fortes e muito fortes requerem métodos especiais. O uso da classificação de Gioncu não é simples por que são muitos os fatores dos quais depende a intensidade da erosão. Entretanto, em geral, as interações comuns às barras comprimidas e/ou fletidas estão incluídas na categoria de interações fortes a muito fortes, exigindo, portanto, métodos especiais de dimensionamento. Métodos de Análise Uma interessante classificação dos métodos de análise da interação entre modos de instabilidade foi proposta por Dubina (Dubina, 1996). Segundo esta classificação, os métodos podem ser:

• 

Teóricos ou analíticos: Aqueles que se baseiam na teoria do comportamento pós–crítico da peça; buscam soluções exatas e, em geral, não geram fórmulas práticas para dimensionamento.

• 

Semi – analíticos: Aqueles em que a simulação da instabilidade da peça é feita por meio das equações clássicas não lineares da mecânica estrutural e a flambagem local é considerada utilizando o conceito de largura efetiva da chapa.

• 

Semi – empíricos: Aqueles em que a consideração da interação é

 − λ   por meio da utilização das obtida da modificação das curvas  χ  − propriedades geométricas reduzidas das seções; estas propriedades reduzidas são obtidas a partir das larguras efetivas das chapas.

• 

Numéricos: Aqueles realizados a partir de uma discretização completa em elementos da estrutura ou das chapas componentes das peças; estão entre eles:

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

a)

35

O método dos elementos finitos, que é o mais potente e adequado para análise de todo tipo de estrutura

b)

O método das faixas finitas (Hancock, 1998; Pignataro, 1996; Pignataro, 1998), que é similar ao método dos elementos finitos, mas com a diferencia de que os elementos são faixas rigidamente conectadas por linhas como nós  nós  e com apoios contínuos nas extremidades; é particularmente adequado para pesquisar a interação flambagem global – flambagem local em perfis submetidos a cargas nas extremidades.

Classificações similares foram propostas por outros pesquisadores (Pignataro, 1996; Rasmussen, 1996), mas esta é a que melhor especifica os distintos tipos de análise. Os métodos numéricos são, indubitavelmente, ferramentas muito potentes para a análise do comportamento das estruturas, mas na prática não podem ser utilizados como métodos de dimensionamento. Os métodos semi – empíricos são os que vêm sendo utilizados, atualmente, nas normas. Não são tão eficientes como os métodos numéricos, mas são mais práticos e, portanto, mais apropriados. O colapso por interação flambagem global – flambagem local geralmente está associado a um mecanismo plástico localizado. A menor eficiência dos métodos semi – empíricos perante os métodos numéricos está em sua incapacidade de modelar corretamente a interação entre flambagem global elástica elástica e  e flambagem local plástica local plástica (Dubina,  (Dubina, 1996). Segundo Dubina, a simulação não linear por elementos finitos ou por  faixas finitas parece ser o único recurso conveniente  conveniente  para estudar a interação flambagem global – flambagem local levando em conta uma formulação apropriada do comportamento do material e dos efeitos das imperfeições.

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

36

Os métodos mais utilizados nos estudos atuais são:

• 

Os chamados modelos mecânicos  mecânicos  que abordam o fenômeno da instabilidade, que são, em verdade, alternativas à teoria geral da estabilidade e, portanto, métodos analíticos mais simples (Augusti et

• 

al., 1998; Gioncu, 1998). A Teoria Geral de Vigas (Davies, 1998; Davies e Jiang, 1996; Davies e Jiang, 1998), que permite a análise de qualquer tipo de interação de modos de instabilidade, mas para estrutura ideal, ou seja, sem imperfeições (Dubina, 1996).

• 

Os métodos baseados no chamado fator   Q , que são métodos semi  – empíricos amplamente utilizados nas atuais versões das normas. normas.

Os métodos baseados no fator Q   contemplam a interação a partir da aplicação do Método da Área Efetiva à Efetiva à curva de Perry, com a modificação de Batista – Rondal (Dubina, 1998) e consideraram os esforços limites, nas curvas de flambagem, multiplicados pela resistência relativa à flambagem local, ou seja,

 χ  =

 P u QP  y

, λ  =

QP  y  P e

(2.52), (2.53) e (2.54)

 Aef 

 e Q = 

 A

para barras comprimidas e

 χ  =

 M u QM  p

, λ  =

QM  p  M e

 e Q =  

W ef 

(2.55), (2.56) e (2.57)



para barras fletidas (Kalyanaraman et al., 1977; Dubina, 1998). Dentre os métodos que tomam por base o fator Q , um dos mais utilizados e estudados, atualmente, é a Teoria da Erosão da Carga Crítica. Crítica . Esta teoria utiliza a curva de Perry, determinando o parâmetro de imperfeição em função do fator de erosão ψ  . O fator de erosão pode ser determinado por processos numéricos e/ou experimentais, tal como se obtém o

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

37

parâmetro de imperfeição das curvas do SSRC e do ECCS (Dubina, 1998; Dubina et al., 1998; Dubina, Mazzolani et al., 1996). Kalyanaraman et al. propõem um processo iterativo para a determinação da resistência de uma barra sob interação flambagem global – flambagem local, que envolve a evolução da seção efetiva e da correspondente resistência à flambagem da barra iterativamente, até que se alcance a convergência entre a resistência da flambagem local e a correspondente resistência à flambagem global (Kalyanaraman e Srinivasa Rao, 1998; Kalyanaraman et al., 1977). Rondal propõe, também com base no fator Q , que se utilize o conceito de largura efetiva da seguinte forma: para cada valor da deformação, em pequenos intervalos desde o valor zero até o valor correspondente à máxima tensão considerada, se determine a correspondente tensão mediante a fórmula de Ramberg – Osgood e a conseqüente largura efetiva; com este valor, se obtenha a resistência última e se construa curvas  χ   −− λ , considerando, na expressão (2.8),  P e =   Aσ cr , com σ cr  dada pela expressão (2.36). Como são sugeridas várias expressões para o parâmetro η  que aparece nesta expressão, todas em função do módulo tangente e/ou do módulo secante do material (Dubina, 1996; Rondal, 1998), Rondal propõe que, por meios de experimentos, se escolha uma expressão adequada a cada tipo de problema. Usami e Ge apresentam um estudo da interação flambagem global por  flexão – flambagem local baseado na curva de Perry, onde o parâmetro de imperfeição é obtido a partir de uma análise elasto–plástica por  elementos finitos, em função das imperfeições geométricas e das tensões residuais (Usami, 1997; Usami e Ge, 1996)  A forma com que Scheer e Böhm (1978) abordam o problema, modificada por Nölke (1980), se baseia em determinar a resistência por meio de um gráfico λ  p  −  λ ch , onde λ  p   e λ ch  são, respectivamente, os parâmetros de

 

Capítulo 2 - Estado do Conhecimento

esbeltez relativa

 f  y  σ cr 

38

 do pilar e da chapa. Este gráfico define quatro

áreas de comportamento: comportamento: plastificação, flambagem global, flambagem local e interação flambagem global – flambagem local, proporcionando uma visão tanto quantitativa como qualitativa da interação. Este gráfico foi construído a partir de análises numéricas não lineares considerando deformações iniciais e tensões residuais. Entretanto, parece que esta forma de abordar o problema não foi suficientemente explorada. Não obstante, foi adotada pela versão de 1978 da norma alemã (Dubas e Gehri, 1986).

 

Capítulo 3

Modelo Numérico

3.1 Curva de Flambagem Alternativa

Na fase pós–crítica, o estado de tensões nos pontos das chapas comprimidas sob flambagem deixa de ser um estado simples com a máxima tensão normal σ  = P  A  constante em todos os pontos e passa a ser um estado duplo, com

componentes σ  x , atuando no plano da seção transversal, e σ  y , na direção normal a este plano, variando ponto a ponto.  As tensões nos pontos das chapas variam de forma significativa ao longo de suas espessuras, devido à flexão a que se submetem. Estes fatores não são considerados na formulação do Método da Largura Efetiva.. Efetiva Devido ao surgimento do estado plano de tensões, seria mais conveniente tomar como referência, no projeto, a tensão equivalente de von Mises do que a componente σ  y   medida na direção do carregamento, como propõe o conceito de largura efetiva.

 Além disso, comparando a curva de flambagem de uma chapa simplesmente apoiada com curvas de flambagem de perfis curtos constituídos da mesma chapa e submetidos apenas à flambagem local desta chapa, todas obtidas pelo mesmo processo, conclui-se que, devido às diferentes condições de apoio das chapas, estas curvas têm aspecto distinto e a distribuição da componente σ  y  ao longo de uma seção qualquer da chapa difere caso a caso (Sá et al., 2001). Daí se conclui que os resultados obtidos no estudo da flambagem em chapas isoladas podem não ser a melhor referência ao estudo da flambagem f lambagem local das chapas componentes dos perfis.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

40

Tudo isto sugere que os métodos baseados no fator Q , apesar de utilizados com relativo sucesso nas versões mais recentes das normas técnicas, podem não ser os mais indicados para representar adequadamente o fenômeno da interação entre flambagem global e flambagem f lambagem local.  Assim, Santos e Sá (Santos e Sá, 2002) propõem um método alternativo baseado na representação dos parâmetros de imperfeição das curvas de flambagem  χ   −− λ    como função explícita da relação entre as esbeltezes da barra e das chapas componentes do perfil. Estes parâmetros de imperfeição podem ser determinados por meio de regressões não lineares obtidas a partir  de resultados numéricos ou experimentais, como nos mais importantes métodos ultimamente propostos. Uma das formas de se obter estas expressões é tomar por base a curva de Perry com o parâmetro de imperfeição representado pela expressão geral proposta por Rasmussen e Rondal (Rasmussen e Rondal, 1998), ou similar. No desenvolvimento desta pesquisa, tentativas de se obter estas expressões por este processo barraram em dificuldades de se encontrar parâmetros satisfatórios por regressão não linear.

 − λ    que  A alternativa encontrada foi f oi propor uma nova curva de flambagem  χ  − levasse em conta o seu aspecto geral (Figura (Figura 2.9) 2.9),, o qual indica:

•  a resistência relativa tende a  χ o  com 0 <  χ     o ≤ 1 , quando a esbeltez relativa tende a zero pela direita e tende a zero quando a esbeltez relativa tende ao infinito, ou seja,

   o  χ (λ )→  χ o com 0 <  χ  λ →0

+

≤ 1 , e  χ (λ ) → 0 ; λ →∞

•  a primeira derivada da resistência relativa é sempre nnegativa egativa e tende a zero quando a esbeltez relativa tende a zero pela direita e quando tende ao infinito, ou seja,

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

d  χ  λ  d λ 

41

()

d   χ  λ 

≤ 0,  ∀ λ  ≥ 0 ;

d λ 

()

d   χ  λ 

→ 0  e

d λ 

λ →0 +

→ 0  e λ →∞

•  a segunda derivada da resistência relativa é nula no ponto de inflexão λ  =  > λ r    e tende a zero  = λ r  , negativa quando λ   << λ r  , positiva quando λ  >

quando a esbeltez relativa tende a zero pela direita e ao infinito, ou seja,

()

d 2 χ  λ 

=0;

2

d λ 

()

→ 0  e

2

d λ 

λ →0 +

()

d 2 χ  λ 



d λ 

→ 0.

2

d λ 

( ) > 0, ∀λ  > λ  ; 2

d 2 χ  λ 



d λ 

λ = λ    r 

d 2 χ  λ 

( ) < 0, ∀λ  < λ  ; 2

d 2 χ  λ 

λ →∞

 A resistência relativa foi, então, obtida a partir da expressão expressão d 2 χ  λ  2

d λ 

(3.1)

  − λ r  = α λ  λ  (λ + 1)β 

a qual atende às condições relativas à sua segunda derivada, se α  > 0  e β  > 2 . Os parâmetros α  , β    e λ r    devem ser obtidos por regressão não linear. O parâmetro α  é utilizado para garantir a condição da resistência relativa tender  a  χ o  quando a esbeltez relativa tende a zero pela direita e o parâmetro β    é utilizado para garantir que a segunda derivada da resistência tenda a zero quando a esbeltez relativa tende ao infinito. Integrando devidamente a expressão (3.1), obtém-se

( ) = −  α  (β 2 − 3β  + 2 )λ 2  − (β 2 λ  − 4β λ  − 2 β  + 3λ  + 2)λ − β λ  + 3λ  + 2 −1 d λ  (β  − 1)(β  − 2)(β  − 3)(λ  + 1)

d   χ  λ 

r   





β 

donde se conclui que d  χ (λ ) d λ 

→ λ →0 +





  (3.2)

α (β λ r  − 3λ r  − 2) , e integrando novamente (β  − 1 )(β  − 2)(β  − 3)

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

42

2   α  (β 2 − 3β  + 2 )λ    − (β 2 λ  − 5β λ  − 4 β  + 4λ  + 4)λ  − 2 β λ  + 8λ  + 6  χ (λ ) =   −2 (β  − 1)(β  − 2)(β  − 3)(β  − 4)(λ  + 1) r 

 









β 

donde se conclui que  χ (λ ) → λ → 0

+

  − 2α (β λ  − 4λ  − 3) r 



(β  − 1)(β   −  2 )(β  − 3)(β  − 4 )

(3.3)

.

Da condição  χ (λ ) → 0 , conclui-se, aplicando-se o teorema de L’Hospital, que λ →∞

β  > 4   e, das condições α  > 0 , β  > 4   e  χ (λ )→  χ o com  χ o λ →0+

β  < 4 +

3 λ r 

> 0 , conclui-se que

.

Da condição

()

d   χ  λ  d λ 

→ 0 , conclui-se, também aplicando-se o teorema de λ →∞

L’Hospital, que β  > 3   e, das condições conclui-se que β  ≤ 3 +

2 λ r 

( ) ≤ 0,  ∀ λ  ≥ 0   e

d   χ  λ 

d λ 

d λ 

→0, λ →0 +

. Logo,

2

4 < β   ≤ 3 +

()

d   χ  λ 

(3.4)

λ r 

Em suma, a expressão (3.3), que fornece a resistência relativa do pilar, pode ser escrita na forma 2

 χ (λ ) =

+ α 2 λ  + α 3 (λ + 1)β   −2

α 1 λ 

(3.5)

onde α 1 , α 2   e α 3   são funções dos parâmetros α  , β    e λ r    obtidos por  regressão não linear. A seguir as equações de α 1 , α 2  e α 3 .

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

α 1

=

α  (β  − 3)(β  − 4)

43

(3.6)

− α  β 2 λ r  − 5  β λ r  − 4 β  + 4λ r  + 4 α 2 = (β  − 1)(β  − 2)(β  − 3)(β  − 4)

(3.7)

− α  2 β λ r  − 8λ r  − 6 (β  − 1)(β  − 2 )(β  − 3)(β  − 4)

(3.8)

α 3

=

3.2 Considerações Preliminares do Modelo Numérico

O objetivo que persegue o presente trabalho é estudar os perfis tipo I duplamente simétricos, sob compressão centrada e uniforme, com imperfeições geométricas correspondentes a uma forma senoidal, material não linear e considerando a interação flambagem global – flambagem local em análises não lineares por elementos finitos. f initos. O fenômeno da instabilidade, seja local ou global de toda a estrutura, está relacionado, como foi visto, com a aparição de grandes deformações e com o conseqüente comportamento não linear geométrico próximo ao colapso. Os pilares metálicos, por outro lado, sempre apresentam imperfeições iniciais, geométricas e mecânicas, devido aos processos construtivos ou de fabricação do material. Por isto, o modelo de análise a se utilizar para estudar  tal fenômeno deverá contemplar os aspectos da não–linearidade geométrica e física. O programa escolhido foi o ANSYS, com elementos do tipo casca de quatro nós e seis graus de liberdade por nó, com integração reduzida ou completa (SHELL 181), 181), que pode ter dimensões variáveis, degeneração para elemento triangular e cargas normais normais e paralelas ao seu seu plano médio.

Para análise não linear (grandes deformações, pequenos deslocamentos e efeitos de segunda ordem) foi utilizando o método de convergência de

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

44

Newton–Raphson e adotado um modelo constitutivo de material multilinear e isotrópico para o aço, baseado no critério crit ério de plastificação de von Mises.  A magnitude da imperfeição geométrica global é limitada pela especificação do aço (e.g., ASTM A6 nos Estados Unidos; CSA G40.20 no Canada) e é normalmente expressa como uma fração do comprimento da barra. Para perfis I o desvio máximo é  L/960, o qual é usualmente dado por  L/1000 por  conveniência (Galambos, 1998). Já as imperfeições geométricas locais também são representadas por uma fração da largura da chapa, uma aproximação usual é b/200 para elementos enrijecidos e b/100 para elementos não enrijecidos (Kala, J. et. al., 2000).  As imperfeições geométricas globais, então, foram consideradas segundo uma senóide de amplitude igual a  L/1000, as imperfeições locais de elementos não enrijecidos segundo uma senóide de amplitude igual a   b/100  e as imperfeições locais de elementos enrijecidos segundo uma senóide de amplitude igual a b/200. As imperfeições físicas foram consideradas escolhendo parâmetros adequados, segundo a equação (2.1).  A carga última foi perseguida segundo análi análise se não linear tendo como objetivo um erro inferior a 1% para menos (100 passos e no máximo 25 iterações em cada passo). Assim sendo, a peça é carregada lentamente, inicialmente até a menor entre a carga de instabilidade elástica global e a carga de plastificação da seção. Como a peça modelada não é perfeita o colapso se dá sob uma carga inferior (erosão). Faz-se, então, uma nova análise com a carga que convergiu na análise anterior. Procedendo-se desta maneira até que o erro seja menor que 1% para menos.  A malha foi escolhida comparando resultados numéricos com resultados analíticos mediante as fórmulas de Euler e de Bryan. Neste ponto, foi considerada uma deformação inicial quase nula, no qual se espera uma erosão muito pequena e, portanto, a carga obtida numericamente deve ser  muito próxima da carga teórica. Estas deformações são obtidas com o próprio  ANSYS a partir de análises de instabilidade linear (ou de bifurcação do

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

45

equilíbrio) do pilar ou das chapas componentes. Observando o aspecto da deformada das chapas que constituem os pilares, se conclui, rapidamente, que é necessário dispor de pelo menos quatro elementos nas duas direções de cada chapa. Sabendo disto, a malha mais “pobre” possível deve conter, em cada módulo, quatro elementos na alma, quatro elementos em cada mesa e quatro elementos na direção do carregamento. O comprimento de cada módulo é calculado seguindo o seguinte critério: deve-se ter um número inteiro de ondas para a flambagem local na chapa cuja carga crítica é a menor, entre a alma e a mesa. Sendo assim, o comprimento de um módulo deve ser igual ao comprimento de uma meia onda da flambagem local (seja da alma ou da mesa), na qual a carga crítica de flambagem local é mínima. Foi considerada ainda uma deformação inicial significativa, com o objetivo de mostrar sua influência no comportamento do pilar.  As condições de apoio de todos modelos foram de apoios simples nas extremidades (bi–rotulados).

Os modelos ensaiados possuíam índices de esbeltez relativos para os 0,8  e λ máximo≈ 1,8 1,8  e para a elementos componentes da seção entre λ  mínimo≈ 0,8 peça entre λ  mínimo≈ 0,4 0,4 e λ  máximo≈ 1,8 1,8.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

46

 3.3 Escolha da Malha

Para verificar a eficácia do modelo e também para possibilitar a escolha da malha satisfatória, foram estudados diversos casos de flambagem global e de flambagem local de perfis tipo I duplamente simétricos comprimidos, de aço com comportamento elasto–plástico bilinear.  A escolha da malha de elementos finit finitos os ffoi oi feita a partir da consideração da deformada de uma chapa quadrada, apoiada – apoiada e apoiada – livre, sujeita à flambagem local. Desta maneira, foram testadas várias malhas contendo quatro ou mais elementos em cada direção. Ao dispor mais elementos ao longo do comprimento, na direção de introdução da carga, não foi observada melhora dos resultados quando em chapas apoiada – apoiada, mas em chapas apoiada – livre a melhora foi significativa. Na Figura 3.1 são mostradas quatro malhas distintas para chapa 200x2  mm apoiada – livre, de comprimento igual a 200  mm, com deformação inicial máxima igual a b 100000   (deformação quase nula), sendo b   a largura da chapa, e constituída de aço carbono com comportamento bilinear e limite de escoamento  f  y = 250  MPa , módulo de elasticidade igual a 205 GPa  e coeficiente de Poisson 0.3. Ao lado, seus correspondentes gráficos  P − δ  . Com a fórmula de Bryan (2.31) se obtém a tensão crítica elástica de flambagem local da chapa e seu correspondente esforço normal crítico  N ccr r   = 10.7 kN . Se espera, portanto, que este valor seja também obtido no gráfico  P − δ  , visto que as

deformações iniciais são quase nulas.

Como mostra a Figura 3.1 3.1,, as duas primeiras malhas que contêm quatro elementos ao longo do comprimento apresentam um gráfico  P − δ    onde se pode notar que a carga crítica de flambagem local é aproximadamente 19 kN  não representativo do comportamento teórico da chapa. Os demais apresentam resultados praticamente idênticos ao resultado teórico, sendo que o erro para a malha de 3x6 foi de 1.869%.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

47

Figura 3.1. Malhas consideradas nos corpos de prova de chapas apoiada  – livre e seus correspondentes correspondentes gráficos  P − δ 

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

48

Tendo em vista a necessidade de seis elementos ao longo do comprimento, visto que os resultados para chapa apoiada – livre demonstraram isto, o número mínimo de elementos ao longo do comprimento em chapa apoiada – apoiada deverá ser também seis para a formação do perfil I. Na Figura 3.2, 3.2,   são mostradas duas malhas distintas para chapa 200x2  mm simplesmente apoiada, de comprimento igual a 200  mm, com deformação inicial máxima igual a b 100000  (deformação quase nula), sendo b  a largura da chapa, e constituída de aço carbono com comportamento bilinear e limite de escoamento  f  y = 250  MPa . Ao lado, seus correspondentes gráficos  P − δ  .

Figura 3.2. Malhas consideradas nos corpos de prova de chapas apoiada  – apoiada e seus correspondentes correspondentes gráficos  P − δ  Com a fórmula de Bryan se obtém a tensão crítica elástica de flambagem local da chapa e seu correspondente esforço normal crítico N cr  = 29.645 kN . Se espera, portanto, que este valor seja também obtido no gráfico  P − δ  , já que as deformações iniciais são quase nulas.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

49

Como mostra a Figura 3.2, 3.2,   a primeira malha contém quatro elementos ao longo da largura e apresenta um gráfico  P − δ   onde se pode notar uma carga crítica de flambagem local  P ccr r   = 31.672 kN   não representativa do comportamento teórico da chapa. Já a malha que contém seis elementos ao longo da largura apresenta carga crítica de  P cr   = 29.672 kN   resultado este praticamente idêntico ao resultado teórico. Portanto, todos os perfis estudados foram discretizados com base nos seguintes princípios:

•  • 

Seis elementos ao longo da largura de cada chapa componente Seis elementos ao longo de cada módulo, cujo comprimento foi obtido variando-se o comprimento do perfil de dois módulos até que se consiga um mínimo para carga de flambagem local.  Alguns casos estudados estudados

Os casos apresentados a seguir demonstram a eficácia do modelo escolhido e a influência das imperfeições iniciais na flambagem local, na flambagem global e em caso de interação flambagem global – flambagem local. Caso 1: Perfil curto sujeito à flambagem local na alma

•  Perfil I 200x100x5x2 (comprimento = 192 mm, altura = 200 mm, largura das mesas = 100 mm, espessuras das mesas = 5 mm e da alma = 2 mm) •  Limite de escoamento do material:  f  y = 250  MPa

•  Deformações iniciais máximas, normais ao plano das chapas   −3 componentes: δ i = 2 x10 mm   (deformações iniciais quase nulas) e

δ i

= 0 .2

mm  (deformações iniciais

consideráveis)

•  Índice de esbeltez relativo da alma igual a 1.38. •  Índice de esbeltez da alma igual a 95.

 A malha utilizada, as condições de contorno (ou de apoio), a solicitação e a conseqüente deformada do perfil são mostradas na Figura 3.3.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

50

Figura 3.3. Perfil Curto – Malha de Elementos Finitos, Condições de Contorno, Solicitação e Deformada de Flambagem Local na Alma O esforço crítico elástico de flambagem local da alma, obtido com base na fórmula de Bryan (2.31) e considerando k = 4 (simplesmente apoiado) foi  N ccr r  = 113.3 kN   e

considerando k = 6.97   (engastado) foi  N ccr r   = 197.5 kN . Com as

deformações iniciais quase nulas, o valor obtido no modelo foi 180.5 kN , o que remete a um valor de k = 6.37 , como era de se esperar, pois, em perfis do tipo I a alma não está perfeitamente apoiada nem perfeitamente engastada e sim ligada elasticamente às mesas. Estes resultados são mostrados na Figura 3.4, 3.4,   onde podem ser vistos os gráficos  P − δ   de as ambas situações: com deformações iniciais quase nulas e com deformações iniciais consideráveis.

Os perfis foram solicitados até o colapso. Pode-se notar no primeiro gráfico o ponto de bifurcação do equilíbrio, o que não acontece no segundo gráfico.

Figura 3.4. Gráficos  P − δ   dos perfis curtos (flambagem na alma) – 1. Perfil com deformações iniciais quase nulas. 2. Perfil com deformações iniciais consideráveis

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

51

Caso 2: Perfil curto sujeito à flambagem local nas mesas

•  Perfil I  200x191.7 x2.15x8  (comprimento =

161.2 

mm, altura = 200  mm,

largura das mesa = 191.7  mm,  mm, espessuras das mesas = 2.15 mm e da alma = 8 mm)

•  Limite de escoamento do material:  f  y = 250  MPa •  Deformações iniciais máximas, normais ao plano das chapas   −3 componentes: δ i = 2 x10 mm   (deformações iniciais quase nulas) e

δ i

= 0 .2

mm  (deformações iniciais

consideráveis)

•  Índice de esbeltez relativo da mesa igual a 1.38. •  Índice de esbeltez da mesa igual a 44.58.  A malha utilizada, as condições de contorno, a solicitação e a conseqüente deformada do perfil são mostradas na Figura 3.5.

Figura 3.5. Perfil Curto – Malha de Elementos Finitos, Condições de Contorno, Solicitação e Deformada de Flambagem Local nas Mesas O esforço crítico elástico de flambagem local das mesas, obtido baseado na fórmula de Bryan (2.31) e considerando k = 1.14 (simplesmente apoiado) foi  N ccr r  = 252.87 kN  e  e

considerando k = 1.47  (engastado)   (engastado) foi  N ccr r  = 327.51 kN . Com

as deformações iniciais quase nulas, o valor obtido no modelo foi 314.65 kN , o que remete a um valor de k = 1.41, como era de se esperar, pois, em perfis do tipo I, novamente, as mesas não estão perfeitamente apoiadas nem perfeitamente engastadas e sim ligadas elasticamente à alma.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

52

Estes resultados são mostrados na Figura 3.6 3.6,, onde se pode ver os gráficos  P − δ    de

ambas situações: com deformações iniciais quase nulas e com

deformações iniciais consideráveis.

 dos perfis curtos nas mesas) – 1. Figura 3.6. deformações Gráficos  P − δ iniciais Perfil com quase nulas.(flambagem 2. Perfil com deformações iniciais consideráveis Os perfis foram solicitados até o colapso. Para um mesmo esforço axial, as deformações δ   do perfil com deformações iniciais consideráveis são maiores que aqueles do perfil com deformações quase nulas, sobretudo quando os esforços axiais são inferiores ao esforço crítico elástico de flambagem local. Esta perda de rigidez corresponde a erosão primitiva definida primitiva definida pela Teoria da Erosão da Carga Crítica. Crítica. Caso 3: Perfil longo sujeito à flambagem por flexão

•  Perfil I 210x150x9x5 (comprimento = 4250 mm, altura = 210 mm, largura das mesas = 150 mm, espessuras das mesas = 9 mm e da alma = 5 mm)

•  Limite de escoamento do material:  f  y = 250  MPa •  Deformações iniciais máximas, na direção do eixo de maior inércia: δ i

  = L 750000 = 5.667  x10 −3 mm   (deformações iniciais quase nulas) e

δ i = L 1000 = 4.25 mm   (deformações iniciais consideráveis), onde  L   é o

comprimento do perfil.

•  Área da seção transversal de 36.6  cm²    e índice de esbeltez relativo global  cm²  e em relação ao eixo de menor inércia de 1.27 .

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

53

 A malha utilizada, as condições de contorno, a solicitação e a conseqüente deformada do perfil são mostradas na Figura 3.7.

Figura 3.7. Perfil Longo – Malha de Elementos Finitos, Condições de Contorno, Solicitação e Deformada de Flambagem por Flexão O esforço crítico elástico de flambagem, obtido com a fórmula de Euler (2.4), vale N ccr r  = 567.3 kN .  A flambagem por flexão é um modo de instabilidade com comportamento pós–crítico instável e, portanto, não apresenta resistência pós–crítica. Desta maneira, o perfil com deformações iniciais quase nulas deverá flambar sob a carga crítica de Euler. No modelo foi obtida a carga última  N u = 549.1 kN , que corresponde a 97 % da carga crítica de Euler. A pequena erosão observada é devida ao fato de que as deformações iniciais não são exatamente nulas. Os resultados obtidos no modelo são mostrados na Figura 3.8, 3.8, onde  onde se vê os gráficos  P − δ    das duas situações: com deformações iniciais quase nulas e com deformações iniciais consideráveis.

Figura 3.8. Gráficos  P − δ   dos Perfis longos (flambagem por flexão) – 1. Perfil com deformações iniciais quase nulas. 2. Perfil com deformações iniciais consideráveis

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

54

Como mostra a Figura 3.8, 3.8,   também no caso do perfil com deformações iniciais consideráveis se percebe uma perda de rigidez correspondente à erosão primitiva da carga crítica. A carga última obtida foi  N u = 447.5 kN , que corresponde a 78.9% da carga crítica de Euler. Caso 4: Perfil intermediário sujeito à interação flambagem global por flexão – flambagem local da alma

•  Perfil I

150x75x3x1.5  (comprimento

= 2120  mm, altura = 150  mm, largura

das mesas = 75 mm, espessuras das mesas = 3 mm e da alma = 1.5 mm)

•  Limite de escoamento do material:  f  y = 250  MPa •  Deformações iniciais máximas, na direção do eixo de maior inércia:   δ i = L 750000 = 2.8267  x10 −3 mm   (deformações iniciais quase nulas) e

δ i = L 1000 = 2.12mm   (deformações iniciais consideráveis), onde  L   é o

comprimento do perfil.  A malha utilizada, as condições de contorno, a solicitação e a conseqüente deformada do perfil são mostradas na Figura 3.9.

Figura 3.9. Perfil Intermediário – Malha de Elementos Finitos, Condições de Contorno, Solicitação e Deformada de Flambagem Global – Flambagem Local na Alma Na Figura 3.9, 3.9,   nota-se, na peça deformada, que há tanto a deformação relativa à flambagem global como a relativa à flambagem local da alma.

O esforço crítico elástico de flambagem, obtido com a fórmula de Euler (2.4), vale  N cr,Euler   e o esforço crítico elástico de flambagem local, obtido cr,Euler = 94.98 kN  e com base na fórmula de Bryan (2.31), vale  N cr,Bryan cr,Bryan = 91.31 kN . Estes valores

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

55

são suficientemente próximos para produzir interação flambagem global – flambagem local. Os resultados obtidos no modelo são mostrados na Figura 3.10, 3.10, onde  onde se vê os gráficos  P − δ   das duas situações: com deformações iniciais quase nulas e com deformações iniciais consideráveis. Para o perfil intermediário com as deformações iniciais quase nulas, foi obtido a carga última  N u  = 91.0 kN , que correspondente a 96 % da carga crítica de Euler. Para o perfil com deformações consideráveis, a carga última obtida foi  N u = 75 kN , que corresponde a 79% da carga de Euler.

Figura 3.10. Gráficos  P − δ   dos perfis intermediários (flambagem global – flambagem local na alma) 1. Perfil cominiciais deformações iniciais quase nulas. 2. Perfil com –deformações consideráveis Caso 5: Perfil intermediário sujeito à interação flambagem global – flambagem local nas mesas.

•  Perfil I

240x240x3x9.5 

(comprimento = 4975  mm, altura = largura das

mesas = 240 mm, espessuras das mesas = 3 mm e da alma = 9.5 mm)

•  Limite de escoamento do material:  f  y = 250  MPa •  Deformações iniciais máximas, na direção do eixo de maior inércia:   − δ i = L 1730000 = 2.88  x10 3 mm   (deformações

iniciais quase nulas) e

δ i = L 1000 = 4.975mm   (deformações iniciais consideráveis), onde  L   é o

comprimento do perfil.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

56

•  Área de 36.6  cm²   cm²   e e índice de esbeltez relativo global em relação ao eixo de menor inércia de 1.27   e o índice de esbeltez relativo das mesas igual a 1.24.

 A malha utilizada, as condições de contorno, a solicitação e a conseqüente deformada do perfil são mostradas na Figura 3.11.

Figurade3.11. Perfil Intermediário Malha de Elementos Finitos, Condições Contorno, Solicitação e –Deformada de Flambagem Global – Flambagem Local nas Mesas O esforço crítico elástico de flambagem, obtido a fórmula de Euler (2.4), vale  N cr , Euler    = 566kN   e

o esforço crítico elástico de flambagem local, obtido com

base na fórmula de Bryan (2.31), vale  N cr , Bryan   = 598kN  . Estes valores são suficientemente próximos para produzir interação flambagem global – flambagem local.

 As dimensões destes perfis foram escolhidas com o objetivo de se ter os valores dos índices de esbeltez suficientemente próximos aos do perfil longo (caso 3). Desta maneira, pode-se comparar os resultados obtidos nos modelos, tendo em vista a influência da interação flambagem global – flambagem local na erosão da carga crítica ((erosão erosão derivada). derivada). Se não há influência da interação na erosão, são iguais (ou quase iguais) as resistências relativas de ambos perfis, quando estão sujeitos a deformações iniciais consideráveis.

Os resultados obtidos no modelo são mostrados na Figura 3.12, 3.12, onde  onde se vê os gráficos  P − δ   das duas situações: com deformações iniciais quase nulas e com deformações iniciais consideráveis.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

57

Figura 3.12. Gráficos  P − δ   dos Perfis intermediários (flambagem global – flambagem local nas mesas) – 1. Perfil com deformações iniciais quase nulas 2. Perfil com deformações iniciais consideráveis Para o perfil intermediário com deformações iniciais quase nulas, foi obtido a carga última  N u = 539.1kN  , correspondente a 95% da carga crítica de Euler. Para o perfil com deformações consideráveis, a carga última obtida foi = 342kN  , que corresponde a 60% da carga de Euler.

 N u

Comparando estes resultados com os resultados obtidos para o perfil longo, pode-se perceber a influência da interação na erosão. A diferença entre as cargas críticas de Euler é aproximadamente nula entre os dois perfis enquanto a diferença entre as cargas últimas, nos perfis com deformações iniciais consideráveis, é de 105.5 kN   (18.6%  em relação a carga crítica de Euler ). ). Esta diferença cresce se crescem as imperfeições iniciais. Caso 6: Perfil curto sujeito à interação flambagem local na alma – flambagem local nas mesas.

•  Perfil I

240x240x2.65x2.47   (Comprimento

= 341  mm, altura = largura das

mesas = 240 mm, espessuras das mesas = 2.65 mm e da alma = 2.47  mm)  mm)

•  Limite de escoamento do material:  f  y = 250  MPa •  Deformações iniciais máximas, normais ao plano das chapas componentes: δ i = 0.0024mm   (deformações iniciais quase nulas) e δ i

= 0.24mm  (deformações iniciais consideráveis).

•  O índice de es esbeltez beltez da alma é 95 (com (como o no caso 1) e o das mesas igual a 44.58 (como no caso 2). Considerando k alma alma = 6.37   e k mesa mesa = 1.41 tem-se

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

k alma   k mesa

λ 2alma



λ 2mesa

58

, o que remete, praticamente, a uma mesma tensão crítica,

tanto da alma quanto da mesa.

 A malha utilizada, as condições de contorno, a solicitação e a conseqüente deformada do perfil são mostradas na Figura 3.13.

Figura 3.13. Perfil Curto – Malha de Elementos Finitos, Condições de Contorno, Solicitação e Deformada de Flambagem Local na Alma – Flambagem Local nas Mesas O esforço crítico elástico de flambagem, obtido com base na fórmula de Bryan (2.31), vale  N cr , Bryan   = 242.05kN   para alma e  N cr , Bryan   = 235.91kN   para mesa. Estes valores são suficientemente próximos para produzir interação flambagem local da alma – flambagem local das mesas.  As dimensões destes perfis foram escolhidas com o objetivo de se ter os valores dos índices de esbeltez suficientemente próximos aos dos perfis curtos (casos 1 e 2). Desta maneira, pode-se comparar os resultados obtidos no modelo, tendo em vista a influência da interação flambagem local da alma  – flambagem local nas mesas na erosão da carga crítica ((erosão erosão derivada). derivada).

Os resultados obtidos no modelo são mostrados na Figura 3.14, 3.14, onde  onde se vê os gráficos  P − δ   das duas situações: com deformações iniciais quase nulas e com deformações iniciais consideráveis.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

59

Figura 3.14. Gráficos  P − δ   dos Perfis Curtos (flambagem local na alma – flambagem local nas mesas) – 1. Perfil com deformações iniciais quase nulas 2. Perfil com deformações iniciais consideráveis Para o perfil curto com deformações iniciais quase nulas, foi obtida a carga cr  = 113.88kN  , correspondente a 48% crítica de bifurcação do equilíbrio de  N cr  da carga crítica obtida com base na fórmula de Bryan (2.31) nas mesas.

Comparando estes resultados com os resultados obtidos para os perfis curtos nos casos 1 e 2, se pode perceber a influência da interação na erosão. Este tipo de interação é classificada como interação inata, pois, não depende das imperfeições iniciais. Caso 7: Perfil intermediário sujeito à interação flambagem global – flambagem local na alma – flambagem local nas mesas. •  Perfil I 240x240x2.65x2.473  (Comprimento = 1056.56   mm, altura = largura das mesas = 240  mm, espessuras das mesas = 2.65  mm e da alma de 2.473 mm)

•  Limite de escoamento do material:  f  y = 250  MPa •  Deformações iniciais máximas, na direção do eixo de maior inércia: δ i = L 750000 = 0.00141mm   (deformações iniciais quase nulas) e δ i = L 1000 = 1.056mm  (deformações iniciais consideráveis).

•  O índice de esbeltez na alma é 95 (como no caso 1) e o das mesas igual a k    k  44.58 (como no caso 2), de tal sorte que alma ≅ mesa . 2 2 λ alma

λ mesa

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

60

 A malha utilizada, as condições de apoio, a solicitação e a conseqüente deformada do perfil são mostradas na Figura 3.15.

Figura 3.15. Perfil Intermediário – Malha de Elementos Finitos, Condições de Contorno, Solicitação e Deformada de Flambagem Local na Alma – Flambagem Local nas Mesas – Flambagem Global O esforço crítico elástico de flambagem, obtido com a fórmula de Euler (2.4), vale  N cr , Euler    = 110.67kN    e o esforço crítico elástico, obtido com base na fórmula de Bryan (2.31), vale  N cr , Bryan   = 107.8kN , tanto para a alma quanto para a mesa. Os resultados obtidos no modelo são mostrados na Figura 3.16, 3.16, onde  onde se vê os gráficos  P − δ   das duas situações: com deformações iniciais quase nulas e com deformações iniciais consideráveis. Para o perfil intermediário com deformações iniciais quase nulas, foi obtida a carga última de  N cr  = 106.24kN , correspondente a 96 % da carga crítica de Euler. Já para o perfil com deformações consideráveis foi obtida uma carga última de  N cr  = 78.62kN , que corresponde a 71% da carga crítica de Euler.

 P − δ   dos Perfis Intermediários (flambagem global – Figura 3.16. Gráficos flambagem local na alma – flambagem local nas mesas) – 1. Perfil com deformações iniciais quase nulas 2. Perfil com deformações iniciais consideráveis

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

61

3.4 Escolha do Material

 − λ  Por razões históricas, praticamente todas as equações e curvas  χ  − utilizadas para o dimensionamento de estruturas metálicas em normas se baseiam em diagramas idealizados σ   − ε   correspondentes a aços carbono, ou seja, com comportamento elasto–plástico, como mostra a Figura 3.17 3.17.. σ   f  y

ε 

Figura 3.17. Curva σ   − ε   de aços carbono Isto se justifica ante ao uso quase único deste tipo de aço como elemento estrutural nas estruturas metálicas. Atualmente, o crescimento do uso de outros materiais aponta uma necessidade de se considerar comportamento não linear de outros aços e ligas.  Além disso, os elementos de aço carbono com tensões residuais também apresentam comportamento não linear. A relação σ  - ε destes materiais pode ser representada, como dito anteriormente, pela equação (2.1) de Ramberg – Osgood. Neste estudo, foi considerado um aço carbono, com limite de escoamento de 250 MPa 

e módulo de elasticidade longitudinal igual a 205 GPa, com

imperfeições físicas representadas por meio dessa equação. Segundo Landolfo (Landolfo, 2000) o parâmetro n  da equação (2.1) pode ser  assumido variando de 8  a 15 para aços comuns não tratados termicamente e de 20 a 40 para aços comuns tratados termicamente. Para aços inoxidáveis, n vária tipicamente entre 3 e 10.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

62

Foram estudados diversos casos de perfis longos com diferentes parâmetros n (variando

de 8 a 15) e  f ε0  ε0  comparando os esforços últimos obtidos no modelo

numérico com o esforço último obtido com base na fórmula de Engesser (2.6).

Nos perfis estudados foi introduzida uma imperfeição geométrica quase nula. O material base escolhido tem como parâmetros:  f  y = 250 MPa ,  f ε 0 = 230 MPa e n = 12.  Alguns casos estudados estudados Caso 1: Perfil longo sujeito à flambagem por flexão

•  Perfil I 200x100x6 x5 (comprimento = 1957  mm,   mm, altura = 200 mm, largura de mesas = 100 mm, espessuras das mesas = 6  mm  mm e da alma = 5 mm)

•  Deformações iniciais máximas, na direção do eixo de maior inércia: δ i =  L 750000 = 0.00261 mm (quase nulas), onde  L   é o comprimento do perfil.  A curva σ  - ε  do material é mostrada na Figura 3.18, 3.18,   em azul, o material bilinear e em vermelho, o material com imperfeições físicas.

Figura 3.18. Curva σ - ε do aço carbono com  f ε 0 = 230 MPa  e n = 12

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

63

O esforço crítico de flambagem, obtido com base na fórmula de Engesser  (2.6) vale  N ccr r   = 365.2 kN . No modelo com imperfeições físicas e da geométricas (quase nulas), foi obtida a carga última  N u  = 362.7 kN , que corresponde a 99.32% da carga obtida com a fórmula de Engesser.  A pequena erosão é devida ao fato de que as imperfeições geométricas não são exatamente nulas. Caso 2: Perfil longo sujeito à flambagem por flexão

•  Perfil I 200x100x6 x5 (comprimento = 1957  mm,   mm, altura = 200 mm, largura de mesas = 100 mm, espessuras das mesas = 6  mm  mm e da alma = 5 mm)

•  Deformações iniciais máximas, na direção do eixo de maior inércia: δ i =  L 1000 = 1.957 mm , onde  L  é o comprimento do perfil. O esforço crítico de flambagem, obtido no modelo considerando apenas imperfeições geométricas ( δ i =  L 1000    = 1.957 mm ), vale N ccr r  = 354.9 kN . Com base na norma NBR 8800/86 para o perfil descrito acima tem-se uma resistência à carga de compressão de  N n = 290.8 kN. No modelo com imperfeições físicas e geométricas, foi obtido a carga última  N u = 303.8 kN ,

que corresponde a 1.0447  vezes   vezes a carga obtida na norma NBR

8800/86. Os resultados obtidos no modelo são mostrados na Figura 3.19, 3.19, onde  onde se vê os gráficos  P − δ    das duas situações: sem imperfeições físicas e com imperfeições físicas. Como mostra a Figura 3.19, 3.19,   no caso do perfil com imperfeições físicas se percebe uma perda de rigidez maior que no perfil sem imperfeições físicas.

 

Capítulo 3 - Modelo Numérico

64

Figura 3.19. Gráficos  P − δ   dos Perfis Longos (flambagem global) – 1. Perfil com imperfeições físicas 2. Perfil sem imperfeições físicas Baseado neste estudo, foram escolhidas as características do aço carbono a ser introduzido nos perfis. Tal aço possui o limite de escoamento de 250 MPa, módulo de elasticidade longitudinal inicial de 205 GPa,  f ε 0 = 230 MPa , n = 12 e  = 0.3. coeficiente de Poisson ν  =

 

Capítulo 4

Perfis Longos

O objetivo desta etapa é analisar perfis de seção I duplamente simétricos, submetidos à compressão centrada, com base no modelo numérico desenvolvido nas etapas anteriores. Para se ter uma noção de quão intensa é a erosão em um perfil, antes, é necessário saber qual a carga relativa ( χ ) sem interação alguma entre modos de flambagem. De acordo com que foi dito, foi estudado o comportamento de uma série de perfis longos comprimidos. Flambagem Global

•  Material com comportamento não linear isotrópico, isotrópico, com limite de escoamento  f  y = 250 MPa ,  f ε  = 230 MPa  e n = 12. 0

•  Módulo de elasticidade inicial  E 0  = 205000  MPa . •  Máximo deslocamento segundo o eixo de menor inércia δ i   = L / 1000 . •  Altura dos perfis 21 cm, largura das mesas 15 cm, espessura das mesas 0.9 cm e espessura das almas 0.5 cm.  A seguir, na Tabela 4.1, 4.1,   os comprimentos e índices de esbeltez relativos dos perfis juntamente com os resultados: Tabela 4.1 – Comprimentos, carga última relativa e índices de esbeltez relativos dos perfis longos Perfil

L (cm)

 

λ 

1 2 3 4

       

42.12 61.84 82.73 104.84

0.13 0.18 0.25 0.31

5 6  7  8 9

      

1 12 38 3..5 84 6 134.33 135.7 155.05

0 0..3 48 0 0.4014 0.4055 0.46

 

χ 0.99202 0.97228 0.94331 0.9152 00.8 .87781827   0.8684 0.868 0.84398

 

Capítulo 4 - Perfis Longos

66

10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

200.79 201.49 203.59 267.72 268.6488 271.4036 330.6351 334.65 345.7522 393.9489 401.57 409.1326 465.0018 466.9386 468.50 525.6352 533.6089 535.43 602.36 604.6051 607.1532

0.6 0.6021 0.6083 0.80 0.802787 0.811019 0.988017 1.00 1.033190 1.177214 1.20 1.222586 1.389537 1.395325 1.40 1.570724 1.594551 1.60 1.80 1.806705 1.814319

0.77624 0.774 0.7755 0.69102 0.69101 0.691 0.59385 0.59384 0.5938 0.51481 0.49684 0.4932 0.41085 0.406   0.4006   0.337   0.33001 0.32511 0.26561 0.2656   0.26559

relativa  – Na figura 4.1, onde são representadas as curvas  χ  −  − λ   (carga última relativa  esbeltez relativa), relativa), em azul estão os pontos relativos à Tabela 4.1 e em vermelho os relativos à regressão segundo a equação (3.3) cujos parâmetros α , β   e λ r  regredidos são 111.39, 6.829, 0.613, respectivamente, e o erro dessa regressão é de 1.4% ( Erro = 

 N 

∑ ( χ (λ  )− χ  ) , N = 30). 2

n

n

n =1

 χ 

λ  g 

Figura 4.1. Curva de Flambagem de Perfis Tipo I com Imperfeições Iniciais

 

Capítulo 4 - Perfis Longos

67

 As cargas últimas relativas e as esbeltezes relativas são obtidas mediante as expressões (2.7) e (2.8), onde σ e  é a tensão crítica de Euler (2.4).

 − λ   obtida tem aspecto similar ao das Deste estudo se conclui que a curva  χ  − curvas de flambagem do SSRC e do ECCS. Considerando apenas os perfis cujos índices de esbeltez relativos são 0.4, 0.6, 0.8, 1.0, 1.2, 1.4, 1.6 e 1.8 (para

comparação posterior) tem-se para α  , β , λ r   e para

o erro os seguintes valores, respectivamente, 266.732, 7.342, 0.789 e 0.1266%. Considerando agora os perfis cujos índices de esbeltez relativos são 0.8, 1.0, 1.2, 1.4, 1.6

e  1.8  e fazendo-se a regressão para obtenção do parâmetro α da NBR  N 

8800/86, obtém-se um valor igual a 0.258  ( Erro  = 6 ), ),

∑ ( X  − ∆ ) i

i =1

i 2

= 4.268 ×10−4 ,  N =

valor este situado entre a curva a que corresponde a α  = 0.158 e a curva b

que corresponde a α  = 0.281. Fazendo o mesmo em relação ao Eurocódigo  Eurocódigo  3 tem-se um α  regredido igual a 0.34, exatamente o valor usado pela mesma norma para curva b.

 

Capítulo 5

Perfis Curtos

 Atualmente, as normas utilizam o conceito de largura efetiva para calcular a resistência de pilares metálicos sujeitos à flambagem local e à interação flambagem global – flambagem local. O presente estudo desenvolvido tem o objetivo de propor um procedimento alternativo de cálculo da resistência de pilares curtos comprimidos sujeitos à flambagem local. O procedimento baseado no conceito de largura efetiva não considera de forma precisa a interação entre as chapas componentes do perfil. Um tubo metálico comprimido, de seção retangular ou quadrada, submetido a flambagem local apresenta duas chapas fletidas de forma côncava e as outras duas fletidas de forma convexa. O primeiro grupo apresenta distribuição de tensões distinta da que apresenta o segundo grupo. Este fenômeno não é considerado nas expressões utilizadas na determinação da largura efetiva.  A Figura 5.1 mostra 5.1 mostra a distribuição de tensões, em colapso, de um tubo de seção quadrada constituído de material não linear.

Figura 5.1. Tubo Curto – Distribuição de Tensões no Estado Limite Último – 1. Tensões na direção da aplicação da carga [kN/cm²] 2. Tensão equivalente de von Mises [kN/cm²]

 

Capítulo 5 - Perfis

Curtos

69

Na fase pós–crítica aparecem tensões na direção normal à direção da carga de compressão. Por outro lado, com imperfeições iniciais, estas tensões existem sob qualquer solicitação. Portanto, para o cálculo da resistência destes perfis, é mais correto utilizar o critério de plastificação de von Mises que utilizar somente a componente de tensão medida na direção da carga de compressão, como se faz no conceito da largura efetiva. Com base nestas observações, foi estudado o comportamento de uma série de perfis curtos comprimidos, cujos comprimentos são de um módulo.

5.1 Flambagem na alma

  Material com comportamento não linear isotrópico, isotrópico, com limite de escoamento



 f  y

= 250 MPa ,  f ε  = 230 MPa  e n = 12. 0

•  Módulo de elasticidade inicial  E 0  = 205000  MPa . •  Máximo deslocamento normal ao plano da chapa δ i  = h / 200 . •  Altura dos perfis

40 cm,

largura das mesas 20 cm, espessura das mesas 1.1

cm.

•  Índice de esbeltez relativo das mesas menor que 0.3.  A seguir, na Tabela 5.1, 5.1, as  as demais características dos perfis: Tabela 5.1 – Espessura da alma e comprimento dos perfis curtos sujeitos a flambagem na alma Perfil

tw  (cm)  (cm)

L  (cm)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

0.76 0.72 0.68 0.64 0.60 0.56 0.52 0.48 0.44 0.40 0.36 0.32 0.28

19.6 20.3 21.0 21.7 22.4 23.0 23.7 24.4 25.0 25.7 26.3 27.0 27.6

     

   

 

Capítulo 5 - Perfis

Curtos

70

Os resultados desta análise são mostrados na Tabela 5.2.  5.2.  As cargas últimas relativas e as esbeltezes relativas são obtidas mediante as expressões (2.7) e (2.8), onde σ e  é a tensão crítica de Bryan (2.31) para a alma. Tabela 5.2 – Carga última relativa e índice de esbeltez relativo para perfis curtos sujeitos à flambagem na alma referidos na Tabela 5.1 Perfil

Bryan (kN)

k a

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

3755.5773 3228.2893 2768.0692 2364.9379 2010.7838 1702.2359 1426.4028 1183.5567 970.75165 783.36055 620.23916 479.27109 358.85514

6.89 6.74 6.62 6.53 6.46 6.42 6.39 6.37 6.38 6.39 6.41 6.43 6.47

 

λ a

 

0.70 0.74 0.79 0.85 0.91 0.98 1.06 1.15 1.25 1.37 1.52 1.71 1.95

χ 0.722 0.706   0.705 0.688 0.672 0.656   0.645 0.623 0.618 0.609 0.595 0.575 0.544

Desse estudo foi feito uma regressão polinomial na qual pode-se ter uma aproximação do fator k de flambagem local em função do índice de esbeltez da alma (λ a = h/tw). O polinômio regredido segundo os dados da Tabela 5.2 é k a( λ  10 0-7 λ a4-4.145× 1 10 0-5λ a3+6.279× 1 10 0-3λ a2-0.415λ a+16.462 λ a ) = 1.011× 1

1

 N 

para um erro de 0.597% ( E =  N  i =1

  ∑

(5.1)

 

k real  − k regredido  

k real 

, N = 13).

 Ao se fazer a regressão segundo a equação (3.3) dos parâmetros α , β  e  e λ r   temse

0.065,

( Erro = 

-33.311,

4.145,

 N 

respectivamente,

∑ ( χ (λ  )− χ  ) ,  N = 13), sendo 2

n

n

par

um

erro

de

0.05%

λ a   o termo independente da equação

n =1

(3.3).

 A partir do estudo do parâmetro de flambagem local k  foram estudados mais seis perfis cujos índices de esbeltez variam aproximadamente de 0.8  a 1.8  com incremento de 0.2, com as mesmas características gerais dos perfis estudados

 

Capítulo 5 - Perfis

Curtos

71

anteriormente. A seguir, na Tabela 5.3, 5.3,   são apresentadas as demais características dos perfis: Tabela 5.3 – Espessura da alma e comprimento dos perfis curtos sujeitos à flambagem na alma cujos índices de esbeltez relativos da alma estão entre 0.8  e  e 1.8  Perfil

tw  (cm)  (cm)

1 2 3 4 5 6

0.3044 0.3425 0.3919 0.4584 0.5489 0.6742

L  (cm) 27.246   26.633 25.830 24.734 23.219 21.083

Os resultados desta análises são mostrados na Tabela 5.4: Tabela 5.4 – Carga última relativa e índice de esbeltez relativo para perfis curtos sujeitos à flambagem na alma referidos na Tabela 5.3 Perfil

Bryan (kN)

K a

1 2 3 4 5 6

2707.9253 1621.4352 1065.2269 748.46505 555.92748 429.94402

6.6118 6.4097 6.3746 6.3899 6.4177 6.4466

 

λ a

 

0.8009 0.9992 1.1997 1.4016 1.6003 1.7965

χ

0.68687   0.63677   0.61888 0.60652 0.58293 0.56331

5.2 Flambagem nas mesas

isotrópico, com limite de escoamento •  Material com comportamento não linear isotrópico,  f  y = 250 MPa ,  f ε  = 230 MPa  e n = 12. 0

•  Módulo de elasticidade inicial  E 0  = 205000  MPa . •  Máximo deslocamento normal ao plano da chapa δ i  = bf  / 200 . •  Altura dos perfis 20 cm, largura das mesas 20 cm, espessura das almas 0.8 cm. •  Índice de esbeltez relativo da alma menor que 0.3.  A seguir, na Tabela 5.5, 5.5, as  as demais características dos perfis:

 

Capítulo 5 - Perfis

Curtos

72

Tabela 5.5 – Espessura das mesas e comprimento dos perfis curtos sujeitos à flambagem nas mesas Perfil

tf  (cm)  (cm)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

0.90 0.80 0.70 0.60 0.50 0.40 0.385 0.30 0.257 0.221 0.193 0.172

L  (cm) 24.59 23.77   22.87   21.89 20.78 19.51 19.33 18.01 17.27   16.59 16.01 15.56  

Os resultados desta análise são mostrados na Tabela 5.6. Tabela 5.6 – Carga última relativa e índice de esbeltez relativo para perfis curtos sujeitos à flambagem nas mesas Perfil

Bryan (kN)

k m

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

5223.9715 4105.6532 3173.4706 2394.3718 1726.4883 1131.4531 1048.0701 618.12180 438.35739 312.21568 230.27398 178.064756

0.69 0.74 0.82 0.92 1.06 1.22 1.24 1.35 1.38 1.41 1.43 1.44

 

 

λ m 0.49 0.53 0.58 0.64 0.71 0.83 0.86 1.05 1.22 1.40 1.59 1.80

χ 0.973 0.953 0.914 0.882 0.831 0.751 0.732 0.604 0.521 0.452 0.404 0.363

Também nesse estudo foi feita uma regressão polinomial na qual pode-se ter  uma aproximação do fator k de flambagem local em função do índice de esbeltez da mesa (λ m = bf/2tf ). ). O polinômio regredido segundo os dados da Tabela 5.4 é 10 0-5λ m3-2.294× 1 10 0-3λ m2+0.109λ m-0.33 k m( λ  λ m ) = 1.628× 1

1

 N 

k real  − k regredido

i =1

k real 

   N ∑

para um erro de 1.316% ( E =

 

 

(5.2)

, N = 12).

 Ao se fazer a regressão segundo a equação (3.3) dos parâmetros α , β  e  e λ r   temse

100.108,

6.711,

0.482,

respectivamente,

par

um

erro

de

0.14%

 

Capítulo 5 - Perfis

( Erro = 

Curtos

73

 N 

∑ ( χ (λ  )− χ  ) ,  N = 12), sendo 2

n

n

λ m   o termo independente da equação

n =1

(3.3).

Da mesma forma feita no item anterior foram estudados mais seis perfis cujos índices de esbeltez variam aproximadamente de 0.8 a 1.8 com incremento de 0.2, com as mesmas características gerais dos perfis estudados acima.  A seguir, na Tabela 5.7, 5.7, as  as demais características dos perfis: Tabela 5.7 – Espessura das mesas e comprimento dos perfis curtos sujeitos à flambagem nas mesas cujos índices de esbeltez relativos das mesas estão entre 0.8   e e 1.8  Perfil

tf  (cm)  (cm)

L  (cm)

1 2 3 4 5 6

0.4226 0.3178 0.2593 0.2206 0.1923 0.17

19.818 18.300 17.309 16.579 16.000 15.512

Os resultados desta análise são mostrados na Tabela 5.8. Tabela 5.8 – Carga última relativa e índice de esbeltez relativo para perfis curtos sujeitos à flambagem nas mesas referidos na Tabela 5.7 Perfil 1 2 3 4 5 6 

           

Bryan (kN)

K m

1260.28760 700.87190 447.19020 310.93535 228.40212 173.49462

1.1818 1.3280 1.3829 1.4092 1.4256 1.4383

 

λ m 0.7996 1.0030 1.2046 1.4027 1.5999 1.8017

 

χ 0.77994 0.63531 0.52311 0.45061 0.39839 0.35884

5.3 Interação flambagem na alma e mesa

Foram calculados 36   pilares curtos com índices de esbeltez relativos dos componentes do perfil variando de 0.8  a 1.8  com incremento de 0.2 aproximadamente.

•  Material com comportamento não linear isotrópico, isotrópico, com limite de escoamento  f  y = 250 MPa ,  f ε  = 230 MPa  e n = 12. 0

 

Capítulo 5 - Perfis

Curtos

74

•  Módulo de elasticidade inicial  E 0  = 205000  MPa . •  Máximo deslocamento normal ao plano da chapa δ i  = b / 200 . •  Altura dos perfis 38 cm, largura das mesas 35 cm.  A seguir, na Tabela 5.9, 5.9, as  as demais características dos perfis: Tabela 5.9 – Espessuras da alma e das mesas e comprimento dos perfis curtos sujeitos à interação entre flambagem na alma e nas mesas Perfil

tw  (cm)  (cm)

tf  (cm)  (cm)

L  (cm)

1 2 3 4 5 6

0.3012 0.3381 0.386 0.4499 0.5357 0.6515

0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953

52.02 50.90 49.53 47.81 45.69 43.07  

7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19

0.3012 0.3381 0.386 0.4499 0.5357 0.6515 0.3012 0.3381 0.386 0.4499 0.5357 0.6515 0.3012

0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.4534

52.95 51.86   50.51 48.82 46.70 44.08 53.93 52.86   51.55 49.88 47.79 45.18 55.05

20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32

0.3381 0.386 0.4499 0.5357 0.6515 0.3012 0.3381 0.386 0.4499 0.5357 0.6515 0.3012 0.3381

0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.7396 0.7396

54.03 52.75 51.13 49.08 46.50 56.46   55.50 54.29 52.73 50.75 48.22 58.44 57.56  

33 34 35 36

0.386 0.4499 0.5357 0.6515

0.7396 0.7396 0.7396 0.7396

56.44 54.99 53.12 50.71

 

Capítulo 5 - Perfis

Curtos

75

Os resultados são mostrados na Tabela 5.10. 5.10.   As cargas últimas relativas e as esbeltezes relativas são obtidas mediante as expressões (2.7) e (2.8), onde σ e  é a tensão crítica de Bryan com o valor de k  segundo  segundo as equações (5.1) e (5.2). Tabela 5.10 – Carga última relativa e índices de esbeltez relativos para perfis curtos sujeitos à interação de flambagem na alma e nas mesas Perfil Bryan Bryan Bryan (A) k  alma  alma k  mesa  mesa   λ  alma

mesa

(F)

(F)

1 2 3 4 5 6

246 324 444 640 988 1667

246 257 271 289 314 347

116.4542 133.7568 159.4425 197.8732 251.9096 318.1421

6.4208 6.4200 6.4059 6.3708 6.3903 6.5867

7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36

25 73 0 3 482 692 1062 1781 298 389 528 755 1152 1919 337 438 592 841 1275 2109 397 514 691 975 1467 2405 508 654 873 1221 1821 2952

35 33 9 3 370 394 425 467 488 505 528 558 599 654 745 769 799 841 896 970 1251 1285 1329 1388 1467 1574 2452 2505 2573 2664 2787 2952

16 59 0..4 25 84 98 4 1 198.3268 243.1288 310.6946 402.6787 201.1515 222.5425 254.7389 305.6311 386.2427 506.7731 289.3657 314.4110 351.1692 409.0837 503.3081 654.9411 404.0792 504.9346 551.2133 620.5252 732.0447 918.6084 533.5783 677.6161 889.6477 1190.307 1339.471 1577.823

6..4 42 20 00 5 6 6.4055 6.3704 6.3913 6.5902 6.4201 6.4200 6.4049 6.3700 6.3926 6.5945 6.4196 6.4200 6.4041 6.3695 6.3944 6.6003 6.4191 6.4199 6.4028 6.3687 6.3974 6.6094 6.4184 6.4197 6.4005 6.3675 6.4030 6.6262

λ 

χ

alma

mesa

1.4614 1.4614 1.4614 1.4614 1.4614 1.4614

1.800 1.604 1.407 1.210 1.015 0.822

1.801 1.801 1.801 1.801 1.801 1.801

0.34335 0.34727   0.35794 0.37274 0.39219 0.42144

1..4 42 24 41 1 1 1.4241 1.4241 1.4241 1.4241 1.4136 1.4136 1.4136 1.4136 1.4136 1.4136 1.3957 1.3957 1.3957 1.3957 1.3957 1.3957 1.3357 1.3357 1.3357 1.3357 1.3357 1.3357 1.1804 1.1804 1.1804 1.1804 1.1804 1.1804

1..6 70 91 7 1 1.404 1.207 1.012 0.820 1.792 1.596 1.400 1.204 1.010 0.817 1.785 1.591 1.395 1.200 1.006 0.814 1.776 1.582 1.387 1.193 1.000 0.809 1.758 1.566 1.374 1.182 0.990 0.800

1..6 60 01 1 1 1.601 1.601 1.601 1.601 1.400 1.400 1.400 1.400 1.400 1.400 1.200 1.200 1.200 1.200 1.200 1.200 1.000 1.000 1.000 1.000 1.000 1.000 0.800 0.800 0.800 0.800 0.800 0.800

0..3 36 69 20 79 9 0 0.37779 0.38939 0.40971 0.445 0.38677   0.39072 0.39865 0.40715 0.4284 0.46035 0.41811 0.41811 0.42233 0.4353 0.45065 0.47916   0.54989 0.46091 0.46364 0.47018 0.4866   0.51537   0.69135 0.69035 0.68669 0.56175 0.57667   0.61407  

 

Capítulo 5 - Perfis

Curtos

76

Na Tabela 5.10, 5.10, a  a segunda e a terceira coluna (Bryan (F)) representa o valor da carga de instabilidade local da chapa calculada segundo a equação de Bryan (2.31); e a quarta coluna (Bryan (A)) representa a carga de instabilidade local gerada pela análise do programa (menor autovalor).  Ao se fazer uma regressão polinomial da resistência relativa segundo os índices de esbeltez relativos dos componentes das seções e considerando-se um polinômio de duas variáveis ( λ   alma  e λ mesa ) e de terceiro grau tem-se: 2

 χ (λ a , λ m ) = 0.387λ m λ a

3

2

2

− 0.628λ m +  2.283λ     m − 2.823λ m − 0.901λ m λ a − 0.116λ m λ a 2

3

+ 2.169 − 0.608λ a + 0  .855   λ   a − 0.147λ a

 

(5.3)

Vale notar que há uma erosão inata da carga de instabilidade local. Ao se comparar as resistências relativas da Tabela 5.10 com as da Tabela 5.3 e as da Tabela 5.8, pode-se 5.8, pode-se notar a erosão derivada.

 

Capítulo 6

Perfis Intermediários

No presente capítulo, pretende-se medir quão intensa é a erosão devida à interação entre dois ou três modos de instabilidade. 6.1 Interação flambagem global e flambagem local na alma

•  Material com comportamento não linear isotrópico, isotrópico, com limite de escoamento  f  y = 250 MPa ,  f ε  = 230 MPa  e n = 12. 0

•  Módulo de elasticidade inicial  E 0  = 205000  MPa . •  Máximo deslocamento segundo o eixo de menor inércia δ i   = L / 1000 . •  Índice de esbeltez relativo das mesas próximo de 0.3.  A seguir, na Tabela 6.1, 6.1, as  as características geométricas dos perfis: Tabela 6.1 – Características geométricas dos perfis sujeitos à interação flambagem global e flambagem local na alma d  (cm)  (cm)

Perfil

bf  (cm)  (cm)

tf  (cm)  (cm)

tw  (cm)  (cm)

L  (cm)

1 2 3 4 5 6 

           

34.48 34.48 34.48 40.902 49.366 58.114

19 19 19 21.5 25.5 29.5

1.1 1.1 1.1 1.2 1.4 1.55

0.2599 0.2599 0.2599 0.31 0.375 0.443

180.7541 271.1312 361.5083 519.9146   698.8406   949.8968

7  8 9 10 11 12 13 14 15 16  17  18 19 20 21 22 23 24 25

                                    

66 667.4691 34.774 34.774 34.774 41.205 49.708 58.474 67 76.543 35.176 35.176 35.176 41.625 50.187 59 67.541 77.277 35.76

3338.5 19 19 19 21.5 25.5 29.5 33.5 38 19 19 19 21.5 25.5 29.5 33.5 38 19

12..825 1.1 1.1 1.1 1.2 1.4 1.55 1.85 2.2 1.1 1.1 1.1 1.2 1.4 1.55 1.85 2.2 1.1

0..5 57 04 54 6 0 0.2951 0.2951 0.2951 0.3516 0.425 0.5017 0.5842 0.6536 0.3418 0.3418 0.3418 0.4066 0.4912 0.5815 0.6618 0.7555 0.407

12 1 51 99 7..3 37 22 99 7   178.5928 267.8892 357.1857   513.0748 689.3233 936.2388 1199.3211 1574.9092 175.7800 263.6700 351.5600 504.2589 677.0697   918.2306   1180.2477   1546.6938 171.9615

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

78

26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47

35.76 35.76 42.244 51 59.759 68.463 78.367 36.634 36.634 36.634 43 51.994 60.966 69.89 80.048 38 38 38 44.71 53.784 62.969 72.239

19 19 21.5 25.5 29.5 33.5 38 19 19 19 21.5 25.5 29.5 33.5 38 19 19 19 21.5 25.5 29.5 33.5

1.1 1.1 1.2 1.4 1.55 1.85 2.2 1.1 1.1 1.1 1.2 1.4 1.55 1.85 2.2 1.1 1.1 1.1 1.2 1.4 1.55 1.85

0.407 0.407 0.4832 0.596 0.6872 0.7855 0.8971 0.5 0.5 0.5 0.5713 0.7142 0.8403 0.9612 1.0986 0.6366 0.6366 0.6366 0.7547 0.9094 1.0679 1.2225

257.9422 343.9230 492.3799 658.3889 895.3619 1150.8520 1508.8694 166.7052 250.0578 333.4105 479.2290 638.3725 863.9061 1111.1400 1457.6621 159.3777   239.0666   318.7554 453.4606   607.2885 820.4433 1056.0960

48

82.793

38

2.2

1.3983

1386.4285

Na Tabela 6.2, 6.2,   os índices de esbeltez relativos dos perfis juntamente com os resultados: Tabela 6.2 – Carga última relativa e índices de esbeltez relativos para perfis intermediários sujeitos à interação entre flambagem global e flambagem local na alma Perfil

 

λ   alma

 

λ   global

 

χ

1 2

   

1.8022 1.8022

0.4014 0.6021

0.50279 0.50279

3 4 5 6  7  8 9 10 11 12 13 14 15 16  17  18

                             

89 09 23 2 1.7 1.7978 1.7964 1.7971 1.8045 1.6022 1.6022 1.6022 1.6010 1.6007 1.6003 1.5716 1.6008 1.4002 1.4002

0.0 83 03 22 8 1 1.1773 1.3953 1.5708 1.8067 0.4014 0.6021 0.8028 1.0333 1.1773 1.3953 1.5707 1.8069 0.4014 0.6021

00..449988926 0.4698 0.37722 0.31817 0.26258 0.54698 0.54648 0.54521 0.53856 0.47455 0.38074 0.31616 0.25185 0.60291 0.60489

19 20 21 22

       

1.4002 1.4011 1.4015 1.3976

0.8028 1.0333 1.1773 1.3953

0.60123 0.54346   0.47673 0.37677  

   

   

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

79

23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44

1.4019 1.4017 1.1951 1.1951 1.1951 1.1983 1.1766 1.2018 1.2007 1.2000 0.9936 0.9936 0.9936 1.0315 1.0014 1.0051 1.0032 1.0017 0.8006 0.8006 0.8006 0.8053

1.5708 1.8069 0.4014 0.6021 0.8028 1.0333 1.1772 1.3954 1.5708 1.8069 0.4014 0.6021 0.8028 1.0332 1.1773 1.3953 1.5708 1.8069 0.4014 0.6021 0.8028 1.0329

0.31696 0.24902 0.69053 0.6831 0.665 0.54488 0.47618 0.37946 0.31328 0.24839 0.80161 0.76032 0.66501 0.54403 0.47594 0.37391 0.31195 0.24965 0.8505 0.77616 0.66836 0.54619

 

4 45 6 47 48

0 0..8 80 18 35 6 0.8112 0.8091

1 1..1 37 97 52 3 1.5708 1.8069

0 0..4 36 78 16 77 7    0.31003 0.2476  

 

   

Comparando estes resultados com os da Tabela 4.1 pode-se perceber a erosão.  As cargas últimas relativas e a esbeltez relativas são obtidas mediante as expressões (2.7) e (2.8), onde σ e  é a tensão crítica de Euler (2.4). Na Figura 6.1, em 6.1, em vermelho estão os pontos relativos à flambagem global (sem interação), em azul escuro, os pontos relativos aos pilares cujos índices de esbeltez relativos da alma são próximos a 0.8, em verde claro, próximos a 1.0, em rosa, próximos a 1.2, em azul claro, próximos a 1.4, em verde escuro, próximos a 1.6 e em preto, próximos a 1.8.

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

80

 χ 

Figura 6.1. Curvas de Flambagem de Perfis Tipo I com Imperfeições Iniciais – Interação Flambagem Global – Flambagem Local na Alma

λ  g 

 Ao se fazer a regressão destas curvas curvas segundo a equaç equação ão (3.3) tem-se: Tabela 6.3 – Regressão dos resultados da Tabela 6.2 segundo a equação (3.3)  

λ   alma 1.8 1.6 1.4 1.2 1.0 0.8

α α  

β  β 

116.932 192.265 286.831 420.514 394.163 354.321

6.774 7.082 7.351 7.626 7.625 7.577

Erro

λ r 

 

1.142 1.08 1.014 0.94 0.84 0.785

0.005292 0.006291 0.003593 0.001889 0.0001889 0.0001866  

Regredindo os valores de α  , β  e λ r   da Figura 6.3 em função do índice de esbeltez relativo da alma ( λ   a ) tem-se: α  = 46715 − 194347 λ a

2

3

4

5

+ 316987   λ a − 21495 λ    a + 97241λ a − 14710λ a  

β  = 76.308 − 288.289λ a

 

(6.1)

+ 470.393   λ a − 373 .208λ    a + 144.245λ a − 21.823λ a    

(6.2)

2

2

3

3

4

4

  λ  a − 49 λ r  = 11.318 − 42.455λ a + 66.014 .766λ a + 18.411λ a  

5

5

− 2.682λ a

para um erro praticamente prat icamente nulo, para qualquer dos parâmetros. 1  N   xreal  − xregredido ( E = , N = 6 ), ), onde  x = α  ou x =   β  ou x = λ r  .

   N ∑ i =1

 

 x real 

 

(6.3)

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

81

6.2 Interação flambagem global e flambagem local nas mesas

•  Material com comportamento não linear isotrópico, isotrópico, com limite de escoamento  f  y = 250 MPa ,  f ε  = 230 MPa  e n = 12. 0

•  Módulo de elasticidade inicial  E 0  = 205000  MPa . •  Máximo deslocamento segundo o eixo de menor inércia δ i   = L / 1000 . •  Índice de esbeltez relativo da alma próximo de 0.3.  A seguir, na Tabela 6.4, 6.4, as  as características geométricas dos perfis: Tabela 6.4 – Características geométricas dos perfis sujeitos à interação flambagem global e flambagem local nas mesas d  (cm)  (cm)

Perfil

bf  (cm)  (cm)

tf  (cm)  (cm)

tw  (cm)  (cm)

L  (cm)

1 2 3 4 5 6  7  8 9 10 11 12 13 14 15 16  17  18 19 20 21 22 23 24 25 26  27  28 29 30 31

                                                            

15 5 1 15 20 25 30 35 36 15 15 15 20 25 30 35 35 36 15 15 15 20 25 30 30 35 36 15 15 15 20 25 25 30 35

15 5..4 43 38 8 1 15.438 20.661 24.64 30.682 35.437 36 15.255 15.255 15.255 20.425 24.31 30.318 35 35.496 15.098 15.098 15.098 20.226 24.018 30 34.63 35.093 14.966 14.966 14.966 20.066 25 29.752 34.314

0..1 13 30 03 3 0 0.1303 0.1744 0.2079 0.2589 0.2965 0.3009 0.1467 0.1467 0.1467 0.1964 0.2338 0.2915 0.3378 0.3414 0.1664 0.1664 0.1664 0.2231 0.265 0.3335 0.382 0.3872 0.1937 0.1937 0.1937 0.2599 0.3175 0.3854 0.4445

0..6 65 5 0 0.65 0 .9 1.15 1.36 1 .6 1.65 0.65 0.65 0.65 0 .9 1.15 1.36 1 .6 1.65 0.65 0.65 0.65 0 .9 1.15 1.36 1 .6 1.65 0.65 0.65 0.65 0 .9 1.15 1.36 1 .6

18382.6 .9005716 177.2101 285.9082 404.6981 591.3873 774.1596 884.8022 90.9000 136.3500 181.8000 293.6172 414.7955 607.1158 797.0550 908.9351 93.5790 140.3685 187.1580 302.7437 426.6711 626.9676 820.3597 935.6468 97.1890 145.7835 194.3780 314.9944 478.2398 650.6898 852.6474

32 33 34 35

      

3 16 5 15 15

1344..87943 14.893 14.893

00..24355 0.235 0.235

1 0..6 65 5 0.65 0.65

9 17 01 2..3 46 60 56 1  153.6976   204.9302

 

 

     

 

Capítulo 6 - Perfis

36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48

Intermediários

20 25 30 35 36 15 15 15 20 25 30 35 36

20 23.564 29.622 34.131 34.505 15 15 15 20.224 23.626 29.906 34.402 34.685

82

0.3224 0.373 0.4707 0.5424 0.5483 0.311 0.311 0.311 0.4271 0.4992 0.6319 0.7269 0.7329

0 .9 1.15 1.36 1 .6 1.65 0.65 0.65 0.65 0 .9 1.15 1.36 1 .6 1.65

335.1564 466.0749 688.6872 901.7369 1025.6571 111.7555 167.6333 223.5110 367.5391 509.9256   757.6420 990.7505 1123.7967  

Na Tabela 6.5, 6.5, os  os índices de esbeltez relativos dos perfis com os resultados: Tabela 6.5 – Carga última relativa e índices de esbeltez relativos para perfis intermediários sujeitos à interação entre flambagem f lambagem global e flambagem local nas mesas Número do Perfil

 

λ   mesa

 

λ   global

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

1.7980 1.7980 1.7980 1.7865 1.7825 1.7851 1.7971 1.7987 1.5887 1.5887 1.5887 1.5806 1.5762 1.5792

0.4055 0.6083 0.8111 0.9880 1.2226 1.3898 1.5962 1.8143 0.4055 0.6083 0.8110 0.9880 1.2226 1.3898

1 15 6 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34

1 1..5 57 71 67 6 1.3957 1.3957 1.3957 1.3888 1.3844 1.3772 1.3857 1.3850 1.1992 1.1992 1.1992 1.1942 1.2131 1.1926 1.1911 1.1904 0.9991 0.9991

1 1..5 89 14 46 6 0.4055 0.6083 0.8111 0.9880 1.2226 1.3895 1.5949 1.8146 0.4055 0.6083 0.8111 0.9881 1.2226 1.3898 1.5949 1.8146 0.4055 0.6083

 

χ

0.392 0.392 0.37748 0.30461 0.28215 0.2407   0.22463 0.19431 0.39105 0.39204 0.40227   0.36039 0.2925 0.27811 0 0..2 24 34 19 87 5   0.52272 0.51749 0.45737   0.38082 0.3461 0.33602 0.29188 0.23563 0.6583 0.57272 0.54135 0.51352 0.43479 0.36115 0.2914 0.23536   0.73508 0.69862

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48

83

0.9991 0.9765 0.9861 0.9873 0.9854 0.9840 0.7943 0.7943 0.7943 0.7777 0.7648 0.7741 0.7708 0.7677

0.8111 0.9880 1.2226 1.3898 1.5949 1.8146 0.4055 0.6083 0.8110 0.9881 1.2226 1.3898 1.5949 1.8146

0.65667   0.56429 0.43716   0.36558 0.297   0.23956   0.84452 0.77616   0.66338 0.56243 0.44111 0.37032 0.29867   0.24057  

Na Figura 6.2,  6.2,  são representadas as curvas  χ  −  − λ   (carga última relativa  relativa  – esbeltez relativa). relativa).  As cargas últimas relativas e as esbeltezes relativas são obtidas mediante as expressões (2.7) e (2.8), onde σ e  é a tensão crítica de Euler (2.4).  Ao se fazer a regressão destas curvas curvas segundo a equaç equação ão (3.3) tem-se: Tabela 6.6 – Regressão dos resultados da Tabela 6.5 segundo a equação (3.3)  

λ r 

Erro

6.732 6.594 6.478 6.914 7.681

0.987 1.104 0.882 0.877 0.891

0.0009323 0.001121 0.001748 0.00437   0.001554

7.666

0.792

0.0000466  

α α  

β  β 

1.8 1.6 1.4 1.2 1.0

67.429 62.984 53.004 124.31 430.316

0.8

399.614

λ   mesa

 

Na Figura 6.2, em 6.2, em vermelho estão os pontos relativos à flambagem global (sem interação), em azul escuro, os pontos relativos aos pilares cujos índices de esbeltez relativos da alma são próximos a 0.8, em verde claro, próximo a 1.0, em rosa, próximo a 1.2, em azul claro, próximo a 1.4, em verde escuro, próximo a 1.6  e em preto, próximo a 1.8.

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

84

 χ 

λ  g 

Figura 6.2. Curvas de Flambagem de Perfis Tipo I com Imperfeições Iniciais – Interação Flambagem Global – Flambagem Local nas Mesas Regredindo os valores de α  , β  e λ r   da Tabela 6.6 em função do índice de esbeltez relativo da alma ( λ   a ) tem-se: α  = −84206 + 335314λ m

2

3

4

5

− 516369   λ m + 387616 λ    m − 142534λ m + 20610λ m   2

3

4

5

  λ m + 177.536  λ m − 45.26λ m + 3.672λ m β  = −61.59 + 239.788λ m − 306.465 λ r  = 44.856 − 200.682λ m

2

3

4

 

(6.4)

 

(6.5)

5

+ 356.269   λ m  − 308 .042λ m + 129.844λ m − 21.354λ m    

(6.6)

para um erro praticamente prat icamente nulo, para qualquer dos parâmetros. 1  N   xreal  − xregredido ( E = , N = 6 ), ), onde  x = α  ou x =   β  ou x = λ r  .

   N ∑ i =1

 

 x real 

6.3 Interação flambagem global e flambagem local na alma e nas mesas

•  Material com comportamento não linear isotrópico, isotrópico, com limite de escoamento  f  y = 250 MPa ,  f ε  = 230 MPa  e n = 12. 0

•  Módulo de elasticidade inicial  E 0  = 205000  MPa . •  Máximo deslocamento segundo o eixo de menor inércia δ i   = L / 1000 . •  Altura do perfil igual a d = 38 cm.

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

85

•  Largura da mesa do perfil igual a bf = 35 cm.  A seguir, na Tabela 6.7, 6.7,   são apresentadas as características geométricas dos perfis e os índices de esbeltez relativos dos perfis, juntamente com os resultados: Tabela 6.7 – Características geométricas, índices de esbeltez relativos e resistência última relativa dos perfis sujeitos à interação flambagem global e flambagem local na alma e nas mesas L  (cm)   λ   alma   λ   mesa   λ   global   χ

tf  (cm)  (cm)

tw  (cm)  (cm)

1 2 3 4 5 6 7 8

0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396

0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012

330.19 495.28 660.35 816.93 975.43 1133.97 1292.69 1451.20

1.7580 1.7580 1.7580 1.7580 1.7580 1.7580 1.7580 1.7580

0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000

0.4000 0.6000 0.8000 0.9896 1.1817 1.3737 1.5660 1.7580

0.6237   0.62956   0.6131 0.5763 0.49387   0.40986   0.337   0.276  

9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39

0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396

0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357

326.70 490.05 653.38 808.30 965.13 1122.00 1279.03 1435.88 322.34 483.50 644.65 797.50 952.23 1107.01 1261.94 1416.69 316.78 475.16 633.53 783.74 935.80 1087.91 1240.18 1392.25 309.75 464.62 619.47 766.35 915.04 1063.77 1212.65

1.5660 1.5660 1.5660 1.5660 1.5660 1.5660 1.5660 1.5660 1.3737 1.3737 1.3737 1.3737 1.3737 1.3737 1.3737 1.3737 1.1817 1.1817 1.1817 1.1817 1.1817 1.1817 1.1817 1.1817 0.9896 0.9896 0.9896 0.9896 0.9896 0.9896 0.9896

0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000

0.4000 0.6000 0.8000 0.9896 1.1817 1.3737 1.5660 1.7580 0.4000 0.6000 0.8000 0.9896 1.1817 1.3737 1.5660 1.7580 0.4000 0.6000 0.8000 0.9896 1.1817 1.3737 1.5660 1.7580 0.4000 0.6000 0.8000 0.9896 1.1817 1.3737 1.5660

0.63063 0.63681 0.60792 0.58202 0.49906   0.41085 0.33663 0.27423 0.637   0.637   0.62673 0.58202 0.51481 0.40988 0.33317   0.275 0.64598 0.64598 0.64597   0.5879 0.49947   0.40986   0.33297   0.27497   0.67568 0.66885 0.65836   0.59384 0.49862 0.40998 0.33307  

4 40 1 42 43

0..7 73 39 96 6 0 0.7396 0.7396

0..6 55 31 55 7 0 0.6515 0.6515

1330601.9 .366 451.45 601.91

0 99 89 99 6 0..7 0.7999 0.7999

0..8 80 00 00 0 0 0.8000 0.8000

1..4 70 50 80 0 0 0.6000 0.8000

00..277132987   0.70567   0.66886  

Perfil

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

86

44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65

0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.7396 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562

0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.386

744.62 889.09 1033.61 1178.27 1322.76 320.69 481.03 648.58 801.75 956.79 1112.21 1268.09 1423.54 316.42 474.63 639.94 791.07 944.04 1097.39 1251.19 1404.57 311.12

0.7999 0.7999 0.7999 0.7999 0.7999 1.7756 1.7756 1.7756 1.7756 1.7756 1.7756 1.7756 1.7756 1.5817 1.5817 1.5817 1.5817 1.5817 1.5817 1.5817 1.5817 1.3873

0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000

0.9896 1.1817 1.3737 1.5660 1.7580 0.4000 0.6000 0.8090 1.0000 1.1934 1.3873 1.5817 1.7756 0.4000 0.6000 0.8090 1.0000 1.1934 1.3873 1.5817 1.7756 0.4000

0.59384 0.49896   0.406   0.33363 0.27324 0.45 0.48501 0.43512 0.46067   0.41958 0.3676   0.3168 0.26631 0.50094 0.49087   0.4851 0.46827   0.42344 0.3676   0.31564 0.26829 0.50593

67 6 6 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96

0..5 55 56 62 2 0 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562 0.5562

0..3 38 86 6 0 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515

42 69 6..2 62 8 6 777.82 928.23 1079.01 1230.24 1381.05 304.45 456.67 615.73 761.14 908.33 1055.88 1203.86 1351.43 296.13 444.20 598.92 740.35 883.52 1027.04 1170.98 1314.53 285.92 428.89 578.27 714.83 853.07 991.64 1130.62 1269.21

1..3 38 87 73 3 1 1.3873 1.3873 1.3873 1.3873 1.3873 1.1934 1.1934 1.1934 1.1934 1.1934 1.1934 1.1934 1.1934 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 0.8090 0.8090 0.8090 0.8090 0.8090 0.8090 0.8090 0.8090

1..0 00 00 00 0 1 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000

0..8 60 09 00 0 0 1.0000 1.1934 1.3873 1.5817 1.7756 0.4000 0.6000 0.8090 1.0000 1.1934 1.3873 1.5817 1.7756 0.4000 0.6000 0.8090 1.0000 1.1934 1.3873 1.5817 1.7756 0.4000 0.6000 0.8090 1.0000 1.1934 1.3873 1.5817 1.7756

0..4 49 92 51 76 6    0 0.4776   0.42357   0.37514 0.31886   0.26659 0.52272 0.51222 0.5052 0.4752 0.43243 0.38283 0.32211 0.26658 0.54698 0.54145 0.53401 0.47582 0.45131 0.39084 0.32211 0.26634 0.60489 0.59273 0.56658 0.52518 0.46047   0.39495 0.32549 0.26642

98 7 9 99 100

0..4 45 53 34 4 0 0.4534 0.4534

0..3 30 01 12 2 0 0.3012 0.3012

36 19 2..0 63 9 4 636.36 786.27

1..7 78 85 54 4 1 1.7854 1.7854

1..2 20 00 01 1 1 1.2001 1.2001

0..6 40 00 00 0 0 0.8141 1.0058

.43245075  00.4 0.42405 0.40095

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

87

101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122

0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534

0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.4499 0.4499

938.06 1090.39 1243.32 1395.68 307.82 461.72 626.45 774.03 923.45 1073.41 1223.96 1373.95 301.82 452.74 614.25 758.96 905.47 1052.51 1200.13 1347.20 294.35 441.52

1.7854 1.7854 1.7854 1.7854 1.5905 1.5905 1.5905 1.5905 1.5905 1.5905 1.5905 1.5905 1.3949 1.3949 1.3949 1.3949 1.3949 1.3949 1.3949 1.3949 1.2000 1.2000

1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001

1.2000 1.3949 1.5905 1.7854 0.4000 0.6000 0.8141 1.0058 1.2000 1.3949 1.5905 1.7854 0.4000 0.6000 0.8141 1.0058 1.2000 1.3949 1.5905 1.7854 0.4000 0.6000

0.34452 0.31037   0.26611 0.23376   0.4554 0.44169 0.42479 0.40987   0.34848 0.30527   0.2673 0.23904 0.46495 0.45109 0.4443 0.40095 0.3564 0.30839 0.27324 0.24145 0.47748 0.4631

1 12 23 4 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153

0 0..4 45 53 34 4 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.4534 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862

0 0..4 44 49 99 9 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3381

5 79 49 0..0 14 6 883.05 1026.45 1170.41 1313.84 285.14 427.71 580.29 717.00 855.41 994.32 1133.78 1272.72 273.98 410.97 557.59 688.95 821.94 955.42 1089.42 1222.92 305.67 458.51 624.62 771.54 920.30 1069.73 1219.84 1369.28 300.33

1 1..2 20 00 00 0 1.2000 1.2000 1.2000 1.2000 1.0058 1.0058 1.0058 1.0058 1.0058 1.0058 1.0058 1.0058 0.8141 0.8141 0.8141 0.8141 0.8141 0.8141 0.8141 0.8141 1.7918 1.7918 1.7918 1.7918 1.7918 1.7918 1.7918 1.7918 1.5963

1 1..2 20 00 01 1 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000

0 1..8 01 04 51 8 1.2000 1.3949 1.5905 1.7854 0.4000 0.6000 0.8141 1.0058 1.2000 1.3949 1.5905 1.7854 0.4000 0.6000 0.8141 1.0058 1.2000 1.3949 1.5905 1.7854 0.4000 0.6000 0.8174 1.0096 1.2043 1.3998 1.5963 1.7918 0.4000

00.4 .451845 0.3592 0.31878 0.28146   0.24389 0.50094 0.49087   0.47503 0.41918 0.37604 0.33516   0.29049 0.24884 0.5445 0.53361 0.47503 0.45278 0.40409 0.35023 0.29976   0.25389 0.41846   0.3977   0.39204 0.35 0.30036   0.26057   0.22939 0.20066   0.41877  

1 15 54 5 156 157

0 0..3 38 86 62 2 0.3862 0.3862

0 0..3 33 38 81 1 0.3381 0.3381

4 65 10 3..4 79 0 758.05 904.21

1 1..5 59 96 63 3 1.5963 1.5963

1 1..4 40 00 00 0 1.4000 1.4000

0 0..6 80 10 70 4 1.0096 1.2043

0 0..4 30 96 81 47 2  0.34799 0.30339

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

88

158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179

0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862

0.3381 0.3381 0.3381 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.5357 0.5357 0.5357

1051.03 1198.52 1345.34 293.79 440.69 600.34 741.55 884.54 1028.16 1172.44 1316.07 285.71 428.56 583.82 721.14 860.19 999.86 1140.16 1279.84 275.83 413.75 563.64

1.5963 1.5963 1.5963 1.3998 1.3998 1.3998 1.3998 1.3998 1.3998 1.3998 1.3998 1.2043 1.2043 1.2043 1.2043 1.2043 1.2043 1.2043 1.2043 1.0096 1.0096 1.0096

1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000

1.3998 1.5963 1.7918 0.4000 0.6000 0.8174 1.0096 1.2043 1.3998 1.5963 1.7918 0.4000 0.6000 0.8174 1.0096 1.2043 1.3998 1.5963 1.7918 0.4000 0.6000 0.8174

0.25851 0.22939 0.20473 0.432 0.41468 0.40651 0.35479 0.30955 0.26746   0.23405 0.21102 0.4455 0.43659 0.419 0.35479 0.31268 0.27128 0.24373 0.2175 0.4752 0.46094 0.42323

18 81 0 1 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 201 202 203 204 205 206 207 208 209 210

0 0..3 38 86 62 2 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3862 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365

0 0..5 53 35 57 7 0.5357 0.5357 0.5357 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.386 0.386

6 89 36 0..2 42 6 965.30 1100.76 1235.60 264.00 396.01 539.47 666.36 794.85 923.90 1053.55 1182.62 299.13 448.70 613.08 757.13 902.99 1049.60 1196.94 1343.53 293.39 440.08 601.30 742.58 885.64 1029.43 1173.94 1317.71 286.40 429.60

1..0 00 09 96 6 1 1.0096 1.0096 1.0096 0.8174 0.8174 0.8174 0.8174 0.8174 0.8174 0.8174 0.8174 1.7966 1.7966 1.7966 1.7966 1.7966 1.7966 1.7966 1.7966 1.6005 1.6005 1.6005 1.6005 1.6005 1.6005 1.6005 1.6005 1.4035 1.4035

1 1..4 40 00 00 0 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008

1 1..0 20 09 46 3 1.3998 1.5963 1.7918 0.4000 0.6000 0.8174 1.0096 1.2043 1.3998 1.5963 1.7918 0.4000 0.6000 0.8198 1.0124 1.2075 1.4035 1.6005 1.7966 0.4000 0.6000 0.8198 1.0124 1.2075 1.4035 1.6005 1.7966 0.4000 0.6000

00..332723238 0.28844 0.25645 0.22418 0.51945 0.50382 0.44681 0.38088 0.3391 0.30036   0.26433 0.22873 0.38313 0.37171 0.37464 0.31442 0.26801 0.22542 0.1975 0.17502 0.36977   0.37657   0.37842 0.31906   0.27072 0.2281 0.19751 0.17857   0.40531 0.39311

2 21 11 2 213 214

0 0..3 33 36 65 5 0.3365 0.3365

0 0..3 38 86 6 0.386 0.386

5 78 26 4..9 88 9 864.54 1004.91

1 1..4 40 03 35 5 1.4035 1.4035

1 1..6 60 00 08 8 1.6008 1.6008

0 1..8 01 19 28 4 1.2075 1.4035

0 0..3 39 10 50 94 4 0.27345 0.23529

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

89

215 216 217 218 219 220 221 222 223 224 225 226 227 228 229 230 231 232 233 234 235 236

0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365 0.3365

0.386 0.386 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.4499 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515

1145.98 1286.32 277.81 416.72 569.38 703.15 838.62 974.77 1111.61 1247.75 267.41 401.12 548.07 676.83 807.23 938.28 1070.00 1201.05 255.07 382.61 522.78 645.60

1.4035 1.4035 1.2075 1.2075 1.2075 1.2075 1.2075 1.2075 1.2075 1.2075 1.0124 1.0124 1.0124 1.0124 1.0124 1.0124 1.0124 1.0124 0.8198 0.8198 0.8198 0.8198

1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008

1.6005 1.7966 0.4000 0.6000 0.8198 1.0124 1.2075 1.4035 1.6005 1.7966 0.4000 0.6000 0.8198 1.0124 1.2075 1.4035 1.6005 1.7966 0.4000 0.6000 0.8198 1.0124

0.20313 0.18405 0.43273 0.42395 0.40202 0.32564 0.27621 0.23335 0.21373 0.19166   0.45144 0.44236   0.41018 0.3391 0.28583 0.24811 0.22257   0.19755 0.495 0.48015 0.44077   0.35319

2 23 37 8 239 240 241 242 243 244 245 246 247 248 249 250 251 252 253 254 255 256 257 258 259 260 261 262 263 264 265 266 267

0 0..3 33 36 65 5 0.3365 0.3365 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953

0 0..6 65 51 15 5 0.6515 0.6515 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3012 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.3381 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.386 0.4499 0.4499 0.4499

7 86 99 5..9 09 0 1020.64 1145.63 292.50 438.75 600.97 742.03 884.89 1028.54 1172.97 1316.59 286.38 429.57 588.39 726.50 866.37 1007.02 1148.43 1289.04 278.98 418.47 573.19 707.73 843.98 981.00 1118.75 1255.73 269.95 404.92 554.63

0 0..8 81 19 98 8 0.8198 0.8198 1.8005 1.8005 1.8005 1.8005 1.8005 1.8005 1.8005 1.8005 1.6041 1.6041 1.6041 1.6041 1.6041 1.6041 1.6041 1.6041 1.4066 1.4066 1.4066 1.4066 1.4066 1.4066 1.4066 1.4066 1.2101 1.2101 1.2101

1 1..6 60 00 08 8 1.6008 1.6008 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007

1 1..2 40 07 35 5 1.6005 1.7966 0.4000 0.6000 0.8218 1.0147 1.2101 1.4066 1.6041 1.8005 0.4000 0.6000 0.8218 1.0147 1.2101 1.4066 1.6041 1.8005 0.4000 0.6000 0.8218 1.0147 1.2101 1.4066 1.6041 1.8005 0.4000 0.6000 0.8218

0 0..2 29 56 83 37 7    0.23177   0.20156   0.36036   0.34591 0.33803 0.28875 0.24309 0.20265 0.17268 0.14075 0.37224 0.35731 0.34489 0.27778 0.24309 0.20676   0.17619 0.15612 0.38412 0.37228 0.35548 0.29535 0.24555 0.20885 0.17977   0.16257   0.40333 0.39119 0.3664

26 69 8 2 270 271

0..2 29 95 53 3 0 0.2953 0.2953

0..4 44 49 99 9 0 0.4499 0.4499

61 86 4..6 86 2 8 949.24 1082.54

1..2 21 10 01 1 1 1.2101 1.2101

1..8 80 00 07 7 1 1.8007 1.8007

1..2 01 10 41 7 1 1.4066 1.6041

00..321505776   0.21527   0.1872

 

Capítulo 6 - Perfis

272 273 274 275 276 277 278 279 280 281 282 283 284 285 286 287 288

Intermediários

0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953 0.2953

0.4499 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.5357 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515 0.6515

90

1215.08 259.10 388.65 532.34 657.30 783.84 911.10 1039.04 1166.25 246.35 369.52 506.14 624.95 745.27 866.25 987.90 1108.86

1.2101 1.0147 1.0147 1.0147 1.0147 1.0147 1.0147 1.0147 1.0147 0.8218 0.8218 0.8218 0.8218 0.8218 0.8218 0.8218 0.8218

1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007

1.8005 0.4000 0.6000 0.8218 1.0147 1.2101 1.4066 1.6041 1.8005 0.4000 0.6000 0.8218 1.0147 1.2101 1.4066 1.6041 1.8005

0.16756   0.43214 0.42345 0.38958 0.32698 0.26627   0.22188 0.19295 0.17271 0.47045 0.44217   0.42395 0.34049 0.27445 0.22869 0.19687   0.17622

 Ao se fazer a regressão destas curvas curvas segundo a equaç equação ão (3.3) tem-se: Tabela 6.8 – Regressão dos resultados da Tabela 6.7 segundo a equação (3.3) λ     alma λ alma

 

λ     mesa λ me

 

α α  

β  β 

 

λ r 

Erro

1.7580 1.5660 1.3737 1.1817 0.9896 0.7999 1.7756 1.5817 1.3873 1.1934 1.0000 0.8090 1.7854 1.5905 1.3949 1.2000 1.0058 0.8141 1.7918 1.5963 1.3998 1.2043 1.0096 0.8174 1.7966 1.6005 1.4035 1.2075

0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 0.8000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.0000 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.2001 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.4000 1.6008 1.6008 1.6008 1.6008

257.947 257.754 279.536 317.276 338.156 370.582 76.146 82.143 88.659 92.363 117.491 166.499 86.33 69.783 74.094 80.667 84.348 83.962 76.947 85.932 79.688 83.136 69.107 77.26 119 145.004 115.981 124.359

7.252 7.252 7.299 7.386 7.435 7.509 6.546 6.601 6.64 6.663 6.801 7.011 6.726 6.612 6.642 6.678 6.689 6.672 6.771 6.833 6.776 6.793 6.67 6.731 7.114 7.221 7.087 7.127

1.021 1.016 1.015 1.004 0.979 0.945 1.187 1.115 1.115 1.094 1.066 1.012 1.105 1.055 1.046 1.045 1.027 0.985 1.001 1.004 0.995 0.98 0.941 0.882 0.987 1.016 0.963 0.927

0.002982 0.003459 0.004358 0.003588 0.003129 0.001716   0.002811 0.001783 0.002086   0.001847   0.002061 0.001893 0.0004502 0.00081 0.0004526   0.0005625 0.0003282 0.0008008 0.000544 0.0004312 0.0004465 0.0003895 0.00008344 0.0002163 0.0008169 0.0006861 0.0008686   0.0008949

1 0 .0 812 94 8 1.8005

1.6008 1.8007

11 47 2.1 99 67 3 138.192

7.0 16 77 9 7.296

0.9 81 89 4 0.953

0.0005 1  96 04 27 0.0005606  

 

Capítulo 6 - Perfis

1.6041 1.4066 1.2101 1.0147 0.8218

Intermediários

1.8007 1.8007 1.8007 1.8007 1.8007

91

110.212 128.891 136.105 176.015 201.191

7.149 7.23 7.244 7.39 7.464

0.93 0.931 0.923 0.909 0.883

Na Figura 6.3, 6.3, mostra-se  mostra-se a variação de α  para  para as seções estudadas.

α 

λ m

λ a

Figura 6.3. Variação do parâmetro α 

0.0004965 0.0004779 0.0003719 0.0004066   0.0012

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

92

Na Figura 6.4, 6.4, mostra-se  mostra-se a variação de β  para  para as seções estudadas.

β 

λ m

λ a

Figura 6.4. Variação do parâmetro β  Na Figura 6.5, mostra-se a variação de λ r   para as seções estudadas.

λ r 

λ m

λ a

Figura 6.5. Variação do parâmetro λ r 

 

Capítulo 6 - Perfis

Intermediários

93

Pode-se ainda fazer uma regressão polinomial dos parâmetros α , β   e λ r  segundo os índices de esbeltez relativos dos componentes das seções. Considerando-se um polinômio de duas variáveis ( λ   alma   e λ mesa ) e de terceiro grau tem-se

•  para o parâmetro α  pode-se  pode-se usar a equação 2

3

2

2

α (λ a , λ m ) = −409.651λ m λ a − 1065λ  m + 5305  λ    m − 8331λ m + 1082λ m λ a + 19.313λ m λ a 2

3

+ 4450 − 1058λ a + 171 .098 λ    a − 31.497λ a   1

 N 

α  − α regredido

i =1

α 

   N ∑

para um erro de 0.115 ( E =

 

(6.7)

, N = 288).

•  para o parâmetro β  pode-se  pode-se usar a equação 2

β (λ a , λ m ) = −1.147λ m λ a

3

2

2

− 4.142λ m + 20.166  λ   m − 30.511λ m + 2.838λ m λ a + 0.146λ m λ a 2

3

+ 22.156 − 3.332λ a + 0  .786   λ   a − 0.183λ a

para um erro de

1

 N 

β  − β regredido

i =1

β 

  N ∑

0.008 ( E =

•  para o parâmetro

 

(6.8)

, N = 288).

λ r   pode-se usar a equação

2

3

2

λ r (λ a , λ m ) = −0.207λ m λ a + 1.125λ m  − 4.337   λ   m + 5.216λ m + 0.558λ m λ a 2

3

− 1.55 + 0.864λ a − 0 .792   λ   a + 0.189λ a 1

 N 

   N ∑

para um erro de 0.015 ( E =

i =1

λ r  − λ r   

λ r 

regredido

2

− 0.014λ m λ a  

(6.9)

, N = 288).

onde λ a   e λ m   são os índices de esbeltez relativos da alma e das mesas respectivamente.

 

Capítulo 7

Método Alternativ Alternativo o

Com base no que foi visto nos capítulos anteriores pode-se propor uma abordagem alternativa à adotada pelas normas para o problema da interação entre modos distintos de flambagem em perfis I comprimidos. Escolhendo-se as dimensões de um perfil tipo I duplamente simétrico, calculamse os índices de esbeltez da alma, das mesas e da peça como um todo (equações (2.5) e (2.33)) e, em seguida, os parâmetros k   de flambagem local tanto para alma quanto para as mesas (equações (5.1) e (5.2)). Feito isto, calculam-se os respectivos índices de esbeltez relativos tanto dos componentes quanto da peça (equação (2.8)). De posse dos índices de esbeltez relativos dos componentes da seção, calculam-se os parâmetros α , β  e  e λ r  . Aplicando-se estes três últimos parâmetros na equação (3.3), tem-se uma curva que representa a resistência relativa, função do índice de esbeltez relativo global, de uma série de pilares de mesma seção e comprimentos variados. Introduzindo-se o índice de esbeltez relativo global nesta última equação, tem-se a resistência relativa do pilar. Um exemplo ilustrativo

Perfil bi–rotulado sujeito à interação flambagem global – flambagem local na alma – flambagem local nas mesas.

•  Perfil I 380x350x7.396 x3.012 ( L  L = 3301.9 mm, d = 380 mm, bf =   350 mm, tf = 7.396  mm  mm

e tw = 3.012 mm)

•  Material:  f  y = 250  MPa ,

 f ε 0

 = 0.3 e n = 12. = 230 MPa , E = 205 GPa, ν  =

•  Deformações iniciais máximas, na direção do eixo de maior inércia: δ i = L 1000 = 1.056mm . 1. Calculando-se os índices de esbeltez esbeltez da alma, das mesas e da da peça como um todo (equações (2.5) e (2.33)), tem-se:

 

Capítulo 7 - Método Alternativo

λ a

= 121.251 ,

λ m

= 23.661  e

95

λ  g  = 35.985

2. Calculando-se os parâmetros k  de   de flambagem local tanto para alma quanto para as mesas (equações (5.1) e (5.2)), tem-se: k a

= 6.418  e

= 1.18

k m

3. Calculando-se os índices índices de es esbeltez beltez relativos tanto dos componente componentess quanto da peça (equação (2.8)), tem-se: λ a

= 1.758 ,

λ m

= 0.8  e

λ  g  = 0.4

4. Calculando-se os parâmetros α , β   e e λ r  (equações (6.7), (6.8) e (6.9)), tem-se: α  = 240.962 , β  = 7.172  e λ r  = 1.038

5. Aplicando-se estes três últimos parâmetros na equação (3.3), tem-se, após simplificação: 2

 χ  =

18.209λ  g  + 2.486λ  g  − 0.335

(λ  + 1)5.172  g 

6. Introduzindo o índice de esbeltez relativo global nesta última equação equação tem-se a resistência relativa do pilar:  χ  = 0.627

Comparando-se este resultado com o resultado do perfil 1 da Tabela 6.7 ( χ  = 0.6237 ), pode-se comprovar a eficácia do método.

 

Capítulo 8

Conclusões

Neste estudo, foi proposta uma abordagem alternativa à adotada pelas normas para o problema da interação entre modos distintos de flambagem em perfis I. Foi adotada a seguinte metodologia:

•  Estudar os perfis tipo I comprimidos comprimidos sujeitos a flambagem local ssomente omente •  Estudar os perfis tipo I comprimido comprimidoss sujeitos sujeitos a interação flambagem global  – flambagem local Para uma simples comparação com os resultados obtidos através do programa  ANSYS calculou-se algumas resistências relativas de perfil tipo I usando a norma NBR 8800/86. A seguir, na Tabela 8.1, 8.1, as  as características geométricas dos perfis: Tabela 8.1 – Características geométricas dos perfis para comparação entre os resultados obtidos numericamente e os da norma NBR 8800/86 Perfil

Tipo de Interação

d (cm)

bf (cm)

tf (cm)

tw (cm)

L (cm)

1

Nenhuma

21.0

15.0

0.9000

0.5000

465.000

2

Nenhuma

40.0

20.0

1.1000

0.3919

25.830

3

Nenhuma

20.0

20.0

0.2206

0.8000

16.579

4

 Alma Mesa

38.0

35.0

0.3862

0.3860

51.550

5

Global Alma

59.0

29.5

1.5500

0.5815

918.231

6

Global Mesa

30.0

30.0

0.3335

1.3600

626.968

7

Global Alma Mesa

38.0

35.0

0.3862

0.3860

1028.16

Na Tabela 8.2, 8.2, os  os resultados com esta comparação: Tabela 8.2 – Comparação entre os resultados obtidos numericamente e os da norma NBR 8800/86 Perfil

λ   Global   λ   Alma   λ   Mesa

NBR 8800

ANSYS

Método Proposto

1

1.38954

0.5097

0.4677

0.332

0.411

0.409

2

0.0575

1.4000

0.4802

0.753

0.607

0.601

3

0.0531

0.2914

1.4001

0.127

0.451

0.464

4

0.0702

1.3998

1.4000

0.178

0.400

0.395

5

1.3953

1.3976

0.4878

0.329

0.377

0.385

6

1.3895

0.2501

1.3772

0.106

0.336

0.325

7

1.3998

1.3998

1.4000

0.138

0.267

0.262

 

Capítulo 8 - Conclusões

97

De acordo com a Tabela 8.2 8.2   acima, os valores em verde das resistências segundo a norma NBR 8800/86 são bastante conservadores, se comparados com os resultados gerados numericamente, enquanto o valor em vermelho mostra o oposto. Isto se deve, em parte, às possíveis diferenças entre pressupostos na geração das curvas de flambagem.  A norma brasileira de perfis formados a frio (chapas finas) e outras normas internacionais propõem que para elementos enrijecidos seja tomado o fator k  para a equação (2.31) igual a 4, que é um valor na maioria das seções conservador, pois que 4  seria se houvesse uma ligação perfeitamente apoiada como uma chapa simplesmente apoiada, mas o que há, na realidade, é algo entre o engastamento perfeito e o apoio simples. O mesmo para os elementos não enrijecidos. Neste trabalho, foi feito um estudo simplificado para avaliar superficialmente o comportamento do parâmetro k  da   da equação (2.31), visto que este não foi o seu objetivo principal, mas fundamental para sua conclusão. Para esta análise, adotou-se o seguinte critério: considerou-se uma chapa para as mesas relativamente grossa e estudou-se o comportamento da flambagem local elástica na alma, o mesmo para as mesas considerando a chapa da alma relativamente grossa. Não foi considerado o caso da espessura da chapa da alma e das mesas com a mesma ordem de grandeza.  Assim foi possível, por meio das tabelas apresentadas nos capítulos precedentes, um dimensionamento simples e rápido. Caso o índice de esbeltez da alma for menor que 45 e o da mesa for menor que 8.5 pode-se usar a Tabela 4.1 ou ainda usar os valores de α , β   e λ r   obtidos por regressão no Capítulo 4 . Caso o índice de esbeltez relativo da mesa seja relativamente baixo (menor que 0.3), o

da alma entre 0.8 e 1.8 e o global entre 0.4 e 1.8 pode-se usar a Tabela 6.2

ou os valores de α , β   e e λ r   obtidos por regressão na Tabela 6.3, tendo os índices relativos da alma entre 0.8  e 1.8. Da mesma forma, se o índice de esbeltez relativo da alma for relativamente baixo (menor que 0.3), o da mesa entre 0.8  e 1.8 e

o global entre 0.4  e 1.8, pode-se usar a Tabela 6.5 ou os valores de α , β   e

 

Capítulo 8 - Conclusões

98

6.6, tendo os índices relativos da mesa entre λ r   obtidos por regressão na Tabela 6.6, tendo 0.8 e 1.8.

Se os índices de esbeltez relativos, tanto da alma quanto da mesa, estiverem entre 0.8 e 1.8 e o índice de esbeltez relativo global estiver entre 0.4 e 1.8 pode-se usar a Tabela 6.7 ou os valores de α , β   e λ r   obtidos por regressão na Tabela 6.8. Ou 6.8.  Ou ainda usar o método alternativo apresentado no Capítulo 7 . Nenhum dos valores regredidos de β   e λ r   nos capítulos precedentes obedecem à restrição (3.4). Isto significa que para valores pequenos de λ    a derivada primeira de  χ  é  é positiva, com o incremento de λ   esta logo torna a ser negativa. A primeira derivada mesmo sendo positiva assume valores pequenos, tornando a curva quase horizontal nesta região. Tais resultados não comprometem o trabalho, visto que valores pequenos de λ   são pouco usados. No presente estudo, mostra-se o estado do conhecimento de instabilidade de pilares e da interação entre dois ou mais modos de instabilidade. Foi visto que os métodos numéricos são mais eficientes que os demais métodos utilizados em análises do comportamento estrutural, porém pouco práticos, o que faz com que as normas recomendem métodos semi-empíricos. Demonstrou-se também que o planejamento usualmente recomendado nas pesquisas do comportamento estrutural de pilares se baseia na generalização de procedimentos a partir da expressão de Ramberg – Osgood para modelação do

 − λ  comportamento tenso–deformacional dos materiais e das curvas do tipo  χ  − obtidas de análises não lineares por elementos finitos ou outro método numérico de igual eficácia. Por outro lado, o método de análise da interação entre modos de instabilidade mais estudado atualmente é a Teoria da Erosão da Carga Crítica, Crítica, que utiliza curvas do tipo  χ   −− λ , com o parâmetro de imperfeição determinado em função do

 

Capítulo 8 - Conclusões

99

fator de erosão que também pode ser determinado por procedimentos numéricos. Foi proposta uma abordagem alternativa para a obtenção das resistências à compressão simples de pilares metálicos de seção do tipo I duplamente simétrica para perfis com tensões residuais e imperfeições geométricas, abordagem esta, que tem como fundamento uma equação baseada apenas em conceitos matemáticos e não físicos como até então se fazia. Como sugestões para trabalhos futuros propõe-se:

•  Aumentar a quantidade de perfis a ensaiar numericamen numericamente te para se conseguir uma regressão melhor. este estudo para diferentes materiais, diferentes tipos de •  Generalizar este seções e diferentes tipos de carregamento.

•  Comprovar, através de ensaios, alguns resultados obtidos numericamente. •  Utilizar resultados experimentais para calibrar a metodologia proposta.

 

100

Referências Bibliográficas  AISC (1993): Load and Resistance Factor Design Manual of Steel Construction,  American Institute of Steel Construction, Chicago. Chicago.  AISI (1991): Load and Resistance Factor Design Specification for the Design of  Cold-Formed Steel Structural Members, Members, American Iron and Steel Institute, Washington, D.C.  AISI (1997): 1996 Edition of the Specification for the Design of Cold-Formed Steel  Structural Members, Members, American Iron and Steel Institute, Washington, D.C.  Aoki, T. e Hasegawa, K. (1996): “Local and Overall Buckling Strength of Centrally Loaded Cold-Formed Square and Rectangular Section Steel Columns”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 181-188.  Arnedo, A., Mirambell, E. e Real, E. (1998): “Deformations of Flexural Members Members of   Austenitic Stainless Steel”, Journal of Constructional Steel Research, Research , 46:1-3, Paper Nº 241.  Augusti, G., Sepe, V. e Paolone, A. (1998): “An Introduction to Compoumd and Coupled Buckling and Dymanic Bifurcations”, in Coupled Instabilities in Metal  Structures: Theoretical and Design Aspects  Aspects  (edited by J. Rondal), Udine, Springer-Verlag Wien New York (CISM Courses and Lectures, Nº 379), pp. 1-27. Batista, E. M. (2000): “Reliability and Progress in Desing Codes”, Proceedings of  the Third International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS 2000 , Lisbon, Portugal, pp. 661-671. Batista, E. M., Vazquez, E. G., Nagahma, K. J. e Camotim, D. (2000): “Estudo dos Modos de Instabilidade Local de Placas e Distorcional em Perfis de Chapa Dobrada de Aço”, XXIX Aço”,  XXIX Jornada Sudamericana de Ingenieria Estrutural – Jubileo Prof. Julio Ricaldoni , Ponta del Este, Uruguai. Batista, E. M. e Sarmanho, A. M. C. (1996): “Ultimate Limit State of Thin-Walled Steel Beam-Columns”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 237-246. Berg, G. J. van den (1998): “The Behaviour of Cold-Formed Stainless Steel Structural Members”, Journal of Constructional Steel Research, Research , 46:1-3, Paper Nº 280. Bjorhovde, R. (1992): “Compression Members”, in Constructional Steel Design:  An International Guide Guide (edited  (edited by R. Bjorhovde, P. J. Dowling and J. E. Harding), Elsevier Applied Science, London, pp. 67-89.

 

101

Bredenkamp, P. J., van den Berg, G. J. e van der Merwe, P. (1998): “The Behaviour of Hot-Rolled and Built-Up Stainless Steel Structural Members”, Journal of Constructional Steel Research, Research, 46:1-3, Paper Nº 281. Collin, P. e Möller, M. (1998): “Structural Applications for High Strength Steel”, Nordic Constructional Steel Conference ‘98 , Bergen, Norway. Davies, J. M. (1998): “Generalised Beam Theory (GBT) for Coupled Instability Problems”, in Coupled Instabilities in Metal Structures: Theoretical and Design  Aspects   (edited by J. Rondal), Udine, Springer-Verlag Wien New York (CISM  Aspects Courses and Lectures, Nº 379), pp. 151-223. Davies, J. M. e Jiang, C. (1996): “Design of Thin-Walled Columns for Distortional Buckling”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled  Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 165-172. Davies, J. M. e Jiang, C. (1998): “Design for Distortional Buckling”, Journal of  Constructional Steel Research, Research, 46:1-3, Paper Nº 104. Degee, H. (2000): “Coupling Between and Overall Buckling Using Beam Elements”, Proceedings of the ThirdLocal International Conference on Coupled  Instabilities in Metal Structures – CIMS 2000 , Lisbon, Portugal, pp. 97-104. Dubas, P. e Gehri, E. (1986): Behaviour and Design of Steel Plated Structures, Structures , Zürich, Switzerland, Applied Statics and Steel Structures, Swiss Federal Institute of Technology, ETH-Hönggerberg (ECCS Publication Nº 44). Dubina, D. (1996): “Bar Members (General Report)”, Proceedings of the Second  International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 119-132. Dubina, D. (1998): “Interactive Buckling Analysis of Thin-Walled Cold-Formed Steel Members via Critical Load Erosion Theory”, Coupled Instabilities in Metal  Structures: Theoretical and Design Aspects  Aspects  (edited by J. Rondal), Udine, Springer-Verlag Wien New York (CISM Courses and Lectures, Nº 379), pp. 291344. Dubina, D., Goina, D., Georgescu, M., Ungureanu, V. e Zaharia, R. (1998): “Recent Research on Stability Analysis of Thin-Walled Cold-Formed Steel Members”, Journal of Constructional Steel Research, Research, 46:1-3, Paper Nº 103. Dubina, D., Davies, J. M., Jiang, C. e Ungureanu, V. (1996): “Recent Interative Buckling Approaches for Cold-Formed Thin-Walled Thin-W alled Members”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 173-180. Dubina, D.,– Georgescu, Jorgovan,the E.,Interactive Goina, D.Buckling e Ungureanu, “Datacost Database forM., Calibrating CurvesV.for(1996): ColdFormed Steel Members”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 557-565.

 

102

Dubina, D., Mazzolani, F. M., Landolfo, R., Goina, D. e Ungureanu, V. (1996): “Coupled Instability of Thin-Walled Cold-Formed Beams”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 263-272. Dubina, D. (2000): “Recent Research Advances and Trends on Coupled Instability of Bar Members”, Proceedings of the Third International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS 2000 , Lisbon, Portugal, pp. 131144. Dubina, D., Ungureanu, V., Szabo, I. (2000): “Influence of local and sectional geometrical imperfections on local/distortional and interative bucking modes of  cold-formed members”, Proceedings of the Third International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS 2000 , Lisbon, Portugal, pp. 179188. ENV 1993-1-1 (1996): Eurocode 3: Proyecto de Estructuras de Acero, Parte1-1: Reglas Generales. Reglas generales e reglas para edificación, edificación , Asociación Española de Normalización e Certificación, Madrid. Espiga, F. e Anza, J. J. (1996): “Numerical Investigation on Global and Local Inelastic Buckling Modes of I-beams”, Proceedings of the Second International  Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 85-94. Feodosiev, V. I. (1976): Resistencia de Materiales, Materiales, Buenos Aires, Ediones Sapiens. Fisher, M. Zhu, J. e Priebe, J. (1996): “The Method of Effective Width Used for  Bars with Thin-Walled Cross-Section – Remarks on Insufficiencies and Improvements”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled  Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 141-148. Freitas, A. M. e Freitas, M. S. R. (2000): “Análise Teórica e Experimental de Perfis de Paredes Esbeltas com Enrijecedor Intermediário”,  XXIX Jornada Sudamericana de Ingenieria Estrutural – Jubileo Prof. Julio Ricaldoni , Ponta del Este, Uruguai. Galambos, T. V. (1998): Guide to Stability Design for Metal Structures, Structures , 5th  ed., New York, Wiley, John & Sons, Incorporated. Gioncu, V. (1998): “Phenomenological and Mathematical Modelling of Coupled Instabilities”, Coupled Instabilities in Metal Structures: Theoretical and Design  Aspects   (edited by J. Rondal), Udine, Springer-Verlag Wien New York (CISM  Aspects Courses and Lectures, Nº 379), pp. 85-149. Gioncu, V., Tirca, L. Y Petcu (1996): “Interaction between In-plane and Out-ofplane Plastic Buckling of Wide-Flange Sections Members”, Proceedings of the

 

103

Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 273-282. Guggenberger, W. e Ofner R. (1996): “Interactive Effects of Umiaxial Bending about the Major Axis on the Flexural Buckling about the Minor Axis”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal  Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 282-292. Hamrebjörk, L. (1998): “More Efficient Structural Design with High-Strength Steel”, Nordic Mining Review . Hancock, G. J. e Rogers, C. A. (1998): “Design of Cold-Formed Steel Structures of High Strength Steel”, Journal of Constructional Steel Research, Research, 46:1-3, Paper  Nº 97. Hancock, G.J. (1998): “Finite Strip Buckling and Nonlinear Analyses and Distortional Buckling Analysis of Thin-Walled Structural Members”, Coupled  Instabilities in Metal Structures: Theoretical and Design Aspects  Aspects   (edited by J. Rondal), Udine, Springer-Verlag Wien New York (CISM Courses and Lectures, Nº 379), pp. 225-289. Kala J., Kala Z., Teplý B. e Shaloud M. (2000): “Probabilistic Aspects in the Interative Global and Local Bucking of Thin-Walled Colums”, Proceedings of the Third International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS 2000 , Lisbon, Portugal, pp. 121-128. Kalyanaraman, V. e Srinivasa Rao, K. (1998): “Torsional-Flexural Buckling of  Singly Symmetric Cold-Formed Steel Beam Columns”, Journal of Constructional  Steel Research, Research, 46:1-3, Paper Nº 328. Kalyanaraman, V., Pekoz, T. e Winter, G. (1977): “Overall Column Stability After  Local Buckling”, International Colloquium on Stability of Structures Umder Static  and Dynamics Loads, Loads, Washington, D. C., pp. 757-771. Landolfo, R. (2000): “Coupled Instabilities In Non-Linear Materials”, Proceedings of the Third International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures  – CIMS 2000 , Lisbon, Portugal, pp. 549-562. Moldovan, A. (1996): “Study on Ultimate Strength of Eccentrically Loaded ThinWalled Columns”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 229-236. NBR 8800 (1986): Associação Brasileira de Normas Técnicas. “Projeto e Execução de Estruturas de Aço de Edifícios”. Rio de Janeiro. Nethercot, D. A. (1992): “Beams”, in Constructional Steel Design: An International  Guide (edited Guide  (edited by R. Science, London, pp.Bjorhovde, 45-66. P. J. Dowling and J. E. Harding), Elsevier Applied

 

104

Oda, H., Usami, T. e Ge H. B. (1996): “Experimental Re-examination of Coupled Buckling Strength Formula Considering Initial Imperfections”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 133-140. Olsson, A. (1998): “Constitutive Modelling of Stainless Steel”, Journal of  Constructional Steel Research, Research, 46:1-3, Paper Nº 242. Ono, T., Yoshida, F., Iwata, M. e Hayashi, K. (1996): “Effects of Material Properties on Local Buckling Behaviour of Metal Member”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 539-546. Ortiz Herrera, J. e Rio Bueno, A. do (1998): “Proyecto de Soportes Metálicos Excéntricamente Comprimidos: Estudio Comparado de Diversas Normas Recientes”, Hormigón e Acero, Acero, Madrid, 3º Trimestre 1998, pp.85-108. Pignataro, M. (1996): “Theoretical Backgroumds (General Report)”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal  Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 3-14. Pignataro, M. (1998): “Stability, Bifurcation and Postbuckling Analysis”, Coupled  Instabilities in Metal Structures: Theoretical and Design Aspects  Aspects   (edited by J. Rondal), Udine, Springer-Verlag Wien New York (CISM Courses and Lectures, Nº 379), pp. 29-83. Queiroz, G. (1993):  Elementos das Estruturas de Aço. Aço. Belo Horizonte: [s.n.], 4 a ed. Rasmussen, K. J. R. (1996): “Numerical Simulation and Computational Models (General Report)”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 45-60. Rasmussen, K. J. R. e Rondal J. (1998): “A Umified Approach to Column Design”, Journal of Constructional Steel Research, Research, 46:1-3, Paper Nº 85. Rhodes, J. (1992): “Cold Formed Members”, in Constructional Steel Design: An International Guide  Guide  (edited by R. Bjorhovde, P. J. Dowling and J. E. Harding), Elsevier Applied Science, London, pp. 197-215. Richard Liew, J. Y., White, D. W. e Chen, W. F. (1992): “Beam-Columns”, in Constructional Steel Design: An International Guide (edited Guide  (edited by R. Bjorhovde, P. J. Dowling and J. E. Harding), Elsevier Applied Science, London, pp. 105-132. Rondal, J. (1996): “Design Criteria and Progress in Design Codes (General Report)”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled  Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 527-530. Rondal, J. (1998): “Buckling and Interative Buckling of Metal Columns, Optimum Design Umder Stability Constraints and Code Aspects”, Coupled Instabilities in

 

105

Metal Structures: Theoretical and Design Aspects  Aspects  (edited by J. Rondal), Udine, Springer-Verlag Wien New York (CISM Courses and Lectures, Nº 379), pp. 345372. Sá, P. A. C. O. de, Santos, W. S. e Mirambell A., E. (2001): “Curvas de Flambagem Local para Tubos Metálicos de Seção Retangular Comprimidos”, IV  Seminário Internacional “O Uso de Estruturas Metálicas na Construção Civil” e I  Congresso Internacional da Construção Metálica – I CICOM , São Paulo. Santos, W. S. e Sá, P. A. C. O. de (2002): “Interação Flambagem Global – Flambagem Local em Colunas”, II Seminário do Uso do Aço na Construção Civil  e III Semana da Construção Metálica da UFES, UFES, Vitória. Santos, W. S., Sá, Pedro A. C. O. de e Mirambell A., E. (2000): “Flambagem Local em Tubos Metálicos de Seção Retangular Comprimidos”, III Seminário Internacional “O Uso de Estruturas Metálicas na Construção Civil” , Belo Horizonte. Sedlacek, G., Grotmann, D., Feldmann, M. e Schleich, J. B. (1995): “Design Rules for High Strength in Eurocode 3 and Proceedings of Nordic SteelSteels Construction Conference ’95 ,Future Malmö,Developments”, Sweden, Vol. I, pp. 13-21. Simmons, G. F. (1987): Cálculo com Geometria Analítica, Analítica, São Paulo: [McGrawHill], Vol. I. Skaloud, M. (1996): “Plated Structures (General Report)”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 357-370. Timoshenko, S. P. e Gere J. M. (1961): Theory of Elastic Stability , Tokyo, International Student Edition, Tosho Printing Co.,LTD. Usami, T. (1997): “Coupled Instability”, in Structural Stability Design – Steel and  Composite Structures  Structures  (edited by Yuhshi Fukumoto), Elsevier Applied Science, Oxford, pp. 315-335. Usami, T. e Ge, H. B. (1996): “Coupled Instability of Bar Members”, Proceedings of the Second International Conference on Coupled Instabilities in Metal  Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 217-228. Van Straalen, I. J., Toma, A. W., Vis, R. e Waaldijk, A. (1996): “Drafting Design Rules for Stability of Thin-Gauge Columns”, Proceedings of the Second  International Conference on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 531-538. Ville Goyet, V. de (1996): “Initial Deformed Shaped – Essential Conference Data for a NonlineardeComputation”, Proceedings of the Second International on Coupled Instabilities in Metal Structures – CIMS ’96 , Liège, Belgium, pp. 61-68.

 

106

Anexo: Arquivo para parametrização  A seguir, o arquivo de leitura para parametrização dos pilares do tipo I duplamente simétricos com imperfeições geométricas e físicas no programa ANSYS calculados neste trabalho: *ASK,D,DIGITE A ALTURA DO PERFIL,38 *ASK,BF,DIGITE A LARGURA DO PERFIL,35 *ASK,TF,DIGITE A ESPESSURA DAS MESAS DO PERFIL,0.7396 *ASK,TW,DIGITE A ESPESSURA DA ALMA DO PERFIL EM,0.6515 *ASK,L,DIGITE O COMPRIMENTO DO PERFIL,1178.27 *ASK,N,DIGITE O NÙMERO DE MÒDULOS DO PERFIL,23 *ASK,F,DIGITE O FATOR QUE MULTIPLICARÁ PY, 0.337 *ASK,FY,DIGITE A TENSÃO DE ESCOAMENTO DO MATERIAL,25 *ASK,E,DIGITE O MÒDULO DE ELASTICIDADE DO MATERIAL,20500.205 *ASK,V,DIGITE O COEFICIENTE DE POISSON DO MATERIAL, 0.3 *ASK,NE,DIGITE O COEFICIENTE DE IMPERFEICAO N DO MATERIAL,12 *ASK,TR,DIGITE O VALOR DA TENSÃO RESIDUAL DO MATERIAL,2 G=E/(2*(1+V)) PI=ACOS(-1) TC=3*N+1 TN=19*TC M=L/N DL=D-TF H=D-2*TF A=H*TW+2*BF*TF KEYW,PR_SET,1 KEYW,PR_STRUC,1 KEYW,PR_THERM,0 KEYW,PR_FLUID,0 KEYW,PR_ELMAG,0 KEYW,MAGNOD,0 KEYW,MAGEDG,0 KEYW,MAGHFE,0 KEYW,MAGELC,0 KEYW,PR_MULTI,0 KEYW,PR_CFD,0 /PREP7 ET,1,181 *IF,TF,LT,TW,THEN R,1,TF MESA=1 R,2,TW ALMA=2 *ELSE R,1,TW ALMA=1 R,2,TF MESA=2 *ENDIF *DIM,GRUPO,ARRAY,TN *DIM,X,ARRAY,TN *DIM,Y,ARRAY,TN *DIM,Z,ARRAY,TN

*DIM,DY,ARRAY,TN

 

107

*DO,J,1,TN,1 AX=J/19 *IF,MOD(J,19),NE,0,THEN *IF,AX-NINT(AX),GE,0,THEN AX=NINT(AX)+1 *ELSE AX=NINT(AX) *ENDIF *ELSE AX=NINT(AX) *ENDIF GRUPO(J)=AX X(J)=(GRUPO(J)-1)*M/6-L/2 DY(J)=(L/1000)*SIN(PI*X(J)/L) *IF,(GRUPO(J)-1)*19+1,LE,J,THEN *IF,(GRUPO(J)-1)*19+7,GE,J,THEN Y(J)=(BF/6)*(18-(GRUPO(J)*19-J))-BF/2+DY(J) Z(J)=-1*DL/2 AX=1 *ELSE AX=0 *ENDIF *ENDIF *IF,AX,EQ,0,THEN *IF,(GRUPO(J)-1)*19+8,LE,J,THEN *IF,(GRUPO(J)-1)*19+14,GE,J,THEN Y(J)=(BF/6)*(11-(GRUPO(J)*19-J))-BF/2+DY(J) Z(J)=DL/2 *ELSE Y(J)=DY(J) Z(J)=(DL/6)*(J-GRUPO(J)*19+5)-DL/2 *ENDIF *ENDIF *ENDIF  N,J,X(J),Y(J),Z(J) *ENDDO REAL,MESA EN,1,1,20,21,2 EGEN,6,1,ALL EGEN,2,7,ALL REAL,ALMA EN,13,4,23,34,15 EN,14,15,34,35,16 EGEN,4,1,-1 EN,18,19,38,30,11 EGEN,TC-1,19,ALL  NSEL,,,,TN-18,TN DSYM,SYMM,X,0  NSEL,,,,1,19 D,ALL,UY,0 D,ALL,UZ,0 D,ALL,ROTX,0  NSEL,ALL UIMP,1,EX,,,E UIMP,1,NUXY,,,V UIMP,1,GXY,,,G TB,MISO,1,1,37,, TBTEM,0,1 *DIM,SG,ARRAY,37

DIM,EP,ARRAY,37

 

108

*DO,J,1,37,1 SG(J)=7+(J-1)/2 EP(J)=(SG(J)+(FY-TR)*(SG(J)/(FY-TR))**NE)/E TBPT,DEFI,EP(J),SG(J) *ENDDO F,1,FX,F*FY*BF*TF/12 F,2,FX,F*FY*BF*TF/6 F,3,FX,F*FY*BF*TF/6 F,4,FX,F*FY*A/12 F,5,FX,F*FY*BF*TF/6 F,6,FX,F*FY*BF*TF/6 F,7,FX,F*FY*BF*TF/12 F,8,FX,F*FY*BF*TF/12 F,9,FX,F*FY*BF*TF/6 F,10,FX,F*FY*BF*TF/6 F,11,FX,F*FY*A/12 F,12,FX,F*FY*BF*TF/6 F,13,FX,F*FY*BF*TF/6 F,14,FX,F*FY*BF*TF/12 F,15,FX,F*FY*H*TW/6 F,16,FX,F*FY*H*TW/6 F,17,FX,F*FY*H*TW/6 F,18,FX,F*FY*H*TW/6 F,19,FX,F*FY*H*TW/6 /TITLE,PERFIL I /SOLU  NLGEOM,1 SSTIF,ON TIME,1 AUTOTS,0  NSUBST,100,,,1 KBC,0 TSRES,ERASE  NEQIT,25 OUTRES,ALL,ALL /REP SAVE SOLVE

Sponsor Documents

Hide

Forgot your password?

Or register your new account on INBA.INFO

Hide

Lost your password? Please enter your email address. You will receive a link to create a new password.

Back to log-in

Close